• Home »
  • China »
  • China busca consolidar seu plano de domínio em El Salvador

China busca consolidar seu plano de domínio em El Salvador

China busca consolidar seu plano de domínio em El Salvador

Por Julieta Pelcastre/Diálogo
outubro 06, 2021

Um relatório da cadeia norte-americana NBC News informou, no dia 4 de setembro de 2021, que há dois anos o governo dos Estados Unidos começou a questionar as ações de um empresário chinês para comprar a Ilha Perico, em El Salvador.

O projeto Oportunidades Compartilhadas, Futuro Compartilhado, para desenvolver uma zona econômica especial ao longo da franja costeira de El Salvador e construir um porto de águas profundas e uma região manufatureira, é representado pela empresa estatal chinesa Asia Pacific Xuanhao, informou em setembro de 2019 The New York Times. Essa empresa fabricante de alta tecnologia está vinculada ao Exército da China, informou o jornal guatemalteco El Periódico.

A zona econômica especial permitirá à China avançar seus planos para estabelecer uma rota comercial alternativa para o Canal do Panamá, melhorando seus interesses na região. Isso também proporcionaria a Pequim uma valiosa posição para expandir suas capacidades militares e de inteligência na América Latina, explicou The New York Times.

“A influência chinesa é global. Está em todas as partes do hemisfério e avança de forma alarmante”, disse no dia 4 de setembro, em uma entrevista à NBC News, o Almirante de Esquadra Craig S. Faller, da Marinha dos EUA, comandante do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM).

O jornal espanhol El País publicou que a China, através de sua missão expansionista do Novo Cinturão da Seda, pretende também construir um aeroporto e zonas turísticas em uma área de 2.800 quilômetros quadrados entre os portos La Libertad e La Unión, no Golfo de Fonseca, em El Salvador.

Buscando portos

Do México até o Uruguai, Pequim já controla cais e tem projetos portuários novos, mostra o portal do Observatório Econômico Latino-Americano (OBELA), com sede no México. “Esses projetos na região caribenha e centro-americana soaram alertas […] sobre as empresas estatais chinesas e suas atividades predatórias na região”, garante o OBELA.

Em 2018, a Asia Pacific Xuanhao tentou arrendar por 100 anos 13 por cento do território salvadorenho no porto La Unión e solicitou isenções fiscais com vigência de 30 anos para suas empresas, relatou The New York Times.

“A China tenta transformar o porto La Unión em um centro logístico regional operado por empresas chinesas, que excluiriam as empresas já estabelecidas em El Salvador, principalmente as norte-americanas e europeias”, disse à NBC News Evan Ellis, professor de estudos latino-americanos do Instituto de Estudos Estratégicos da Escola de Guerra do Exército dos EUA.

Ellis ressaltou que a China pretende utilizar o porto e as zonas comerciais para importar produtos chineses e distribuí-los a outros mercados centro-americanos, empregando empresas chinesas para armazenar esses produtos.

Ameaça para Honduras

O “projeto da China no Golfo de Fonseca é uma ameaça para Honduras, por ser o único acesso de Honduras ao Pacífico”, publicou no dia 1º de junho o jornal salvadorenho La Prensa. O especialista em direito internacional e em assuntos asiáticos Graco Pérez disse a La Prensa que “o projeto chinês interrompe a iniciativa trinacional para desenvolver o Golfo de Fonseca, que foi um acordo entre El Salvador, Honduras e Nicarágua, com financiamento do Banco Centro-Americano de Integração Econômica”.

A reportagem da NBC News afirmou que “a China está cada vez mais hábil no uso de subornos e outras práticas de corrupção para promover seus interesses comerciais, métodos considerados ilegais pelas corporações norte-americanas.”

Share