• Home »
  • Uncategory »
  • Interview with CP’11 Mission Commander, Captain Brian C. Nickerson, U.S. Navy

Entrevista com o Comandante da Missão Promessa Continuada 2011, capitão Brian C. Nickerson, Marinha dos Estados Unidos

Interview with CP’11 Mission Commander, Captain Brian C. Nickerson, U.S. Navy

Por Dialogo
julho 11, 2011


O navio hospital USNS Comfort (T-AH 20) da Marinha dos EUA ancorou na Colômbia de 2 a 12 de julho, em apoio à missão de assistência cívica e humanitária Promessa Continuada 2011 (CP-11). Durante a visita, Diálogo teve a oportunidade de conversar com o Comandante da Missão, capitão Brian C. Nickerson, da Marinha dos EUA.



DIÁLOGO: Por que o Comfort foi enviado para a Colômbia?



CAP. NICKERSON: O USNS COMFORT (T-AH 20) chegou à Colômbia como parte da Missão Promessa Continuada 2011. A Promessa Continuada é um deslocamento anual de Assistência Cívica e Humanitária para o Caribe e Américas Central e Sul. O COMFORT visitará nove portos em toda a região, trabalhando lado a lado com representantes das nações anfitriãs, nações parceiras e diversas agências governamentais e não governamentais, para treinamento em operações civis e militares, enquanto conduz intercâmbio de assuntos especializados, atividades médicas, odontológicas, veterinárias e de engenharia com os cidadãos e profissionais das nações parceiras. Missões como essa também ajudam a aumentar a cooperação, a colaboração e a interoperacionalidade. O principal motivo pelo qual o COMFORT foi enviado para a Colômbia foi porque o Governo colombiano solicitou nossa visita. Nós nos consideramos convidados do povo colombiano e ficamos honrados por sermos capazes de visitar a Colômbia.



DIÁLOGO: Quem determina essas missões, e como?



CAP. NICKERSON: As visitas dos navios da Promessa Continuada são coordenadas desde os estágios iniciais da fase de planejamento com autoridades dos governos das nações anfitriãs dos países da região, que determinam os locais da missão através da assistência militar e grupos de aconselhamento das embaixadas norte-americanas locais. Nesse caso, o Governo da Colômbia solicitou nossa visita. Diversos fatores são levados em consideração, mas todas as solicitações são cuidadosamente estudadas ao se planejar o deslocamento do navio. Caso o navio não possa apoiar um dos locais estipulados durante o deslocamento da Promessa Continuada, outras opções são discutidas com o país solicitante.



DIÁLOGO: O Comfort é subordinado a algum Comando especificamente?



CAP. NICKERSON: O USNS COMFORT (T-AH 20) é um dos dois navios hospitais operados pelo Comando Militar Sealift da Marinha dos EUA. A sede do Comando Militar Sealift é em Washington D.C. Para o deslocamento da Promessa Continuada 2011, o USNS COMFORT (T-AH 20) foi designado para o Comandante, QUARTA Frota dos Estados Unidos, Comando Sul das Forças Navais dos Estados Unidos Comando/Comandante, que é o componente naval do Comando Sul dos Estados Unidos.



DIÁLOGO: Qual é a importância para os EUA do fato de se disponibilizar o Comfort para missões nas nações parceiras?



CAP. NICKERSON: A Promessa Continuada 2011 é o sexto deslocamento da missão Promessa Continuada para o Caribe e Américas Central e Sul, desde seu início em 2007. Esse deslocamento anual é apenas uma das diversas maneiras pelas quais os Estados Unidos demonstram seu compromisso com a região.



DIÁLOGO: Existe alguma troca de informações, tecnologias e técnicas entre os membros da tripulação e os países visitados?



CAP. NICKERSON: Em cada país nós realizamos uma série de intercâmbios sobre assuntos específicos (SMEE). Os tópicos são escolhidos pela nação anfitriã e abrangem uma diversidade de áreas incluindo as áreas médica, odontológica, correção biomédica, veterinária, nutrição, construção, saneamento, filtragem de água, busca e resgate, segurança e proteção da força. Esta lista não inclui tudo, mas já dá uma ideia dos tipos de áreas normalmente solicitadas. Os SMEEs têm como objetivo incentivar a troca mútua de informações e propiciar oportunidades de aprendizado e intercâmbio das melhores práticas entre os países.



Nós também realizamos intercâmbio em disciplinas específicas, quando médicos, dentistas, veterinários passam o dia juntos a bordo do COMFORT ou em uma unidade ou instituição educacional da nação parceira. Quando o tempo permite, fazemos ambos.



DIÁLOGO: Existem cidadãos latino-americanos na tripulação?



CAP. NICKERSON: Diversos membros de nossa tripulação têm origem e antecedentes culturais no Caribe e nas Américas Central e Sul.



Temos também representantes das Nações Parceiras embarcados no COMFORT que fazem parte da equipe da missão Promessa Continuada e que são do Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Nicarágua, Paraguai e Peru.



Além desses, temos Nações Parceiras do Canadá e até da Holanda.



DIÁLOGO: Qual é a importância de a tripulação do navio entender o idioma e a cultura da região?



CAP. NICKERSON: Consideramos esse aspecto particular da missão muito importante. Embora uma parte de nossa tripulação fale espanhol, dedicamos grande parte de nosso tempo em viagem às aulas de espanhol e de educação cultural, desde a partida de Norfolk, Virgínia, em abril. Acreditamos que um dos princípios fundamentais da assistência seja saber falar as frases mais comuns de apresentação no idioma da nação anfitriã. Aprendemos também que, ainda que grande parte dos países das Américas Central e Sul falem a mesma língua, o que os diferencia é a cultura de cada um. Achamos que compreender esta cultura é um pré-requisito para a criação de relacionamentos e para o fornecimento dos cuidados adequados. Nós também convidamos as autoridades de nossas nações parceiras dos países que visitamos para compartilharem seu país conosco sob seu ponto de vista, para que possamos conhecer e compreender os cidadãos locais antes de nossa chegada.



DIÁLOGO: A missão do navio foi muito clara durante os dias que se seguiram ao terremoto que devastou o Haiti, ou seja, o Comfort foi usado para uma missão estritamente humanitária. Em que outras circunstâncias o navio é usado?



CAP. NICKERSON: A missão primordial do COMFORT é, antes de mais nada, dar assistência às vítimas de guerra nas missões do Departamento de Defesa dos Estados Unidos em todo o mundo.



A missão secundária do COMFORT é a assistência humanitária, como é o caso da Promessa Continuada, e a resposta ao alívio de desastres, como a Operação RESPOSTA UNIFICADA, no Haiti. O COMFORT também já foi deslocado em tempos de crises nos EUA, como o furacão Katrina e o ataque terrorista ao World Trade Center, em 11 de setembro de 2001.



Com a experiência que tivemos durante o terremoto no Haiti, aprendemos que a resposta a um desastre natural em outro país é fortalecida com as parcerias formadas durante uma missão de Assistência Humanitária.



DIÁLOGO: Existe alguma coisa que o senhor queira compartilhar com os militares dos países da região?



CAP. NICKERSON: Embora a Promessa Continuada seja uma missão primordialmente de assistência humanitária, ainda buscamos e aguardamos a oportunidade de trocar informações, cooperar, colaborar e construir relacionamentos com os exércitos de cada um dos países. Tivemos o grande privilégio de trabalhar com os exércitos/polícias da Jamaica, Peru, Colômbia, Equador e Nicarágua. A importância desses relacionamentos e dessa interoperacionalidade não pode ser considerada um exagero. O que construímos e praticamos nos tempos de calma será testado nos tempos de crises regionais. Um grande exemplo disto é o treinamento de busca e resgate realizado pelo COMFORT com a Polícia Nacional da Colômbia (PCN) em um dia, e que foi posto em prática no dia seguinte sob a forma de evacuação médica de quatro cidadãos colombianos feridos.










Ótimas fotos!
Share