Colômbia estende a mão a Honduras após a passagem do Eta

Colômbia estende a mão a Honduras após a passagem do Eta

Por Julieta Pelcastre/Diálogo
novembro 20, 2020

Atendendo ao chamado do Estado hondurenho como membro do Sistema de Cooperação entre as Forças Aéreas Americanas, o governo da Colômbia enviou uma aeronave C-130 Hércules da Força Aérea Colombiana (FAC) com ajuda humanitária a Honduras, para socorrer os afetados após a passagem do furacão Eta, que atingiu essa nação no dia 4 de novembro de 2020.

Com 11,5 toneladas em equipamentos e um grupo da Defesa Civil Colombiana, a aeronave pousou no dia 12 de novembro na Base Aérea Armando Escalón Espinal, da Força Aérea de Honduras, em San Pedro Sula, disse a Secretaria de Defesa Nacional hondurenha (SEDENA). A delegação colombiana, formada por 38 profissionais, entre médicos, enfermeiros e equipes de resgate, foi recebida pela presidente nomeada de Honduras María Antonia Rivera.

A Força Aérea Colombiana evacua 38 pessoas das zonas de alto risco e transporta 5 toneladas de alimentos em sua primeira missão com o helicóptero UH-60 Black Hawk, no dia 14 de novembro de 2020, após a passagem do furacão Eta por Honduras. (Foto: Força Aérea Colombiana)

Entre os equipamentos há um hospital de campanha para atender 250 pacientes de baixa complexidade, uma cabina para pacientes com suspeita de COVID-19, um posto de comando unificado e serviço autônomo de água, energia elétrica e comunicações, informou a SEDENA.

O segundo voo, realizado no dia 13 de novembro, levou três botes de resgate e um veículo para todos os tipos de terreno, informou à imprensa o Ministério da Defesa da Colômbia.

A Colômbia também mobilizou um helicóptero UH-60 Black Hawk da FAC, com resgatistas e equipamentos para evacuar pessoas nas zonas de selva, em terreno firme e em águas abertas, bem como assistir com aparelhos de visão noturna para cobrir essa operação durante as 24 horas do dia, explicou a FAC no dia 11 de novembro.

Em sua primeira missão de resgate em território hondurenho, a tripulação do Black Hawk transportou 5 toneladas de alimentos e evacuou 38 pessoas das zonas de alto risco, informou a FAC no dia 14 de novembro.

Segundo a ONU, o Eta foi um dos furacões mais desafiadores desde o furacão Mitch, em 1998. O Eta deixou em Honduras pelo menos 58 mortos e mais de 2 milhões de pessoas afetadas pelas inundações ou deslizamentos, publicou o jornal espanhol La Vanguardia, no dia 12 de novembro. Mais de 88.000 pessoas foram evacuadas e outras 50.000 foram resgatadas em diversas operações lideradas por equipes de contingência de Honduras, El Salvador e Guatemala, com apoio do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), em coordenação com as Forças Armadas de Honduras.

Nas últimas décadas, Honduras tem sido golpeada por furacões como o Gamma (2005), Beta (2005), Michelle (2001), Katrina (1999) e Mitch (1998), segundo o site da Organização Pan-Americana de Saúde; o aumento de assentamentos humanos em zonas de alto risco, o uso inadequado e a deterioração do solo e as condições de pobreza da população hondurenha são fatores determinantes da incidência de desastres devido a inundações, acrescentou.

Share