Escola de Guerra do Exército dos EUA: laços duradouros de amizade, compreensão e cooperação

Escola de Guerra do Exército dos EUA: laços duradouros de amizade, compreensão e cooperação

Por Coronel do Exército dos EUA Barbara R. Fick e Coronel do Exército Brasileiro Júlio C. Toledo
julho 14, 2021

Nesses momentos incertos do século XXI, o papel da diplomacia, da cooperação multilateral, das organizações internacionais e das coalizões de aliados e parceiros é mais importante do que nunca. Hoje em dia, os desafios enfrentados pela maioria das nações são menos relativos a conflitos militares entre Estados e mais a ameaças assimétricas de grupos terroristas ou criminosos, oportunidades econômicas e estabilidade, ameaças ao meio-ambiente e crises humanitárias, bem como instituições governamentais que prestam serviços necessários aos cidadãos. Isso se tornou especialmente evidente durante a pandemia da COVID-19, quando instituições governamentais e não governamentais internacionais tiveram que aumentar o compartilhamento de informações, as comunicações e a cooperação em todo o mundo. Nesse contexto, as instituições mundiais de defesa e segurança também devem desenvolver maior capacidade de troca de informações, coordenação e cooperação, para encarar os diversos desafios comuns que enfrentam nossas nações. A Escola de Guerra do Exército dos Estados Unidos (USAWC, em inglês), em Carlisle, Pensilvânia, e demais instituições militares profissionais similares atuam como os indispensáveis prestadores de apoio militar aos nossos esforços coletivos para combater os desafios comuns.

A USAWC está composta pelo Centro de Liderança Estratégica (Centro Collins), o Instituto de Estudos Estratégicos, o Instituto de Operações de Estabilidade e Manutenção da Paz e o Centro de Educação e Patrimônio do Exército. (Foto: Relações Públicas da Escola de Guerra do Exército dos EUA)

A USAWC é uma instituição do Exército que atende às necessidades de educação profissional no âmbito estratégico ou nacional das organizações governamentais civis e militares dos EUA, preparando oficiais e civis para assessorar os líderes seniores e, eventualmente, atuar na elaboração de políticas e tomadas de decisões nos mais altos escalões de seus departamentos. Os alunos podem obter grau certificado de mestrado em Estudos Estratégicos, projetados para líderes seniores militares e civis, nas patentes de tenente-coronel e coronel, com cerca de 22 anos de serviço. Este treinamento serve para prepará-los para servir em nível estratégico em uma comunidade de segurança nacional conjunta, interagente, intergovernamental e multinacional.

A escola forma líderes estratégicos com uma forte base de conhecimentos, fundamentada na maestria da profissão das armas, educando futuros líderes em teorias de guerra, liderança estratégica, gestão de defesa, política de segurança nacional, estratégia no teatro de operações, estudos regionais e matérias eletivas sobre temas estratégicos fundamentais.

Alunos internacionais

O campus tem uma localização ideal, a apenas duas horas de carro da capital do país, Washington, D.C. Essa localização permite engajamentos frequentes e intercâmbios enriquecedores com os criadores de políticas estratégicas e tomadores de decisões militares e civis de âmbito nacional, além de atrair os melhores profissionais e especialistas acadêmicos para uma experiência de educação superior. A experiência da USAWC não é excepcional apenas quanto à qualidade de seu currículo, corpo docente e de pesquisas e recursos, mas também quanto à qualidade e diversidade do seu corpo discente. O corpo de alunos é formado por pessoal conjunto e interagencial, militar e civil, dos EUA e de outros países.

“A experiência na USAWC superou minhas expectativas. Os seminários são fascinantes. A opinião de cada aluno é importante e enriquece o debate com sinceridade e argumentos fortes. O treinamento na USAWC traz muitos benefícios ao desenvolvimento profissional futuro. A prontidão para enfrentar os desafios da liderança estratégica é enorme, especialmente quando se trata de tomar decisões que afetam organizações como o Exército. Essa instituição educacional provou ser muito competente e preparada. Mesmo em um ano de pandemia que nos obrigou a enfrentar novos desafios, todos os professores foram capazes de assumi-los na USAWC. Sou muito grato à educação que a USAWC me proporciona”, disse à Diálogo o Tenente-Coronel do Exército do Chile, Ricardo Kaiser Onetto, membro da turma de 2021.

O Coronel do Exército Brasileiro Julio C. Toledo mostra com orgulho o seu diploma de formatura. (Foto: Arquivo pessoal)

Em um ano típico, a composição da turma é de 380 alunos, incluindo cerca de 80 oficiais internacionais. O número de alunos da turma de 2021 é um pouco menor em todas as categorias devido à COVID-19. A composição do seminário, combinada com o modelo de aprendizagem adulto, é essencial para o sistema educacional da USAWC: um esforço deliberado para formar um grupo diversificado e representativo de profissionais conjuntos, interagentes e internacionais.

Apenas um seminário agrega mais de 300 anos de experiência e conhecimentos diversos. Os membros do corpo docente aproveita, bastante essa experiência nos debates dos seminários. O Coronel do Exército Brasileiro, Everton Pacheco da Silva, integrante da turma de 2019 e ex-professor de intercâmbio da USAWC, ficou inicialmente surpreendido com o interesse dos professores e alunos em buscar a perspectiva e os conselhos dos estudantes e professores internacionais. “Foi surpreendente o nível de confiança depositada em nós pelo Exército dos EUA, sempre perguntando nossas opiniões e pontos de vista. Fiquei muito impressionado com a diversidade de assuntos sobre nossos países e regiões que a USAWC abordava, levando em conta nossas opiniões. Podíamos sentir, sem dúvida, o interesse genuíno em ouvir e avaliar nossos pontos de vista e opiniões durante as aulas do seminário. Eles realmente procuravam considerar — e aprender com — nossos pontos de vista. Os oficiais do Exército dos EUA pareciam realmente interessados em receber nossas contribuições e experiências.”

Potencial de liderança em nível estratégico

O General de Exército Alberto Mejía, ex-comandante do Exército da Colômbia, fala durante a cerimônia de sua incorporação ao Hall da Fama Internacional da USAWC, em março de 2017. (Foto: Relações Públicas da Escola de Guerra do Exército dos EUA)

Os alunos são selecionados com base em seu potencial de liderança em nível estratégico. Todos são escolhidos através de um processo de seleção competitivo e centralizado; os oficiais escolhidos para dar as instruções estão normalmente entre os 10 por cento mais destacados de seus grupos. Os alunos civis são selecionados através da cadeia de comando de sua organização e devem ter uma posição equivalente à de tenente-coronel ou superior.

Todos os anos, o chefe do Estado-Maior do Exército dos EUA convida os estudantes internacionais (IF, em inglês) dos países selecionados para participar dos programas de educação presencial ou à distância. Esses convites normalmente são feitos através das embaixadas dos EUA aos ministérios de defesa ou aos comandos das forças militares de cada país. De acordo com o Tenente-Coronel do Exército da Argentina, Agustín García Verdous, integrante da turma de 2021, “definitivamente, é uma oportunidade única poder criar relações pessoais entre os oficiais superiores da América Latina, junto aos oficiais americanos, e assim reforçar o compromisso entre as nações a partir da interação pessoal. Com base na confiança e no conhecimento mútuo, essas relações podem contribuir para promover soluções futuras a determinados desafios que causem impacto na região”.

Um dos melhores aspectos do curso presencial anual da USAWC é a diversidade de IFs. Mais de 70 formandos internacionais ingressaram no Hall da Fama dos Participantes Internacionais da USAWC, que foi criado em 1987 como um meio prestigioso e visível de homenagear os formandos IFs que atingiram as mais altas posições nas forças armadas de suas respectivas nações ou que alcançaram uma posição equivalente, por patente ou responsabilidade, em uma organização multinacional.

Isso já basta para mostrar o calibre dos oficiais internacionais enviados à USAWC. Os oficiais internacionais são denominados “international fellows” para mostrar seu papel duplo, de aprender e contribuir para o aprendizado dos demais, representando as perspectivas de seus países e de sua região. Nos últimos 42 anos, os melhores e mais brilhantes militares das nações parceiras e aliadas frequentaram as aulas junto com seus homólogos dos EUA.

Ao viver e estudar nos Estados Unidos, os oficiais internacionais passam a entender melhor os valores e a cultura do país, além da formulação de estratégias, políticas e tomadas de decisão em nível nacional sob a perspectiva da segurança nacional. Os IFs frequentam um curso de orientação de seis semanas antes do início do ano acadêmico, das quais duas semanas são para que os alunos e suas famílias se estabeleçam. Nas outras quatro semanas, são realizados estudos em campo, incluindo aulas, visitas e engajamentos experimentais.

Os IFs estão totalmente integrados à experiência de aprendizagem do seminário com os alunos dos EUA, participando de diálogos, estudos, pesquisas, bem como escrevendo redações sobre assuntos significativos para os interesses de segurança de seus próprios países. Os IFs criam compreensão mútua e afinidades com seus colegas e enriquecem o ambiente educacional da USAWC. Eles são colaboradores essenciais para a amplitude do conhecimento e da aprendizagem, tanto dentro como fora da sala de aula. Ao trazer as perspectivas e experiências dos militares e das culturas de suas nações, eles voltam para casa com essas mesmas experiências de seus colegas americanos, mas também dos demais alunos internacionais de aproximadamente 80 países diferentes.

Relacionamentos profissionais e pessoais duradouros

Quando os formandos avaliarem o que eles levarão consigo de mais valioso do ano que passaram na Escola de Guerra do Exército, invariavelmente apontarão para o benefício das relações duradouras profissionais e pessoais. O programa oferece incomparáveis oportunidades para a criação de redes profissionais com outros alunos, professores especialistas e palestrantes convidados, durante os passeios com as equipes de segurança nacional, bem como no envolvimento frequente com líderes estratégicos dos EUA. Os vínculos criados pessoalmente e através de plataformas virtuais e da colaboração, tanto dentro como fora da sala de aula, são duradouros e essenciais para qualquer profissional no mundo complexo atual. A turma de 2021 inclui oficiais seniores do hemisfério ocidental da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, El Salvador, Equador, Guatemala, México, Países Baixos e Reino Unido. Os oficiais e suas famílias de todos os países têm oportunidades adicionais de compartilhar as experiências e de se conhecerem mutuamente.

“A experiência dos alunos internacionais é, sem dúvida, relevante em vários aspectos. No caso do Chile, mantemos ótimas relações com todos os países da região, mas com alguns deles temos avançado em outras instâncias de intercâmbio, treinamento, desenvolvimentos de forças e organizacionais, acadêmicos e outros. Por exemplo, com a Argentina temos uma força-tarefa combinada e conjunta para responder imediatamente aos requisitos da ONU. Com o Brasil, temos importantes intercâmbios, e estamos presentes na Colômbia, no Comando de Transformação Exército do Futuro. Assim, a presença dos alunos desses países no programa da USAWC nos permite compartilhar ideias, conhecimentos e estreitar vínculos pessoais com base na participação conjunta nesse prestigiado programa do Exército dos Estados Unidos e, dessa maneira, todas essas relações geram um olhar comum que permite nossa aproximação e o fortalecimento de alianças”, disse o Ten Cel Kaiser Onetto.

É através do alto padrão do seu corpo docente, do currículo e dos alunos, bem como das inesquecíveis experiências e dos laços duradouros de amizade, que a USAWC brilha como uma instituição de educação militar profissional conjunta e internacional de primeiro nível.

Share