Exército da Colômbia obtém melhores resultados na luta contra o narcotráfico

Exército da Colômbia obtém melhores resultados na luta contra o narcotráfico

Por Myriam Ortega/Diálogo
julho 28, 2020

A Força Pública da Colômbia continua a mostrar resultados significativos na luta contra o narcotráfico, afetando as finanças das quadrilhas criminosas. Dentre as diversas conquistas das forças de ordem destacam-se as operações contra integrantes de grupos armados organizados (GAO) e suas instalações.

Por exemplo, no dia 19 de junho, perto da fronteira com a Venezuela, nos municípios de Tibú e Convención, estado de Norte de Santander, tropas do 1º Comando Operacional Energético do Exército encontraram três refinarias ilegais de processamento de petróleo bruto roubado. As estruturas supostamente pertencem às frentes Juan Fernando Porras Martínez e Camilo Torres Restrepo, do Exército de Libertação Nacional (ELN), informou o Exército em um comunicado.

No dia 18 de junho de 2020, tropas da 2ª Força de Deslocamento Rápido do Exército, destacadas na Força-Tarefa Conjunta Hércules, encontraram 150 quilos de pasta base de cocaína em uma ambulância em uma rua do município de Barbacoas, no estado de Nariño. (Foto: Exército Nacional da Colômbia)

“No interior dessas estruturas encontramos 20.000 galões [75.708 litros] de petróleo bruto furtado, 400.000 galões [1,5 milhão de litros] de gasolina tipo pategrilo [combustível de baixa qualidade], dois destiladores, quatro piscinas, duas motobombas e 200 metros de tubo galvanizado”, informou à Diálogo o Coronel do Exército Nacional da Colômbia Wilfredo Gómez Sepúlveda, comandante do 1º Comando Operacional Energético.

“Com esse resultado operacional, o 1º Comando Operacional Energético atingiu o sistema financeiro do ELN em cerca de US$ 75.260, produto da comercialização ilegal do combustível que é utilizado na cadeia do narcotráfico.”

No decorrer deste ano [2020], as unidades do 1º Comando Operacional Energético já desmantelaram 22 dessas refinarias ilegais, acrescentou o Cel Sepúlveda.

Em meados de junho, o Exército também desmantelou 16 laboratórios de narcóticos em duas operações efetuadas no estado de Chocó, no Pacífico colombiano, segundo um comunicado à imprensa.

Na primeira operação, tropas da Sétima Divisão do Exército encontraram 15 laboratórios no setor de San José del Palmar e confiscaram 216 litros de pasta base de coca, 9.709 litros de insumos líquidos, 930 quilos de insumos sólidos e 155 kg de folha de coca macerada, entre outros elementos. Os laboratórios supostamente pertenciam à Frente de Guerra Ocidental Omar Gómez Silgado, do ELN, disse o Exército.

Simultaneamente, em uma área rural do município de Carmen del Darién, o Exército localizou um laboratório de processamento de cocaína com 2.593 litros de insumos líquidos e 130 kg de insumos sólidos. A instalação pertenceria à subestrutura Pablo José Montalvo Cuitiva, do Clã do Golfo.

No decorrer de 2020, a Sétima Divisão do Exército, com jurisdição em Antióquia, Chocó e Córdoba, relata a destruição de 169 laboratórios de pasta base de coca e 60 semeadores. Além disso, confiscaram 24.883 kg de folhas de coca e erradicaram 1.914 hectares de cultivos, entre outros resultados.

Por sua vez, a Terceira Divisão do Exército confiscou 445 kg de cloridrato de cocaína no município de Yotoco, estado de Valle del Cauca, no dia 18 de junho. O carregamento foi encontrado em um veículo suspeito durante uma inspeção em um posto de vistoria. A droga, destinada à América Central, foi avaliada em cerca de US$ 10 milhões, informou o Exército.

No mesmo dia, em uma rua do município de Barbacoas, estado de Nariño, tropas da 2ª Força de Deslocamento Rápido do Exército, destacadas na Força-Tarefa Conjunta Hércules, detiveram duas pessoas – supostos integrantes do GAO residual Los Contadores – que transportavam 150 kg de pasta base de cocaína em uma ambulância.

Redução dos cultivos

Outra conquista importante das forças de ordem colombianas foi relatada no dia 17 de junho pelo Gabinete das Nações Unidas para Drogas e Crimes, através do seu Relatório de Monitoramento de Territórios Afetados pelos Cultivos Ilícitos, que informa uma redução de 9 por cento da área plantada com coca na Colômbia em 2019. Os cultivos de coca passaram de 169.000 hectares em 2018 para 154.000 em 2019, segundo o relatório.

De acordo com dados proporcionados à Diálogo no dia 23 de junho pelo Ministério de Defesa da Colômbia, os confiscos de coca no país aumentaram de 2019 a 2020. Entre 1º de janeiro e 31 de maio de 2020, as apreensões de cocaína aumentaram 14 por cento em relação ao mesmo período em 2019, passando de 167,6 a 190,4 toneladas. Os confiscos de pasta base de coca aumentaram de 28,2 a 29,9 toneladas, enquanto os de folha de coca passaram de 216,8 a 281,8 toneladas, segundo o Ministério.

Share