Colombia neutraliza indivíduo conhecido como Edwin

Colombia Neutralizes Alias Edwin

Por Yolima Dussán/Diálogo
julho 18, 2018

Em uma operação realizada pelo Comando Conjunto Nº 3, com a Sexta Divisão do Exército Nacional da Colômbia, o Grupo de Ação Unificada pela Liberdade Pessoal (GAULA, em espanhol) de Caquetá e o Gabinete do Procurador Geral da Nação, a Colômbia acertou um golpe nas dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), ao neutralizar 13 indivíduos, dos quais 11 foram mortos e dois capturados. Entre as baixas estava o indivíduo de codinome Edwin, um terrorista importante da Sétima Frente das FARC, um grupo armado organizado residual que pretende se radicar no estado de Caquetá.

“Conseguimos matar o elemento conhecido como Edwin, um indivíduo perigoso, dono de uma extensa ficha criminal, com uma grande capacidade de aparecer e desaparecer e que, através de extorsões, assustou a população durante muitos anos”, disse à Diálogo o General-de-Exército César Augusto Parra, comandante da Sexta Divisão do Exército. “Após o término da operação, corroboramos a informação obtida sobre o indivíduo de codinome Cadete, o maior líder do Grupo Armado Organizado Residual (GAOR), chefe de Edwin. Sua neutralização é uma questão de dias”.

A operação foi realizada no dia 28 de maio de 2018, na trilha Miramar de Montañita, estado de Caquetá, quando o trabalho de inteligência localizou a célula, depois de encontrar um vídeo publicado nas redes sociais, no qual o indivíduo de codinome Edwin, um dos líderes do grupo comandado pelo indivíduo conhecido como Cadete, ambos em desacordo com as FARC, ameaçava as autoridades de Caquetá, os funcionários das empresas da região e a população em geral.

No dia 6 de maio, o grupo ilegal publicou também um vídeo onde anunciava o início de um “plano pistola”, que consiste em matar pelas costas aqueles que não cedem diante das suas extorsões. A Força Aérea Colombiana (FAC), através do Comando Aéreo de Combate Nº 6, liderou uma operação contra o plano, encarregada da detecção do ponto onde se escondiam os delinquentes, do levantamento de imagens de inteligência para a infiltração e do acompanhamento das tropas em terra.

Cadete e Edwin, os objetivos

O esforço militar contra o GAOR das FARC aumentou em várias zonas do país. As autoridades tentam evitar que os dissidentes tomem o controle em comunidades conhecidas como antigos assentamentos guerrilheiros.

“A operação tem uma enorme importância para desmantelar essas células residuais”, assegurou à imprensa Luis Carlos Villegas, ministro da Defesa da Colômbia. “Ações como essa demonstram que as Forças Militares honram seu compromisso de proteger a população civil e comprovam suas capacidades renovadas para fazerem frente às dissidências das FARC.”

A operação lançada pelo Exército teria como objetivo a neutralização de Osnar Ordely Méndez Galviz, delinquente conhecido como Edwin ou Sabajón, que se tornou uma das maiores ameaças do município de Cartagena del Chairá, em Caquetá. O terrorista se tornou um flagelo para comerciantes, pecuaristas e funcionários públicos de Florencia, capital de Caquetá, e de outros povoados próximos. Foi ele quem ameaçou em público o prefeito de Florencia, o gerente da companhia de energia do estado e os trabalhadores da empresa.

Controle de cultivos ilícitos

O narcotráfico em toda sua cadeia é o combustível dos grupos residuais. O General-de-Exército Alberto José Mejía Ferrero, comandante das Forças Militares, explicou à imprensa a presença das células na região. “A estrutura das dissidências da Sétima Frente foi enviada pelo indivíduo de codinome Gentil Duarte, comandante da dissidência que opera no [estado de] Guaviare, em direção ao Putumayo, para controlar os cultivos ilícitos da região.”

“As estruturas dos GAORs na parte leste dos Andes estão divididas ao meio. A Primeira Frente vai de Guaviare em direção ao norte, até Arauca; na parte sul, a Sétima Frente vai até Putumayo para controlar os cultivos ilícitos”, afirmou o Gen Ex Mejía. “Golpear os grupos é uma [tarefa] importante que evita uma cadeia de incidentes ligados à reorganização de todos os grupos nessa parte do país, cujo objetivo é controlar os cultivos ilícitos”.

A operação

A operação militar teve um componente aéreo seguido de um combate em terra que durou mais de meia hora. A missão de reconhecimento da FAC foi efetuada com drones e aeronaves Schweizer que permitiram realizar o planejamento do exercício, bem como o reconhecimento armado, a escolta aérea, a iluminação da área de manobras com a aeronave AC-47, conhecida como avião Fantasma, e o transporte de pessoal com helicópteros Bell Huey II. Além dos 11 indivíduos neutralizados, a intervenção possibilitou a captura de duas pessoas, uma delas menor de 14 anos, que recebeu assistência imediata dos soldados enfermeiros.

“Levar um pouco de tranquilidade aos habitantes da região com a morte do indivíduo conhecido como Edwin, que havia praticado extorsão contra mais de 90 pessoas, foi muito importante. Vamos recuperar a região. As pessoas acreditam cada vez mais nas Forças Militares, no GAULA, em todo o componente militar. Elas têm a certeza de que trabalhamos para controlar os grupos e que vamos impedir o seu crescimento”, finalizou o Gen Ex Parra.
Share