Colômbia, Panamá e Estados Unidos unem-se na apreensão de cocaína e maconha

Por Dialogo
dezembro 17, 2014



A Marinha Nacional da Colômbia, o Serviço Nacional Aeronaval do Panamá (SENAN) e militares dos EUA uniram-se para apreender 295 kg de cocaína e 288 kg de maconha de um barco no Mar do Caribe em 7 de dezembro.

Eles também prenderam dois suspeitos, no entanto, autoridades militares não divulgaram imediatamente os nomes. Oficias das forças armadas suspeitam que as drogas eram destinadas à América Central.

As Forças Armadas dos três países cooperaram estreitamente para fazer as apreensões e prisões. A Marinha da Colômbia obteve informações de inteligência sobre o barco suspeito e alertou as Forças Armadas dos EUA, que encaminharam a informação ao SENAN.

Colômbia, Panamá e Estados Unidos assinaram acordos de cooperação internacional que lhes permitem trocar informações para realizar interdições de navios suspeitos.

Militares e Polícia Federal do México reforçam a segurança em Acapulco


Soldados do Exército mexicano e a Polícia Federal (PF) assumiram o comando da segurança pública na semana passada no balneário turístico de Acapulco, na costa do Oceano Pacífico, de acordo com o comissário de segurança nacional, Monte Alejandro Rubido.

Os soldados e agentes da PF vão dar segurança aos moradores em áreas que têm visto um aumento da violência como resultado de lutas entre os cartéis de drogas e gangues. Nesses locais, grupos de crime organizado estão lutando pelo controle de lucrativas rotas de contrabando de drogas.

A meta do governo federal é “criar condições permanentes de segurança" para que os moradores "tenham a certeza de que terão as garantias necessárias para desfrutar de seu tempo livre” durante a temporada de férias, de acordo com Rubido.

O governo do presidente Enrique Peña Nieto reforçou a segurança em 36 cidades na Tierra Quente (Terra Quente), região conhecida por atividades de tráfico de drogas que envolve partes dos estados de Guerrero, Michoacán, Morelos e México, afirmou Rubido, acrescentando que as forças estarão sob o comando do Ministério da Defesa.

“O objetivo é restaurar as condições de segurança e restabelecer o Estado de Direito e da paz em todas as cidades da região”, destacou Rubido.


A Marinha Nacional da Colômbia, o Serviço Nacional Aeronaval do Panamá (SENAN) e militares dos EUA uniram-se para apreender 295 kg de cocaína e 288 kg de maconha de um barco no Mar do Caribe em 7 de dezembro.

Eles também prenderam dois suspeitos, no entanto, autoridades militares não divulgaram imediatamente os nomes. Oficias das forças armadas suspeitam que as drogas eram destinadas à América Central.

As Forças Armadas dos três países cooperaram estreitamente para fazer as apreensões e prisões. A Marinha da Colômbia obteve informações de inteligência sobre o barco suspeito e alertou as Forças Armadas dos EUA, que encaminharam a informação ao SENAN.

Colômbia, Panamá e Estados Unidos assinaram acordos de cooperação internacional que lhes permitem trocar informações para realizar interdições de navios suspeitos.

Militares e Polícia Federal do México reforçam a segurança em Acapulco


Soldados do Exército mexicano e a Polícia Federal (PF) assumiram o comando da segurança pública na semana passada no balneário turístico de Acapulco, na costa do Oceano Pacífico, de acordo com o comissário de segurança nacional, Monte Alejandro Rubido.

Os soldados e agentes da PF vão dar segurança aos moradores em áreas que têm visto um aumento da violência como resultado de lutas entre os cartéis de drogas e gangues. Nesses locais, grupos de crime organizado estão lutando pelo controle de lucrativas rotas de contrabando de drogas.

A meta do governo federal é “criar condições permanentes de segurança" para que os moradores "tenham a certeza de que terão as garantias necessárias para desfrutar de seu tempo livre” durante a temporada de férias, de acordo com Rubido.

O governo do presidente Enrique Peña Nieto reforçou a segurança em 36 cidades na Tierra Quente (Terra Quente), região conhecida por atividades de tráfico de drogas que envolve partes dos estados de Guerrero, Michoacán, Morelos e México, afirmou Rubido, acrescentando que as forças estarão sob o comando do Ministério da Defesa.

“O objetivo é restaurar as condições de segurança e restabelecer o Estado de Direito e da paz em todas as cidades da região”, destacou Rubido.
Share