Estados Unidos manterão seu apoio na luta contra gangues no Triângulo Norte

Estados Unidos manterão seu apoio na luta contra gangues no Triângulo Norte

Por Lorena Baires
julho 29, 2019

Os Estados Unidos reiteraram seu compromisso de continuar o fortalecimento dos esforços de El Salvador, Guatemala e Honduras no combate às organizações do crime organizado transnacional. O procurador-geral dos Estados Unidos William Barr deu a notícia durante a III Reunião de Procuradores-Gerais do Triângulo Norte e dos Estados Unidos, realizada no dia 16 de maio de 2019 em São Salvador, El Salvador.

Os procuradores dos quatro países implementarão nos próximos meses uma estratégia regional e expandirão o enfoque de trabalho para erradicar também o tráfico de pessoas, a corrupção e os crimes financeiros. Por se tratarem de ameaças comuns, também será necessário criar políticas e legislações para aumentar a efetividade e a capacidade das agências policiais, ministérios públicos e autoridades judiciais.

“Renovamos nosso compromisso de colaborar estreitamente para a luta contra a MS-13, a Mara 18 e outros grupos criminosos transnacionais que colocam em perigo os cidadãos de todos os nossos países”, disse à imprensa o procurador-geral Barr. “Juntos desferiremos duros golpes contra essas organizações criminosas.”

“Os quatro procuradores demonstraremos a nossa determinação em combater a criminalidade transnacional”, acrescentou o procurador-geral de Honduras Óscar Chinchilla. “Nós nos concentraremos em duas ferramentas fundamentais: primeiramente, o ataque às estruturas financeiras dos grupos criminosos transnacionais e, em seguida, como um ponto essencial para solucionar os problemas, o combate à corrupção.”

Como resultado do apoio dos EUA, as autoridades apresentaram acusações formais contra mais de 7.000 membros de gangues no Triângulo Norte. “Temos o compromisso de reforçar o trabalho que realizamos juntos”, declarou o procurador-geral de El Salvador, Raúl Melara. “Com a cooperação e a colaboração do governo dos Estados Unidos, esses esforços proporcionarão maiores e melhores resultados.”

Durante o encontro, os procuradores assinaram um acordo para ampliar a execução da Operação Escudo Regional, um esforço conjunto de intercâmbio de informações para o combate às gangues. As autoridades realizaram operações simultâneas em 2017 e 2018 e preparam outras operações para 2019. Uma das conquistas mais importantes do trabalho conjunto entre os EUA e El Salvador, por exemplo, foi a prisão do líder da MS-13 Armando Eliú Melgar, conhecido como Blu, membro da gangue que é responsável pelo comando de atividades criminosas na costa leste dos EUA.

“Mantemos o nosso compromisso com esses esforços, com os fundos que recebemos para o apoio a esses esforços policiais através da Operação Escudo [Regional]”, disse Barr.

Quarenta e sete por cento dos centro-americanos que fugiram de seus países em direção ao norte, com as caravanas que tiveram início em outubro de 2018, o fizeram devido à violência, às ameaças e à insegurança que esses grupos criminosos geram, segundo a pesquisa El Salvador: Pesquisa de caracterização de migrantes em trânsito e necessidades humanitárias, realizada pela Organização Internacional para as Migrações da ONU. “Creio que melhorar a segurança em nossos países é importante para reduzir a migração forçada”, acrescentou Barr.

Os Estados Unidos reiteraram que continuarão a financiar os esforços através dos assessores legais residentes, do Gabinete de Assistência e Capacitação para o Desenvolvimento de Procuradores no Exterior em cada país, com suas equipes de luta contra as gangues transnacionais do FBI – a Polícia Federal dos EUA –, de membros da Administração para o Controle de Drogas dos EUA e do trabalho do Departamento de Segurança Interna dos EUA, para deter o tráfico ilegal de pessoas.

Para continuar fechando o cerco a esses grupos criminosos, o intercâmbio de informações e as experiências de investigação são fundamentais. “A cooperação é mútua entre ambas as nações, porque El Salvador envia analistas e investigadores aos EUA para trabalharem em conjunto com as agências de manutenção da ordem pública e os processos de investigação de estruturas criminosas nesse país”, disse o comissário Howard Cotto, diretor da Polícia Nacional Civil.

“As áreas de maior interesse são o tráfico de pessoas, o narcotráfico e os assuntos referentes às gangues. O procurador-geral [William Barr] reconheceu os avanços feitos nessas questões em El Salvador. Nós, que estamos em contato permanente com as agências de manutenção da ordem pública nos Estados Unidos, sempre recebemos essa informação e hoje o procurador-geral confirma: não pretendemos cortar os fundos para a área de segurança”, finalizou o comissário Cotto.

Share