Condições providenciadas para que as FARC libertem os reféns

Por Dialogo
março 12, 2012


O governo colombiano garantiu, em 8 de março, após uma reunião com representantes do Brasil e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), que já foram providenciadas as condições de segurança para que a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) liberte os dez militares que havia prometido libertar em fevereiro.

“Por parte dos governos da Colômbia e do Brasil e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, já foram aceitas todas as condições para que os sequestrados sejam libertados”, disse aos jornalistas o vice-ministro da Defesa Jorge Bedoya, depois da reunião.

Bedoya destacou que o governo colombiano está disposto a garantir as condições para a libertação dos militares.

“Nós já definimos o protocolo e estamos à espera da libertação dos sequestrados”, reiterou.

O encontro, realizado na sede do CICV na capital colombiana, contou com a presença do embaixador do Brasil na Colômbia, Antonino Mena, porque seu país facilitará os meios logísticos para que os reféns, alguns deles há mais de 12 anos em poder das FARC, regressem a seus lares.

Bedoya agradeceu também, em nome do governo colombiano, a colaboração e o compromisso do Brasil para facilitar o processo de libertação, tal como já fizera anteriormente.

O governo brasileiro colaborará com essas operações com dois helicópteros e um avião, como informou recentemente à AFP um porta-voz do Ministério da Defesa do Brasil.

No dia 26 de fevereiro passado, a direção da guerrilha marxista FARC confirmou que libertará os últimos dez policiais e militares que diz manter em cativeiro, ao mesmo tempo em que renuncia ao sequestro de civis como meio de obtenção de fundos.

Segundo a ex-senadora Piedad Córdoba, que intermediou libertações anteriores, a soltura dos reféns poderá ocorrer no final de março, dependendo das condições de segurança e de que esteja pronta a logística necessária.



Share