Polícia chilena desarticula uma quadrilha que traficava drogas vindas do Peru

Polícia chilena desarticula uma quadrilha que traficava drogas vindas do Peru

Por Eduardo Szklarz/Diálogo
agosto 07, 2020

A Polícia de Investigações (PDI) do Chile desarticulou uma organização criminosa que traficava cocaína vinda de Tacna, no Peru, utilizando veículos modificados.

A quadrilha desmontava os veículos e extraía a droga em uma oficina mecânica da cidade chilena de Arica. Em seguida, o produto era camuflado em recipientes de uma empresa peruana de produtos saudáveis, que eram enviados em caminhões até Santiago. A cocaína era então distribuída na região metropolitana da capital chilena.

No dia 27 de junho, depois de nove meses de investigações, a Brigada Antinarcóticos e Contra o Crime Organizado da PDI realizou a operação Soldador do Deserto para desarticular o grupo criminoso.

Os agentes invadiram duas residências e a oficina mecânica de Arica. Apreenderam 45 quilos de cloridrato de cocaína, equivalentes a 90.760 doses. Os policiais detiveram dois cidadãos peruanos e um chileno, que ficarão em prisão preventiva enquanto durar a investigação.

Nos seis primeiros meses de 2020, a PDI confiscou 11,5 toneladas de drogas (entre cannabis sativa, cloridrato de cocaína e base de cocaína), um aumento de 19 por cento em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com dados oficiais divulgados pela página La Tercera.

Em abril, em plena crise de saúde devido à pandemia do coronavírus, houve um aumento de 81 por cento da droga apreendida em comparação ao mesmo mês de 2019. Em um carregamento considerado “histórico” pela PDI, os agentes confiscaram 2 toneladas de cocaína e 700 kg de cannabis de uma rede criminosa.

“Há vários meses essa organização vinha administrando a entrada de drogas por via marítima, ocultas e camufladas na carga de contêineres, e seu posterior envio, diluída em produtos alimentícios destinados à Grécia”, informou Leonardo Torres, chefe nacional Antinarcóticos e Contra o Crime Organizado, citado por La Tercera.

“As operações não foram afetadas porque as remessas de carga por via marítima são algumas das atividades comerciais que não foram interrompidas pelas medidas sanitárias associadas à pandemia”, disse Torres.

Share