Colômbia recebe Navio-Escola Esmeralda do Chile

Colombia Welcomes Chilean Training Ship Esmeralda

Por Marian Romero/Diálogo
outubro 12, 2017

O Navio-Escola Esmeralda da Marinha do Chile permaneceu, de 25 a 28 de agosto, em Cartagena, Colômbia, para cumprir seu cruzeiro de instrução nº 62. Ali os militares chilenos tiveram um período de formação como oficiais de marinha, que incluiu aulas práticas de navegação à vela, marinharia, navegação astronômica, liderança, ética, moral, engenharia e controle de avarias, entre outras. “Desde o início do século passado, quando uma missão chilena participou da criação de uma escola naval colombiana, temos estado conectados”, afirmou o Contra-Almirante da Marinha da Colômbia Gabriel Pérez Garcés, comandante da Força Naval do Caribe da Colômbia. “Hoje, contamos com a visita de professores de intercâmbio e também enviamos professores ao Chile.” O N.E. Esmeralda é comandado pelo Capitão-de-Mar-e-Guerra da Marinha do Chile Patricio Espinoza Sapunar. Conta com uma tripulação de 291 efetivos, 74 dos quais guardas-marinhas – primeiro grau de um oficial no Chile –, 35 elementos com patente de marinheiro e 12 oficiais convidados de marinhas parceiras do mundo. “A visita do N.E. Esmeralda constitui uma combinação entre atividades diplomáticas, profissionais, culturais e esportivas”, disse o CMG Espinoza. “Trata-se de uma experiência muito enriquecedora porque eles têm a oportunidade de interagir com diferentes culturas e trocar opiniões com oficiais ou cadetes que se encontram em condições semelhantes às deles.” O navio-escola foi recebido por sua anfitriã colombiana, a Escola Naval de Cadetes Almirante Padilla. A formação no porto dos guardas-marinhas esteve a cargo de oficiais da Marinha da Colômbia. “Além da calorosa recepção por parte das autoridades civis e militares colombianas, houve um encontro desportivo para integrar os cadetes de ambas as escolas navais”, disse o CMG Espinoza. “As excelentes relações entre Chile e Colômbia têm permitido um apoio e intercâmbio permanente de tecnologia e pessoal entre as duas marinhas.” Experiência completa de aprendizagem O N.E. Esmeralda é um dos maiores veleiros do mundo. Tem 113 metros de comprimento e 13 metros de largura. Essa embarcação, tipo bergantim-escuna, representa certos desafios e benefícios que são aprendidos durante o cruzeiro de instrução, que nesta ocasião tem uma duração de cinco meses. “O trabalho em equipe, a convivência e o aumento da tolerância para com o companheiro são elementos cruciais em uma embarcação desse tipo, porque a tripulação deve permanecer em espaços reduzidos por tempos prolongados”, disse o CMG Espinoza. “Aprender a orientar o pessoal de maneira adequada é um dos principais desafios que os cadetes têm durante essa experiência, que só se obtém tendo a experiência a bordo.” O objetivo da instrução mediante um cruzeiro é oferecer a oportunidade aos guardas-marinhas de conhecer culturas e experiências distintas, como as características da sociedade, arquitetura e história de cada país que visitam. O N.E. Esmeralda proporciona e administra excursões culturais e atividades sociais que complementam a experiência. “O treinamento em um veleiro, diferente da experiência em navios de guerra, permite estar em contato com os elementos, condições naturais que normalmente não são percebidas em um navio de guerra”, disse o C Alte Pérez. “No navio de guerra, há um treinamento mais técnico e doutrinário, enquanto o veleiro permite uma experiência mais próxima do ambiente marítimo, muito importante para todo oficial de marinha.” “Na Colômbia, nos beneficiamos muito da formação com o Chile. Devido à sua condição geográfica, com uma enorme costa sobre o Pacífico, eles desenvolveram, há muito tempo, uma quantidade de recursos marítimos que, hoje, estão associados ao desenvolvimento de sua economia e seu progresso”, acrescentou o C Alte Pérez. “O Chile possui uma marinha robusta que tem muito a oferecer.” O percurso do navio A escolha da rota que o N.E. Esmeralda realiza todo ano obedece ao planejamento com mais de um ano de antecedência a cargo da Marinha do Chile, em coordenação com o Ministério de Relações Exteriores. Durante esse período, são analisadas as prioridades do cruzeiro e os compromissos com as marinhas dos países a serem visitados, bem como os interesses da Marinha. As rotas percorridas pelo navio-escola variam. Pode ir para a Europa, Ásia-Pacífico, América etc.; a escolha depende dos interesses do governo do Chile e de sua marinha, ou da realização de um evento importante que implique a participação desse navio. Neste ano, sua viagem começou em 7 de maio. Zarpou de Valparaíso, Chile, e depois de visitar nove portos em cinco países do hemisfério ocidental, regressou a seu porto de origem no dia 1º de outubro. “Na visita a cada porto, algo diferente é aprendido”, finalizou o CMG Espinoza. Cartagena, com seu patrimônio histórico e a presença maciça naval e marítima, faz com que seja um dos portos mais visitados pelo N.E. Esmeralda, registrando um total de 16 vezes desde 1956.”
Share