Oficiais do Exército dos EUA concluem curso na Colômbia

Oficiais americanos se graduaram no Curso Certificado Internacional de Ação Integral e Desenvolvimento para apoiar o Exército Nacional da Colômbia.
Myriam Ortega/Diálogo | 2 janeiro 2019

Capacitação e Desenvolvimento

Uma delegação de 25 oficiais do Exército dos EUA participou do Curso Certificado Internacional de Ação Integral e Desenvolvimento, em Bogotá, Colômbia. (Foto: Escola de Missões Internacionais e Ação Integral)

No início de novembro, uma delegação de 25 oficiais do Exército dos EUA viajou à Colômbia para participar do Curso Certificado Internacional de Ação Integral e Desenvolvimento. O curso foi realizado entre 8 e 20 de novembro na Escola de Missões Internacionais e Ação Integral (ESMAI), localizada em Bogotá.

O curso busca difundir a doutrina de Ação Integral e Desenvolvimento, cuja estratégia se baseia no conceito de sincronização, coordenação e integração entre as instituições do governo, os órgãos privados e a sociedade civil, visando a estabilidade do país. Para os oficiais americanos, o objetivo foi obter uma base de conhecimento dos sistemas de Ação Integral, como preparação para um destacamento iminente na Colômbia.

“É como se fosse um preâmbulo, uma introdução ao que significa a Ação Integral, para que eles conheçam esse subsistema e a situação atual que o país está vivendo”, disse à Diálogo o Capitão do Exército Nacional da Colômbia Rubén Eloy Ramírez Sánchez, instrutor de Ação Integral e Desenvolvimento da ESMAI. “[É] para que eles possam fazer seu planejamento e apoiar as nossas operações no futuro.”

Missão de seis meses

A delegação que participou do curso faz parte da Companhia E do Batalhão de Assuntos Civis No 98 do Comando de Operações Especiais do Exército dos EUA, localizado em Fort Bragg, Carolina do Norte. Os oficiais destacados na Colômbia cumprirão uma missão de seis meses em apoio à Ação Integral e Desenvolvimento em diversas regiões do país.

“Na minha opinião, a melhor parte do curso foram as relações estabelecidas”, disse à Diálogo o Major do Exército dos EUA David Carattini, comandante do Batalhão de Assuntos Civis No 98. “Quando o nosso grupo for destacado em dezembro [de 2018], praticamente já conhecerá os líderes nas diferentes áreas onde vamos trabalhar.”

Instrução crucial

O curso abordou temas gerais sobre a Colômbia, como a cultura, as diversas regiões, a população, os agentes geradores de instabilidade, bem como a estrutura do Estado e das Forças Armadas. Além disso, se concentrou na Doutrina Damasco, que combina os princípios fundamentais das Forças Militares e guia suas ações em apoio aos objetivos nacionais. Ministrado em espanhol, o curso também permitiu aos participantes melhorar seu nível do idioma antes do destacamento.

O Capitão do Exército dos EUA Matthew Vishnevsky (à dir.) e o Major do Exército dos EUA David Carattini (à esq.) serão destacados por seis meses na Colômbia, depois da graduação no Curso Certificado Internacional de Ação Integral e Desenvolvimento. (Foto: Myriam Ortega, Diálogo)

“Estou melhorando o meu espanhol e também aprendendo alguma coisa sobre a cultura”, disse à Diálogo o Capitão do Exército dos EUA Matthew Vishnevsky, oficial de Assuntos Civis que participou do curso. “Será importante conhecer o idioma para nos comunicarmos não apenas com a população, mas também com o Exército da Colômbia.”

Outros aspectos importantes do curso foram o Acordo de Paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, o pós-conflito e suas repercussões no país. Além disso, os oficiais americanos conheceram a oferta institucional – o conjunto de planos, programas e projetos postos à disposição da população vítima da violência – e o programa Fé na Colômbia – que busca melhorar as condições de vida das populações mais vulneráveis –, entre outros programas fundamentais.

“Estamos recebendo instruções cruciais para entender como a Ação Integral afeta, ajuda e melhora todas as áreas da Colômbia através das suas operações”, explicou o Maj Carattini. “Esta informação nos ajuda a estabelecer estratégias que nos servirão para complementar os esforços realizados pela Ação Integral e Desenvolvimento em toda a Colômbia.”

Colaboração duradoura

Esse foi o segundo curso ministrado de forma internacional. O primeiro, realizado em setembro de 2018, formou 26 oficiais das Forças Armadas de Honduras. Embora a delegação americana seja a primeira desse país a participar do curso, o trabalho combinado entre os EUA e a Colômbia, bem como o intercâmbio de conhecimentos e experiências, tem sido duradouro.

“O destacamento das unidades de Assuntos Civis do Exército dos EUA não é uma novidade”, disse o Cap Ramírez. “Eles têm estado na Colômbia por cerca de 10 anos. A escola [ESMAI], como a alma mater da Ação Integral, sentiu a necessidade de concentrar toda essa companhia antes do seu destacamento, para poder mostrar nossa doutrina e para atualizá-los quanto ao ambiente operacional que temos.”

Ao regressarem da missão, os oficiais americanos se tornarão agentes multiplicadores, transmitindo aos seus colegas o que aprenderam e as experiências vividas. Para a Colômbia, o curso e a missão fortalecem a projeção de um exército moderno, com altas capacidades de interoperabilidade.

“A Colômbia não é um país no qual ficamos estagnados”, concluiu o Cap Ramírez. “Temos uma visão para 2030, como um exército de heróis de múltiplas missões, capaz de interoperar e desenvolver operações combinadas com outros exércitos em qualquer parte do mundo.”

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 6
Carregando conversa