• Home »
  • Destaque »
  • JTF-Bravo: parceria regional para assistência humanitária e resposta a desastres

JTF-Bravo: parceria regional para assistência humanitária e resposta a desastres

JTF-Bravo: parceria regional para assistência humanitária e resposta a desastres

Por Geraldine Cook/ Diálogo
setembro 23, 2021

Diálogo visitou as instalações da Força-Tarefa Conjunta Bravo (JTF-Bravo, em inglês) em Honduras, para entrevistar seu comandante, o Coronel Steven E. Gventer, do Exército dos EUA.

Diálogo: Quais são seus objetivos como comandante da JTF-Bravo?

 Coronel Steven E. Gventer, do Exército dos EUA, comandante da JTF-Bravo: Meu objetivo é garantir que, após a COVID-19, criaremos um ambiente muito positivo, um lugar onde nossos membros se sintam valorizados e tenham a oportunidade de crescer, tanto em seu próprio âmbito pessoal, quanto em suas carreiras. Eles podem adquirir experiência em seus trabalhos, mas também ter espaço para criar relacionamentos e contribuir para a região.

Quanto a um espectro mais amplo do rumo que pretendemos que nossa organização tome, no que diz respeito ao treinamento e cumprimento da missão, temos a responsabilidade de treinar, buscar recursos e garantir ou validar nossas capacidades na JTF-Bravo. Um de nossos objetivos é realizar operações de apoio ao Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), o que para nós inclui a capacidade de prestar assistência humanitária e responder a desastres em nossa região, pois queremos ser o parceiro no qual todos confiam e a equipe que todos sabem que virá ajudar.

Somos o 40º Comando da JTF-Bravo. Vemos isso como uma equipe com responsabilidade de preparar e executar, mas que também tem responsabilidades para com as próximas equipes. O que o Subtenente e eu estamos realmente tentando fazer como força-tarefa é garantir que, quando sairmos daqui, nossos soldados, aviadores, marinheiros e guardiães que trabalham no lugar com nossas nações parceiras, entendam que estão lá para apoiar os Estados Unidos com todo o povo da região.

Diálogo: Qual a importância dos engajamentos globais de saúde da JTF-Bravo?

Cel Gventer: Nossos compromissos globais de saúde nos permitem uma aproximação com toda a área de operações, tudo através do SOUTHCOM, como fizemos recentemente na Colômbia. Podemos fornecer expertise médica de última geração, pois temos pessoas treinadas nas capacidades mais atuais para trabalhar em conjunto e prestar atendimento de saúde e também treinar funcionários e prestadores de serviços de saúde locais.

Diálogo: Existem novas técnicas de treinamento conjunto em prontidão de resposta a desastres com as nações parceiras?

Cel Gventer: Trabalhamos bem de perto com as autoridades locais e nacionais e suas capacidades de ajuda em desastres. Nós ampliamos nossas relações com eles quando criamos confiança através de exercícios teóricos conjuntos, onde apresentamos um cenário muito similar ao dos furacões Iota e Eta, e trabalhamos com eles a partir desse cenário. Sabemos que, quando estivermos no terreno durante uma crise, eles estarão na liderança e nós no apoio; estamos aqui como convidados, e estamos aqui para garantir que sempre seremos seus parceiros de escolha.

Diálogo: Quais as lições aprendidas com a resposta aos furacões Eta e Iota no ano passado?

Cel Gventer: Uma das lições aprendidas foi estabelecer uma progressão e uma capacidade interna de treinamento para nós, tanto com as organizações nacionais de saúde daqui, como com nossas embaixadas, bem como com os componentes do SOUTHCOM. Uma coisa que realmente aprendemos foi que não podemos simplesmente esperar que o evento ocorra. Precisamos tentar nos antecipar à crise, fazendo todo o possível para entender nossa capacidade. Trata-se de delinear um plano de carga para um helicóptero, quanto equipamento pode caber em um helicóptero, quantas pessoas precisam ir primeiro, e como isso pode ser feito. Estamos pensando em fazer um grande exercício para que a força-tarefa em Belize simule uma enorme crise com ajuda humanitária e resposta a desastres.

Diálogo: Qual foi o impacto do que fizeram durante a COVID-19?

Cel Gventer: Nós apoiamos 46 doações de projetos de Assuntos Civis – suprimentos médicos através do Programa de Assistência Humanitária – avaliadas em mais de US$ 500.000 no ano passado [2020]. Realizamos projetos de assistência e a equipe doou seu próprio dinheiro e tempo para levar alimentos e outros produtos para pequenas aldeias em Honduras e Guatemala. Patrocinamos orfanatos em toda a região quando identificamos o que podemos fazer para ajudar com seus escritórios e as áreas escolares para seus filhos. Há também projetos mais amplos que apoiamos e ajudamos com nossos engenheiros, desde ajudar as escolas a desenvolver um projeto para captar água potável, até ajudar os hospitais com nossa capacidade médica e treinamento.

Share