Estados Unidos querem estreitar a cooperação militar com Argentina

Foi o que o secretário de Defesa dos EUA James N. Mattis anunciou em sua primeira visita oficial ao país sul-americano antes da cúpula do G20.
Eduardo Szklarz/Diálogo | 20 agosto 2018

Relações Internacionais

O secretário de Defesa dos EUA James N. Mattis (esq.) com o ministro da Defesa da Argentina Oscar Aguad, durante a entrevista coletiva do dia 15 de agosto, em Buenos Aires. (Foto: Eitan Abramovich, AFP)

Um país “parceiro e amigo”. Com essas palavras, o secretário de Defesa dos Estados Unidos James N. Mattis descreveu a Argentina durante sua primeira visita oficial à América do Sul. Acompanhado do ministro da Defesa argentino Oscar Aguad, Mattis deu uma entrevista coletiva no dia 15 de agosto de 2018, no Ministério da Defesa, em Buenos Aires.

“Queremos uma estreita colaboração militar com a Argentina”, disse Mattis aos jornalistas. “As relações militares confiáveis e transparentes entre as democracias do hemisfério são um fator positivo para a estabilidade e a segurança de nossos povos”. Mattis é o primeiro secretário de Defesa dos EUA que vem a Buenos Aires desde a visita de Donald Rumsfeld, em 2005. Ele chegou à cidade depois de visitar Brasília e Rio de Janeiro, Brasil, como parte de uma turnê regional que também incluirá o Chile e a Colômbia.

O chefe do Pentágono declarou que os EUA admiram a “crescente liderança global argentina, que repercutirá por ocasião da cúpula do G20”. O evento, que será realizado em 30 de novembro e 1º de dezembro de 2018, em Buenos Aires, reunirá os chefes de Estado das principais economias mundiais. “Como disse o vice-presidente Pence em visita no ano passado, a liderança global da Argentina é benéfica para o nosso hemisfério”, lembrou Mattis.

Por sua vez, o ministro Aguad disse que a visita de Mattis permitirá que os dois países conversem sobre temas de interesse comum e fortaleçam sua relação estratégica. “A aproximação de nossos povos se refletiu na grande colaboração dos EUA após a tragédia do ARA San Juan”, disse o ministro sobre o submarino da Marinha Argentina que desapareceu no Atlântico Sul, no dia 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo. “Foi o país que mais colaborou com recursos para as buscas. Queremos agradecer novamente por tamanho gesto, que jamais será esquecido.”

Armas de destruição em massa

Mattis informou que os EUA e a Argentina estão trabalhando em conjunto em um amplo raio de ações, que incluem a assistência humanitária, a ajuda frente a desastres naturais e a não proliferação de armas de destruição em massa. Ele também destacou a importância do Programa de Parceria Estatal, implementado em 2016 entre o Ministério da Defesa da Argentina e a Guarda Nacional do Exército da Geórgia.

O secretário de Defesa dos EUA James Mattis visitou a Argentina para reforçar a cooperação dos EUA com seu parceiro sul-americano. (Foto: Eitan Abramovich, AFP)

Aguad disse que a Argentina e os EUA têm pela frente um vasto campo para cultivar uma cooperação maior. “Porque ainda que a Argentina tenha se afastado durante vários anos de seus leais parceiros e amigos, já voltamos ao caminho do qual não deveríamos ternos afastado”, afirmou. “Já obtivemos muitas conquistas na relação bilateral, mas podemos fazer muito mais. Como disse nosso presidente [Mauricio] Macri em sua visita à Casa Branca, apostamos em uma relação inteligente, de benefício mútuo. Temos muito a construir. Trabalharemos no dia de hoje pelo presente e pelo futuro de nossas relações.”

A agenda oficial das autoridades não foi divulgada. Segundo a imprensa local, no entanto, Mattis e Aguad tinham conversas previstas sobre temas como segurança cibernética, compra de material bélico e cooperação em missões de paz. Outro assunto importante seria a estruturação das Forças Armadas Argentinas, anunciada em julho pelo presidente Macri. O novo papel dos militares inclui, por exemplo, o apoio logístico às forças de segurança na luta contra o narcotráfico.

“Eu vim a Buenos Aires para ouvir, para aprender. E espero encontrar novas maneiras de fortalecer nossa cooperação mutualmente benéfica em matéria de defesa. Juntos podemos forjar um futuro melhor para as próximas gerações de argentinos e americanos”, declarou Mattis à imprensa.

Valores compartilhados

De acordo com Mattis, a reunião com Aguad dá continuidade a uma relação bilateral iniciada há mais de 200 anos. Ele lembrou o apoio da Argentina aos EUA durante a Crise dos Mísseis em Cuba, em 1962, com o envio de aviões. Afirmou também que os EUA “não se esquecem” que a Argentina enviou navios de guerra ao Iraque, durante a Guerra do Golfo.

“Hoje os EUA e a Argentina estão unidos por laços históricos e pelos valores compartilhados de liberdade, democracia e império da lei, que garantem a liberdade pessoal de nossos cidadãos”, disse o secretário. Mattis, almirante-de-esquadra reformado do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, encerrou a conferência agradecendo a amável recepção dos argentinos. “Desde que cheguei a Buenos Aires, ontem à noite, venho disfrutando da hospitalidade e da cordialidade que nosso vice-presidente já recebeu na cidade, a hospitalidade que o poeta argentino Jorge Luís Borges considera ‘tão eterna quanto a água e o ar.’”

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 7
Carregando conversa