• Home »
  • Destaque »
  • JIATF Sul, uma coalizão internacional entre agências com uma missão tática

JIATF Sul, uma coalizão internacional entre agências com uma missão tática

JIATF Sul, uma coalizão internacional entre agências com uma missão tática

Por Claudia Sánchez-Bustamante/Diálogo
abril 05, 2017

Localizada na Estação Aeronaval de Key West, na Flórida, a Força-Tarefa Conjunta Interagências Sul (JIATF Sul), é uma das três forças-tarefa do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM, por sua sigla em inglês) em apoio à segurança nacional e da nação parceira. A agência coordena com os parceiros internacionais e de outras agências para expor redes transnacionais do crime organizado e dar apoio à interceptação e apreensão pelos Estados Unidos e agências de aplicação da lei da nação parceira. O Contra-Almirante Christopher J. Tomney da Guarda Costeira dos EUA, diretor da JIATF Sul, conversou com a Diálogo sobre as prioridades e o foco da força-tarefa e a importância do trabalho conjunto para dissuadir as organizações criminosas transnacionais e transregionais.

Diálogo: Qual é o foco principal da JIATF Sul em relação à nossa área de atuação (AOR, por sua sigla em inglês)?

Contra-Almirante Christopher J. Tomney da Guarda Costeira dos EUA, diretor da Força-Tarefa Conjunta Interagências Sul: O foco principal da JIATF Sul é a detecção e monitoramento do tráfico ilícito nos espaços aéreo e marítimo de toda a nossa Área de Operação Conjunta (JOA, por sua sigla em inglês) de 109 milhões de quilômetros quadrados. Na verdade, ela engloba a área de atuação do SOUTHCOM e também inclui partes das áreas de operação do Comando Norte dos EUA e do Comando do Pacífico dos EUA.

Diálogo: Qual é o foco dos seus esforços militares como comandante da JIATFSul?

C Alte Tomney: Como diretor da JIATF Sul, minha energia está voltada para dar suporte aos esforços dos nossos parceiros internacionais e entre agências para interceptar e apreender traficantes ilícitos, para jogar mais luz sobre as redes maiores às quais eles pertencem. Como comandante componente do Comando Sul dos EUA, eu trabalho para promulgar a orientação e intenção do Almirante-de-Esquadra Tidd [comandante do SOUTHCOM], principalmente em relação a enfrentar as redes de ameaça transregionais e transnacionais (T3N, por sua sigla em inglês).

Diálogo: O que o senhor espera conseguir com cada país da AOR do SOUTHCOM com o qual trabalhar, seja por meio de exercícios, encontros com os principais líderes ou qualquer outra atividade?

C Alte Tomney: A JIATF Sul busca continuamente desenvolver relacionamentos mais próximos com todas as nossas nações parceiras, inclusive aquelas situadas dentro da área de atuação do SOUTHCOM, para facilitar duas metas básicas: 100 por cento de conscientização do domínio e um grau sem precedentes de coordenação de informações. Por meio de frequentes atividades com as nações parceiras, buscamos aumentar nossa conscientização sobre o tráfico ilícito e redes associadas através da JOA, bem como impulsionar o compartilhamento de informações a um tal nível de transparência que nossos parceiros, em conjunto com outros esforços do SOUTHCOM e do Departamento de Estado, possam executar de forma independente a missão de detecção e monitoramento.

Diálogo: Qual é a sua maior preocupação em termos de segurança regional na América Central, América do Sul e no Caribe?

C Alte Tomney: A maior preocupação da JIATF Sul é a corrupção e desestabilização de governos legítimos pelas T3N que estão interconectadas por toda a América Central, América do Sul e o Caribe. As redes não movimentam apenas drogas. Elas movimentam todo tipo de mercadorias ilegais, inclusive armas, dinheiro e pessoas. A maior preocupação da JIATF Sul é: se as nações e agências governamentais permitirem a existência de fendas e lacunas, essas redes ilícitas poderiam ser usadas também para movimentar terroristas – quer consciente ou inconscientemente. A luta contra essas redes criminosas exige uma frente unida.

Diálogo: Como o senhor alavanca os esforços dos países na AOR do SOUTHCOM para parar as T3N?

C Alte Tomney: A JIATF Sul trabalha para combater as atividades das T3N onde elas são mais vulneráveis: no espaço aéreo e nas águas internacionais. Detectamos e monitoramos traficantes ilícitos que saem da zona de origem da América do Sul, à medida que se movimentam pelas zonas de trânsito no leste do Pacífico e na área do Caribe, em direção às zonas de chegada nos países da América Central e do norte do Caribe. Ao dar apoio à interdição de cada operação de tráfico, a JIATF Sul contribui para as investigações de longo prazo realizadas por nossos parceiros interagências destinadas a desmantelar as T3N.

Diálogo: Como a sua perspectiva da área de atuação mudou desde que o senhor assumiu a direção da JIATF Sul em abril de 2015?

C Alte Tomney: Uma das principais mudanças foi como a JIATF Sul, juntamente com o SOUTHCOM, alterou seu ponto de vista e mensagem sobre a missão. Não somos apenas uma força-tarefa focada em retirar cocaína da água, um barco de cada vez. Somos uma coalizão internacional e entre agências implementada por meio de uma missão tática, trabalhando para facilitar o desmantelamento final de grandes empresas criminosas voltadas para solapar a estabilidade e segurança no hemisfério ocidental.

Diálogo: Como o relacionamento que vocês ajudam a construir beneficia a colaboração entre a Guarda Costeira dos EUA (USCG, por sua sigla em inglês) e as das nossas nações parceiras regionais?

C Alte Tomney: As operações da JIATF Sul fornecem o palco para uma interação de alto nível entre a Guarda Costeira dos EUA e os parceiros regionais. Toda a abordagem pela USCG de uma embarcação envolvida em tráfico ilícito em nossa JOA é outra oportunidade para colaboração direta da USCG, seja diretamente com as forças marítimas de uma nação parceira ou com o país de origem da embarcação abordada. Em 2016, houve mais de 700 oportunidades de trabalho conjunto para desenvolver e testar procedimentos e, mais importante, para criar confiança.

Diálogo: Que tipo de resultados o senhor espera que surjam em 2017 e que resultados o senhor viu até agora nesse período trabalhando com esta área de atuação?

C Alte Tomney: A JIATF Sul testemunhou um aumento de 100 por cento na conscientização do tráfico ilícito em 2016. Esperamos que a nossa conscientização continue a aumentar, bem como a nossa capacidade de afetar as T3N por meio de abordagens inovadoras para combater as ameaças financeiras e do ciberespaço. Vimos também que a Guarda Costeira apoia o esforço ao fornecer recursos muito além das contribuições necessárias. Além disso, vimos um aumento importante nas capacitações e capacidades de nossas nações parceiras em responder – as nações parceiras contribuíram em mais de 40 por cento dos êxitos táticos contra os traficantes ilícitos em 2016. Esperamos que esse número aumente à medida que o SOUTHCOM e o Departamento de Estado dos EUA continuem a aumentar as capacitações de nossas nações parceiras e nós continuemos a engajá-las com oportunidades a serem executadas.

Diálogo: Como a sua experiência anterior o preparou para essa função? E que lições aprendidas o senhor trouxe consigo para essa função, principalmente servindo como diretor para a Força-Tarefa Conjunta Interagências do Oeste?

C Alte Tomney: Como oficial da Guarda Costeira dos Estados Unidos, aprendi durante minha carreira que, para ser bem-sucedido, a pessoa precisa colaborar e agir em rede para cumprir suas missões. Vindo de um serviço de múltiplas missões, a Guarda Costeira dos Estados Unidos frequentemente depende da cooperação, colaboração e integração com outras agências e governos. A exposição internacional de trabalhar com tantas nações da região Ásia-Pacífico como diretor da Força-Tarefa Conjunta Interagências Oeste ressaltou a necessidade de que o sucesso contra organizações criminosas internacionais exige uma coalização internacional dos interessados. Minhas experiências adicionais como oficial de inteligência e um defensor executivo do compartilhamento de informações em nível de agência ajudaram enormemente a expandir a conscientização geral do domínio da JIATF Sul e, ao mesmo tempo, reduzir as barreiras ao compartilhamento de informações, levando a parcerias internacionais mais diversificadas e mais fortes.

Diálogo: Quais são as suas prioridades e as da JIATF Sul para 2017?

C Alte Tomney: As prioridades da JIATF Sul para 2017 estão delineadas no nosso Plano Estratégico:
1.     Detecção e Monitoramento – A JIATF Sul continuará a desempenhar seu conjunto fundamental de missões, alavancando a inteligência reunida para impulsionar nosso Centro de Operações Conjuntas 24 horas por dia, os 7 dias da semana.
2.     Coordenação de Informações – A JIATF Sul continuará a elevar o nível, tanto nos protocolos de compartilhamento de inteligência quanto na coordenação operacional entre parceiros múltiplos e às vezes díspares.
3.     Inovação – A JIATF Sul continuará a alavancar nossos relacionamentos no setor industrial, acadêmico e na comunidade mais ampla de pesquisa e desenvolvimento, para encontrar maneiras de se contrapor aos esforços criativos e bem financiados de nossos adversários para passarem despercebidos pela nossa JOA.
4.     Ciberespaço – A JIATF Sul continuará a inovar ao encontrar formas de dar suporte à sua missão de dissuadir e monitorar no mundo cibernético.
5.     Colaboração Externa – A JIATF Sul continuará a aumentar sua rede internacional e interagências voltada a desestruturar e expor as T3N que operam no Hemisfério Ocidental.

Diálogo: Há alguma coisa que o senhor gostaria de acrescentar para os nossos leitores regionais?

C Alte Tomney: Gostaria de concluir com estes pensamentos. Primeiramente, todos os líderes deveriam ser defensores da mudança dentro de suas organizações. À medida que o mundo em que vivemos evolui, as nossas organizações também deveriam evoluir. Nunca se conformem com o status quo e objetivem metas elevadas. Neste ambiente complexo e de múltiplas ameaças, os líderes devem movimentar as informações instantaneamente. Os líderes devem constantemente se perguntar: “Quem mais precisa saber?” A luta contra as redes de ameaças transregionais e transnacionais é uma luta global. Os líderes regionais devem trabalhar juntos e continuamente batalhar para derrubar barreiras às comunicações se quisermos ter sucesso nessa batalha.

Share