Cerca de 1.100 guerrilheiros do ELN estão na Venezuela, de acordo com as Forças Militares da Colômbia

AFP | 17 maio 2019

Ameaças Transnacionais

O General de Brigada Luis Navarro Jiménez, comandante das Forças Armadas da Colômbia, disse que cerca de 1.100 membros do ELN estão refugiados na Venezuela. (Foto: Rhona Wise, AFP)

Cerca de 1.100 membros do Exército de Libertação Nacional (ELN), 45 por cento dos combatentes do grupo guerrilheiro guevarista, estão refugiados na Venezuela, disse o comandante das Forças Armadas da Colômbia, no dia 8 de maio do 2019.

“Estamos falando de 45 por cento dos membros do ELN, cerca de 1.100 homens”, disse à imprensa o General de Exército Luis Fernando Navarro, na cidade de Cartagena.

O ELN, considerado o último grupo guerrilheiro da Colômbia após o desarmamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), em 2017, tem aproximadamente 2.300 combatentes e uma extensa rede de apoio, disse à AFP uma fonte das Forças Armadas.

O Gen Ex Navarro disse que entre os rebeldes que estão refugiados na nação petrolífera, com a qual a Colômbia compartilha uma fronteira porosa de 2.200 quilômetros, há membros do Comando Central, entidade governamental do ELN e seu estado-maior.

O oficial disse que o comandante da guerrilha, Gustavo Anibal Giraldo, conhecido como Pablito, “permanece” no estado venezuelano de Apure.

Pablito, por quem o governo da Colômbia oferece uma recompensa de US$ 1,3 milhão, é o guerrilheiro linha-dura mais importante, com o maior poder de fogo do grupo guevarista, segundo especialistas.

“Sempre afirmamos que suas estruturas e seus líderes ainda estão lá”, disse o Gen Ex Navarro.

Desde o governo do ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010) a Colômbia vem afirmando que a Venezuela dá asilo ao ELN e a membros desarmados das FARC, acusações negadas por Caracas.

Os países do Grupo de Lima – do qual a Colômbia é membro – repudiaram na sexta-feira, através de um comunicado, “a proteção”, por parte do regime de Nicolás Maduro, “aos grupos terroristas que atuam no território colombiano”.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 998
Carregando conversa