• Home »
  • Uncategory »
  • Colombian Military Commander Dismisses Rebel Alliance Against Accord With United States

Al-Qaeda e rede colombiana de tráfico de drogas são acusadas pelos Estados Unidos

Por Dialogo
dezembro 21, 2009

Três supostos membros da Al-Qaeda chegaram a Nova York na sexta-feira para responder sobre acusações de formação de uma rede de tráfico para o grupo guerrilheiro esquerdista colombiano das FARC, disseram oficiais. “As acusações de hoje refletem a necessidade premente de uma aliança entre a Al-Qaeda e narcotraficantes internacionais”, disse em um comunicado o advogado dos Estados Unidos Preet Bharara. “Quando os terroristas se encaminham para as drogas, entretanto, nos dão mais oportunidades para incapacitá-los e cortar os fundos para futuros atos de terror”. Os homens são acusados de contatar informantes em Gana, os quais se faziam passar por membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), maior e mais duradouro grupo guerrilheiro da América Latina. Os homens disseram que a Al-Qaeda poderia dar proteção ao transporte de centenas de quilos de cocaína do oeste para o norte africano, e atualmente para a Espanha. Eles também são acusados do possível sequestro de estrangeiros “para levantar fundos para a causa”, disse o Departamento de Justiça em boletim de imprensa. “Estes narcoterroristas não respeitam fronteiras e não se importam de prejudicar quem quer que seja com suas conspirações para o tráfico de drogas”, disse Michele Leonhart, administradora da Agência de Repressão às Drogas. “Trabalhando com nossos parceiros de repressão a narcóticos em Gana e no mundo todo, a DEA tem conseguido progressos sem precedentes para desbaratar redes ilícitas de drogas no oeste da África e no mundo todo, levando os criminosos que as operam para a cadeia, que é o lugar ao qual eles pertencem”. Ourmar Issa, Harouna Toure e Idriss Abelrahman foram condenados por conspiração de narcoterrorismo, o que leva de uma sentença mínima obrigatória de 20 anos até a pena máxima de prisão perpétua, e também por conspiração para fornecer suporte material a uma organização terrorista estrangeira, o que acarreta pena máxima de 15 anos de reclusão.
Share