Contingente de El Salvador VIII fortalece a reconstrução do Haiti

Os militares da MINUSTAH entregam diariamente mantimentos, roupas e cobertores a vítimas de desastres, compartilhando conhecimentos básicos sobre medicina preventiva.
Lorena Baires/Diálogo | 16 fevereiro 2017

Relações Internacionais

Quarenta e quatro elementos da Força Armada de El Salvador formam o 8.º contingente de apoio nas tarefas de paz e fortalecimento internacional na MINUSTAH. (Foto: Gloria Cañas).

Embora as estradas ainda apresentem dificuldades, os haitianos continuam reconstruindo seu país. Eles também procuram curar todas as feridas que os fenômenos naturais deixaram.

Mas seus passos ainda são acompanhados pela Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH), focada em desenvolver tarefas de recuperação, reconstrução e manutenção da paz. Entre seus integrantes, está o Contingente de El Salvador (SALCON, por sua sigla em inglês), que dedica seus esforços a executar projetos de ajuda humanitária e educação para a saúde.

Países amigos

O SALCON está integrado à Companhia de Infantaria Mecanizada do Batalhão N.º 25 das Forças Armadas do Chile, com quem também realiza patrulhamento de curto e longo alcance, escoltas de comboios com ajuda humanitária e atividades cívicas.

Desde a base instalada no Cabo Haitiano, o Major de Infantaria Efraín Recinos, comandante do contingente SALCON VIII na MINUSTAH, organiza diariamente os membros do seu contingente para apoiar as tarefas de distribuição de alimentos e roupas do Cabo Haitiano até Gonaïves, uma cidade que recebeu o impacto de três furacões nas últimas duas décadas.

“No país ainda há comunidades de danificados que precisam de roupas, mantimentos e cobertores; nossas tropas organizam diariamente a distribuição dessa ajuda. Isto se fortalece com jornadas educacionais sobre saúde geral para evitar a propagação de doenças”, explicou à Diálogo o Maj Recinos.

À tarde, os militares salvadorenhos entram nas comunidades da ilha para enfrentar a realidade do Haiti. No meio da escassez, eles preenchem essas necessidades junto aos cidadãos e ajudam a resolver problemas básicos de insalubridade.

“A missão me permitiu fomentar o hábito de praticar medidas preventivas junto à população para diminuir o risco de doenças”, disse à Diálogo a doutora Jessica Esmeralda Ramírez, integrante da equipe de médicos do contingente SALCON VIII na MINUSTAH. “A medicina comunitária, em contato com a população civil, me enche de satisfação, porque sei que estamos ajudando-os a ter uma vida melhor.”

Ajudando a ajudar

O Major de Infantaria Efraín Recinos Días lidera a missão de ajuda SALCON VIII ao Haiti. (Foto: Gloria Cañas).

O trabalho que esses militares desenvolvem “é uma expressão da firme vontade nacional de continuar apoiando e colaborando com todas as iniciativas internacionais que procuram melhorar as condições de estabilidade dos estados, bem como a qualidade de vida de seus cidadãos”, expressou o General David Munguía Payés, ministro da Defesa de El Salvador, no momento da partida para o Haiti do SALCON VIII, da base militar da II Brigada Aérea.

Mesmo que toda a ajuda humanitária que as vítimas de desastres recebem com a educação sobre saúde preventiva resolva uma parte de seus problemas, a assistência psicológica complementa o apoio oferecido pela missão.

A doutora Karol Denisse Martínez é psicóloga e faz parte da equipe de médicos do contingente SALCON VIII. Em suas jornadas, ela enfrenta com empatia as sequelas dos desastres, como a insegurança diante da falta de moradia digna e o temor ao desamparo.

“Todos os dias compartilhamos conhecimentos de psicologia comunitária em ações simples com os cidadãos, como ouvir o relato de suas experiências. Com calor humano, estabelecemos relações de apoio com quem precisa de ajuda. É uma tarefa muito gratificante porque os ajudamos a enfrentarem emocionalmente sua situação”, disse a Dra. Martínez.

Alívio sem fronteiras

Desde fevereiro de 2013 até hoje, os militares do SALCON já realizaram 550 atividades de segurança, patrulhamento e assistência para manter um ambiente estável e seguro.

As Forças Armadas de El Salvador têm cerca de 200 militares distribuídos na Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL), na MINUSTAH e na Missão Multidimensional Integrada à Estabilização das Nações Unidas no Mali (MINUSMA).

Na UNIFIL, os contingentes já realizaram, de junho de 2008 até hoje, mais de 5.000 atividades, entre as quais se destacam patrulhamentos motorizados, controles veiculares, postos de observação, segurança em pistas de aterrissagem e atendimento médico para a população civil libanesa a partir da base “Miguel de Cervantes”.

A MINUSMA é composta por 90 militares salvadorenhos, o que a torna o contingente mais numeroso de El Salvador que participa pela primeira vez de forma independente em uma missão de paz. Desde abril de 2015, o grupo já executou mais de 3.500 tarefas de patrulhamento, transporte, escolta de comboio, vigilância e reconhecimentos aéreos, transporte médico, missões de busca, resgate e retirada de pessoas.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 87
Carregando conversa