Histórias de dificuldades da Venezuela

Histórias de dificuldades da Venezuela

Por Julieta Pelcastre / Diálogo
junho 28, 2019

Carlos Aquino, operário da construção civil na Venezuela, foi forçado a suportar o pior pesadelo de qualquer pai, quando seu filho de 17 meses morreu de fome.

“Essas cenas de miséria são agora a norma na Venezuela de Nicolás Maduro, onde milhões de crianças sofrem de desnutrição e fome em decorrência de um experimento socialista que causou o colapso da economia”, disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante um discurso proferido no Conselho de Segurança das Nações Unidas em 26 de janeiro de 2019.

Pompeo exortou os países a apoiarem o presidente interino Juan Guaidó e os esforços do povo venezuelano para restaurar a democracia.

A Assembleia Nacional da Venezuela declarou Guaidó presidente interino em janeiro, de acordo com a Constituição do país.

Aqueles que tentaram defender os venezuelanos comuns sofreram nas mãos de Maduro e seus comparsas. Em 2018, Fernando Albán, membro da Câmara Municipal de Caracas, foi às Nações Unidas para falar sobre os fracassos do regime de Maduro, disse Pompeo. Quando Albán retornou à Venezuela, a polícia secreta de Maduro o prendeu no aeroporto e ele morreu sob sua custódia três dias depois.
“As prisões de Maduro estão repletas de presos políticos que estão injustamente atrás das grades, enquanto os cemitérios detêm dissidentes e manifestantes que foram mortos por esse regime”, declarou o secretário.

Um futuro de prosperidade, esperança e segurança para os venezuelanos “não desapareceu magicamente por conta própria”, acrescentou Pompeo. “As políticas fracassadas, a opressão e a corrupção do regime de Maduro roubaram esse futuro.”

Pompeo disse que muitas outras nações reconheceram o governo legítimo do presidente interino Guaidó, mas observou que algumas delas, incluindo China, Irã, Rússia e Síria, não o fizeram. “Não é uma surpresa que aqueles que governam sem democracia em seus próprios países estão tentando amparar Maduro enquanto ele está em grandes apuros”, disse.

O secretário destacou que Maduro havia convidado forças de segurança e inteligência cubanas para a Venezuela. “Cuba piorou diretamente a situação e os Estados Unidos e nossos parceiros são os verdadeiros amigos do povo venezuelano”, afirmou.

“Agora é hora de apoiar o povo venezuelano, reconhecer o novo governo democrático liderado pelo presidente interino Guaidó e acabar com esse pesadelo. Não há desculpas”, disse Pompeo.

Em uma mensagem de vídeo de 25 de janeiro, o secretário disse: “Quero que vocês, ‘los venezolanos’, saibam que o povo americano está apoiando vocês.”

Share