Destaque: Uma conversa com nossos líderes

Paraguai e os Estados Unidos ratificam cooperação militar

Há 15 anos o Paraguai mantém uma cooperação com os EUA através da Guarda Nacional de Massachusetts (MANG).
Marta Escurra/Diálogo | 19 julho 2016

Diógenes Martínez, ministro da Defesa do Paraguai, afirma que fortalecer a cooperação entre o Paraguai e os Estados Unidos é fundamental para a qualidade das forças militares deste país. (Foto: Marta Escurra/Diálogo).

O General de Divisão da Força Aérea dos EUA General Gary W. Keefe, comandante da Guarda Nacional de Massachusetts, visitou o Ministro da Defesa do Paraguai, Diógenes Martinez, em 9 de junho último, em seu escritório em Assunção, Paraguai. Keefe reiterou a vontade de continuar cooperando com esse país sul-americano.

A colaboração teve início em 2001, como parte do Convênio de Colaboração entre Estados (SPP, por sua sigla em inglês), e isso permitiu capacitar cerca de 2000 militares paraguaios.

Os pilares fundamentais dessas capacitações e intercâmbios foram a ajuda em infraestrutura, treinamento para emergências, direitos humanos e o diálogo entre ambas as partes em questões de defesa.

Com o tempo se manteve um diálogo sobre preocupações globais como segurança frente a ameaças de terrorismo, delinquência transnacional organizada, assistência humanitária e a resposta a desastres. No caso específico da Guarda Nacional de Massachusetts, esta realiza no Paraguai de 8 a 12 intercâmbios anuais, com uma duração média de 5 a 7 dias, com a participação de até cinco membros capacitadores.

Para falar destes temas, Diálogo se reuniu com o ministro Martínez, que explicou a abrangência dessa cooperação e destacou a importância de se ter esse tipo de alianças com forças norte-americanas.

Diálogo: Quais são os antecedentes da cooperação entre Massachusetts e Paraguai desde 2001 em relação ao State Partnership Program-SPP?

Ministro da Defesa do Paraguai, Diógenes Martínez: O programa de companheiros Estatais de Massachusetts foi oferecido ao Comandante das Forças Militares pelo então embaixador dos Estados Unidos da América na República do Paraguai, David N. Greenlee, em 30 de maio de 2001, que foi aceito pelo Comandante General-de-Exército Expedito Garrigoza Vera, em 22 de junho do mesmo ano.

Diálogo: O que significa para o Paraguai essa aliança em termos de qualidade de trabalho nas forças armadas?

Ministro Martínez: Capacitação profissional de vários membros das Forças Armadas, aprendizado de novas técnicas, trabalho em equipe, relações com militares de outro país, conhecer suas capacidades em termos de recursos humanos e materiais. Um ponto alto do programa é que vejo um espírito de apoio e benefícios compartilhados. Não é simplesmente uma "ajuda".

Diálogo: Que avaliação de resultados poderia ser feita ao longo desses anos?

Ministro Martínez: Permite-nos facilitar e complementar o treinamento de 200 militares aproximadamente, como observadores militares e contingente (homens e mulheres), em missões de manutenção da paz sob a égide das Nações Unidas. Esses efetivos castrenses atualmente se encontram lotados em diferentes países da África, além do Haiti, Chipre e dentro em breve na República da Colômbia. Além disso, contribuem localmente na realização de inúmeras ajudas humanitárias a pessoas de poucos recursos em várias regiões de nosso país.

Diálogo: O que especificamente esse programa desenvolve nos efeitos militares paraguaios e com que divisão trabalhará?

Ministro Martínez: Na defesa de nossa população frente a desastres naturais, calamidades e uma ameaça não militar, no que se costuma chamar de Defesa Civil, e essa é a responsabilidade da Defesa Nacional; dela advêm as operações de manutenção de paz, ajuda humanitária, intercâmbio de efetivos militares, direitos humanos, etc. Trabalham diretamente com o Centro de Treinamento Conjunto de Operações de Paz (CECOPAZ) e indiretamente com o Comando das Forças Militares e das Forças Singulares.

Diálogo: Isso atingirá quantas pessoas?

Ministro Martínez: No mínimo 300 militares por ano.

Diálogo: Quais são os trabalhos mais recentes no âmbito dessa cooperação?

Ministro Martínez: Nos 15 anos de cooperação foram recebidos inúmeros trabalhos, principalmente na estrutura física da CECOPAZ, equipamento do Laboratório de Inglês do Exército e equipamento da Companhia de Engenharia Multitarefa para sua implementação no Haiti, entre outras.

Diálogo: Quais são os planos para o futuro quanto à renovação do convênio, o que será feito especificamente e com quem?

Ministro Martínez: Continuar capacitando no futuro o pessoal militar nas diferentes áreas oferecidas pelo Estado de Massachusetts, amigo do Paraguai. Aproveitar a boa predisposição que se nos oferece no prosseguimento da profissionalização dos componentes (homens e mulheres) das Forças Armadas.

Diálogo: Qual é a sua opinião sobre o fato de receber colaboração da Guarda Nacional de Massachusetts?

Ministro Martínez: Na minha concepção, é muito satisfatória, pois nesse caso ocorre uma reciprocidade, tanto em esforços como em benefícios, que vem sendo deste então muito proveitosa. Eles também treinam seu pessoal em um cenário diferente. Somente mantendo um comprometimento é que podemos trabalhar juntos, e construindo alianças podemos proteger nossos interesses, defender nosso território, nossa sociedade, em melhores condições e aproveitar as oportunidades.

Diálogo: Quais são as áreas de maior preocupação da contrapartida nessa cooperação?

Ministro Martínez: Área social, operações de paz, relações civis e militares, assistência humanitária, assuntos civis, esforços de ajuda contra desastres, direitos humanos e outros.

Diálogo: Que propostas específicas a República do Paraguai tem em relação a esse programa?

Ministro Martínez: Continuar e também fortalecer esse relacionamento. Repito, é um complemento importante da Defesa Nacional, e o melhor é que, além dos serviços sociais, há também em paralelo um treinamento real de nossos meios militares.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 252
Carregando conversa