Visita chilena ao Fort Hood define sistema para compartilhamento de informações

Chilean visit to Fort Hood sets framework for intelligence sharing

Por Dialogo
dezembro 25, 2014





O Exército Sul dos Estados Unidos organizou uma visita da delegação do serviço de inteligência do Exército chileno ao Fort Hood, Texas, durante um intercâmbio de desenvolvimento profissional sobre operações de informação de combate em âmbito tático e operacional.

O objetivo da visita foi fortalecer as aptidões operacionais e de doutrina, aumentar a interoperabilidade entre os Estados Unidos e o Chile, promover o compartilhamento de informações e aumentar a capacidade do Exército chileno de combater ameaças internacionais.

“Esses tipos de iniciativas são muito vantajosas para nós, pois possibilitam melhorar nosso relacionamento com membros das Forças Armadas dos EUA ao mesmo tempo que melhoramos nossas aptidões”, afirmou o Capitão do Exército chileno Cristian Lara, instrutor da Escola de Inteligência Militar em Santiago, Chile.

A visita de duas semanas ajudou, sobretudo, os chilenos a se familiarizarem com as técnicas, táticas e procedimentos do Exército norte-americano para apoio da equipe de combate de brigada de nível tático da divisão de inteligência militar.

“Queríamos entender melhor a doutrina de inteligência dos EUA e aprender com as experiências dos conflitos recentes”, afirmou Lara. “Também queríamos aprender como aplicar essas lições aprendidas à nossa doutrina de inteligência intrínseca.”

O evento foi uma das diversas ações determinadas durante as conversas entre os Exércitos dos EUA e do Chile em 2013. “Temos uma grande história com o Chile e intercâmbios como este garantem a boa continuidade desse relacionamento”, declarou o Major Miguel Bolivar, do Comando de Prontidão de Inteligência Militar do Exército dos EUA.

Durante a visita ao Fort Hood, membros da 2ª Equipe de Combate de Brigada Blindada da 1ª Divisão de Infantaria realizaram apresentações e demonstrações para a delegação chilena sobre diversas técnicas de coleta de informações, além de demonstrações de plataformas de coleta de informações, como os veículos aéreos não tripulados (VANTs) RQ-11 Raven, RQ-7 Shadow e MQ-1 Grey Eagle.

As apresentações sobre os VANTs deram destaque aos recursos e limitações das diferentes plataformas, principalmente quanto à interação humana necessária para garantir o sucesso de cada missão com estes aparatos.

Segundo os participantes, o lema do Exército Sul, “força por meio da parceria”, foi demonstrado durante o intercâmbio.

“Foi uma experiência muito proveitosa”, afirmou Lara. “Como professor da Escola de Inteligência, consegui aplicar as lições aprendidas a diversos processos para complementar nossa estrutura de inteligência em atividades de rotina.”




O Exército Sul dos Estados Unidos organizou uma visita da delegação do serviço de inteligência do Exército chileno ao Fort Hood, Texas, durante um intercâmbio de desenvolvimento profissional sobre operações de informação de combate em âmbito tático e operacional.

O objetivo da visita foi fortalecer as aptidões operacionais e de doutrina, aumentar a interoperabilidade entre os Estados Unidos e o Chile, promover o compartilhamento de informações e aumentar a capacidade do Exército chileno de combater ameaças internacionais.

“Esses tipos de iniciativas são muito vantajosas para nós, pois possibilitam melhorar nosso relacionamento com membros das Forças Armadas dos EUA ao mesmo tempo que melhoramos nossas aptidões”, afirmou o Capitão do Exército chileno Cristian Lara, instrutor da Escola de Inteligência Militar em Santiago, Chile.

A visita de duas semanas ajudou, sobretudo, os chilenos a se familiarizarem com as técnicas, táticas e procedimentos do Exército norte-americano para apoio da equipe de combate de brigada de nível tático da divisão de inteligência militar.

“Queríamos entender melhor a doutrina de inteligência dos EUA e aprender com as experiências dos conflitos recentes”, afirmou Lara. “Também queríamos aprender como aplicar essas lições aprendidas à nossa doutrina de inteligência intrínseca.”

O evento foi uma das diversas ações determinadas durante as conversas entre os Exércitos dos EUA e do Chile em 2013. “Temos uma grande história com o Chile e intercâmbios como este garantem a boa continuidade desse relacionamento”, declarou o Major Miguel Bolivar, do Comando de Prontidão de Inteligência Militar do Exército dos EUA.

Durante a visita ao Fort Hood, membros da 2ª Equipe de Combate de Brigada Blindada da 1ª Divisão de Infantaria realizaram apresentações e demonstrações para a delegação chilena sobre diversas técnicas de coleta de informações, além de demonstrações de plataformas de coleta de informações, como os veículos aéreos não tripulados (VANTs) RQ-11 Raven, RQ-7 Shadow e MQ-1 Grey Eagle.

As apresentações sobre os VANTs deram destaque aos recursos e limitações das diferentes plataformas, principalmente quanto à interação humana necessária para garantir o sucesso de cada missão com estes aparatos.

Segundo os participantes, o lema do Exército Sul, “força por meio da parceria”, foi demonstrado durante o intercâmbio.

“Foi uma experiência muito proveitosa”, afirmou Lara. “Como professor da Escola de Inteligência, consegui aplicar as lições aprendidas a diversos processos para complementar nossa estrutura de inteligência em atividades de rotina.”
Share