Brasil e Paraguai fortalecem o combate ao narcotráfico em suas fronteiras compartilhadas

Brasil e Paraguai fortalecem o combate ao narcotráfico em suas fronteiras compartilhadas

Por Eduardo Szklarz/Diálogo
outubro 23, 2020

As forças de segurança do Brasil e do Paraguai desferiram sucessivos golpes contra o tráfico de drogas entre os dois países nas últimas semanas.

No dia 22 de setembro, a Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD) do Paraguai desmantelou um laboratório clandestino de cocaína na cidade de Villa Elisa.

Autoridades de segurança do Brasil e do Paraguai encerraram a 22ª etapa da Operação Aliança no dia 24 de agosto, destruindo 127 hectares de cultivos ilícitos de maconha na região de fronteira de Pedro Juan Caballero. (Foto: Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai)

“[Os militares] detiveram um brasileiro que seria o encarregado de aumentar o volume da droga com solventes, para depois empacotá-la com o uso de prensas e lâminas de metal”, disse a SENAD em um comunicado.

No dia 24 de agosto, agentes da SENAD confiscaram 2,5 toneladas de maconha que seria destinada ao Brasil. Os militares penetraram em uma região de bosques na localidade de Maracaná, no estado de Canindeyú, após uma investigação sobre a existência de fardos escondidos no manguezal.

“A comitiva antidrogas detectou 1.000 quilos de maconha prensada e 1.500 kg de maconha picada, escondidas debaixo de tendas no matagal da montanha”, informou a SENAD.

Nesse mesmo dia, a SENAD e a Polícia Federal (PF) do Brasil finalizaram em conjunto a Operação Nova Aliança XXII, que eliminou cultivos de maconha no Paraguai.

“Durante a operação, foram destruídos 127 hectares de cultivos ilícitos na região de Pedro Juan Caballero, na fronteira entre o Paraguai e o Brasil”, informou a PF.

Segundo a instituição policial, o total equivale a mais de 650 toneladas de maconha que seriam enviadas ao mercado brasileiro. Os agentes também incineraram 1.190 kg de sementes de cannabis e destruíram 70 acampamentos clandestinos que apoiavam a produção e a distribuição da droga.

A bordo de helicópteros da PF, as autoridades de ambos os países sobrevoaram a zona da fronteira e foram informadas sobre as tarefas operacionais implantadas.

“A SENAD e a PF realizaram cinco operações conjuntas de erradicação de maconha nos últimos dois anos, conseguindo eliminar 3.900 toneladas de cannabis”, explicou a SENAD.

O Brasil é o principal destino da maconha paraguaia (77 por cento), seguido da Argentina (20 por cento), de acordo com o Relatório Mundial sobre Drogas 2020 do Gabinete das Nações Unidas para Drogas e Crimes.

Share