Bolívia: agentes antidrogas destroem mais de 8 toneladas de maconha

Bolívia: agentes antidrogas destroem mais de 8 toneladas de maconha

Por Eduardo Szklarz/Diálogo
fevereiro 05, 2021

Select Language

A Força Especial de Luta Contra o Narcotráfico (FELCN) da Bolívia eliminou mais de 8 toneladas de maconha e quase 344 quilos de cocaína em diversas operações, entre novembro e dezembro de 2020.

No dia 3 de dezembro, os agentes incineraram 343,8 kg de cocaína no estado de La Paz, incluindo 276,9 kg de cocaína base e 66,9 kg de cloridrato de cocaína, além de 3.670 pastilhas de psicotrópicos.

“O destino final [das drogas] é nossa juventude e nossa infância que, de alguma forma, [poderão] consumir essas substâncias controladas”, afirmou o Tenente-Coronel do Exército da Bolívia David Gómez Córdoba, chefe do Departamento da FELCN em La Paz, em uma entrevista ao canal Bolívia TV.

Duas pessoas foram detidas após a incursão da FELCN no estado de Chuquisaca. (Foto: Força Especial de Luta Contra o Narcotráfico da Bolívia)

“No entanto, as grandes quantidades de drogas geralmente seguem para o exterior, para países como Argentina, Peru e Brasil”, acrescentou o Ten Cel Córdoba.

A incineração foi feita na presença de representantes do Gabinete das Nações Unidas para Drogas e Crimes e do Ministério Público da Bolívia.

A cocaína e as pastilhas foram apreendidas em seis operações, nas quais também detiveram seis pessoas e afetaram economicamente os criminosos em mais de US$ 1 milhão (preço na Bolívia), segundo a FELCN.

No dia 16 de novembro, no âmbito do Plano de Operações Tormenta Verde, patrulhas da FELCN fizeram incursões nas imediações da comunidade de Monteagudo, estado de Chuquisaca. Ali os agentes destruíram uma plantação de cannabis, além de bolsas de nylon com maconha em estado seco.

“A operação conseguiu destruir 8 toneladas e 640 kg de maconha em estado natural e 10 kg e 464 gramas de maconha colhida em estado seco [mais de 8.650 kg de maconha em total]”, informou a FELCN. Duas pessoas foram detidas.

A força explicou que as mais de 8 toneladas de maconha eram de uma variedade potente conhecida como creepy, que é mais cara. De acordo com o site da organização InsightCrime, a maconha creepy contém níveis mais altos da substância psicoativa THC do que as demais variedades.

“Enquanto as concentrações de THC da maconha normal giram em torno de um dígito, a maconha creepy contém de 15 a 25 por cento da citada substância”, informou a InsightCrime.

Share