USAID destinará US$ 1,17 milhão para prestar assistência aos venezuelanos

USAID destinará US$ 1,17 milhão para prestar assistência aos venezuelanos

Por Voz da América (VOA)/Editado pela equipe da Diálogo
outubro 13, 2020

A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID, em inglês) informou, no dia 27 de agosto de 2020, que destinará US$ 1,17 milhão a cinco instituições que beneficiarão diretamente os venezuelanos que estão no Brasil, Colômbia, Equador e Venezuela.

O dinheiro faz parte de uma aliança entre a USAID e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) que busca identificar, financiar e levar soluções inovadoras aos venezuelanos e às comunidades que os acolhem em toda a América Latina e no Caribe.

A agência pretende melhorar o acesso a alimentação, educação e oportunidades de emprego, além de “promover o espírito empreendedor, a coesão social e o empoderamento econômico da mulher”.

De acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo Departamento de Estado dos EUA, o dinheiro será destinado a diversas instituições que trabalham pelo bem-estar dos venezuelanos.

Na Colômbia, a instituição recebedora será International Rescue Committee, que ajudará a alcançar as metas educacionais em 16 escolas importantes da cidade fronteiriça de Cúcuta e abordará temas como a violência juvenil e a xenofobia contra os migrantes.

Ao mesmo tempo, no Brasil e no Equador, a Cáritas Brasileira, instituição que lançará um portal digital que estará disponível em português e espanhol, permitirá que milhares de venezuelanos tenham acesso a uma rede confiável de serviços jurídicos, logísticos e humanitários.

Além disso, no Brasil, o Instituto Terroá ampliará o desenvolvimento de seu programa, reconhecido em nível nacional, e trabalhará com jovens venezuelanos e brasileiros para fortalecer a coesão social, a capacidade de inserção laboral e a integração em Brasília, Manaus e São Paulo, através de um programa de aquisição de aptidões para empreendedores.

Na Venezuela, duas organizações locais trabalharão com os recursos. Uma se encarregará de atuar junto às comunidades para desenvolver técnicas inovadoras de agricultura sustentável que melhorem a segurança alimentar, além de estimular as aptidões de liderança das mulheres e fortalecer a autossuficiência das comunidades.

A outra levará apoio às iniciativas dos empreendedores do setor de alimentos, implementando um programa para a aquisição de habilidades e empreendimento destinado às mulheres.

Share