Marinha e Polícia Federal do Brasil interceptam embarcação carregada com cocaína

Marinha e Polícia Federal do Brasil interceptam embarcação carregada com cocaína

Por Andréa Barretto/Diálogo
abril 20, 2021

Um veleiro catamarã estava prestes a entrar em águas internacionais quando foi interceptado pela Marinha do Brasil (MB) e pela Polícia Federal, no dia 14 de fevereiro de 2021. A embarcação cruzava a costa nordeste brasileira, à noite, e transportava 2,2 toneladas de drogas, distribuídas em mais de 70 sacolas impermeáveis.

O flagrante ocorreu a 270 quilômetros de Recife, capital do estado de Pernambuco, e o veleiro tinha como destino a Europa. A abordagem foi feita pelo navio-patrulha Araguari, da MB, com o apoio de lanchas com militares e policiais, que escoltaram o barco até o porto de Recife.

A ação da Marinha e da Polícia contou com o apoio de inteligência e operacional de agências internacionais. (Foto: Polícia Federal do Brasil)

Os cinco homens que estavam a bordo, todos de nacionalidade brasileira, foram presos e autuados por tráfico internacional de drogas e associação para o narcotráfico.

Os cinco criminosos tiveram a prisão preventiva decretada no dia 17 de fevereiro. “Ressalte-se que se trata de apreensão de 2,2 toneladas de cocaína, carga milionária e que foge ao padrão de qualquer apreensão de rotina, revelando o poder financeiro envolvido e, sobretudo, a nocividade da conduta delituosa para a sociedade em razão da natureza do entorpecente”, destacou a juíza federal Carolina Malta no termo de audiência judiciaria.

A ação da Marinha e da Polícia Federal foi possível graças ao trabalho conjunto de intercâmbio de inteligência e coordenação operacional entre as autoridades brasileiras e da Administração para o Controle de Drogas dos EUA, do Centro de Análise e Operações Marítimas de Narcótico, sediado em Portugal, e da Agência Nacional do Crime, do Reino Unido.

“A ação reforça diretrizes dos órgãos responsáveis pelo combate a crimes transnacionais no país quanto à mútua cooperação e troca de informações com instituições internacionais, visando a identificação de grandes organizações criminosas que atuam no Brasil”, informou o Ministério da Defesa brasileiro, em nota à imprensa.

Share