Peru e os Estados Unidos aprenderão juntos em 2017

As forças armadas de ambos os países treinarão em conjunto para vencer o crime organizado.
Julieta Pelcastre/Diálogo | 8 fevereiro 2017

Capacitação e Desenvolvimento

Membros do Comando Especial VRAEM treinaram com militares dos Estados Unidos em 2017, para reduzir a ação dos terroristas e narcotraficantes dessa região. (Foto: CCFFAA)

A cooperação entre os dois países faz parte do programa mais amplio de atividades operacionais que as Forças Armadas do Peru planejam com forças armadas estrangeiras para 2017. Isso elevará o nível de treinamento e capacidade de operação do Exército, da Força Aérea e da Marinha de Guerra do Peru, que obterão os conhecimentos que lhes permitirão operar com e entre militares estrangeiros, informou o Congresso da República do Peru, no dia 24 de dezembro de 2016.

Os Estados Unidos e o Peru reafirmaram sua colaboração durante uma reunião no maio 2016 entre o Almirante de Esquadra dos EUA Kurt W. Tidd, comandante do Comando Sul dos Estados Unidos, e o Ministro da Defesa do Peru, Jakke Valakivi. Eles discutiram as relações bilaterias na área da defesa, além de maneiras para enfrentar ameaças à segurança na região.

A pedido do governo do Peru, os militares Americanos realizaram de forma regular treinamentos em benefício do Comando de Inteligência e Operações Especiais Conjuntas (CIOEC) e do Comando Especial do VRAEM, também conhecido como CE-VRAEM, ambos das Forças Armadas peruanas.

Neste ano, os elementos de manobra do CIOEC e do componente especial CE-VRAEM terão a oportunidade de elevar seu nível de treinamento e seus padrões de interoperabilidade, além de incrementar suas probabilidades de sucesso na execução das tarefas encomendadas. O programa de treinamento terá lugar nos departamentos de Junín, Pasco e Cusco e incluiram práticas de operações especiais e equipamento militar, bem como operações de informação, de interoperabilidade e de campo.

As regiões de treinamento foram selecionadas pelo Comando Conjunto das Forças Armadas porque apresentam elementos de manobra com acesso a campos montanhosos, com áreas de floresta de vegetação cerrada, muito parecidas com as do VRAEM.

O treinamento conjunto entre o Peru e as Forças Armadas dos EUA não é novidade. É parte importante da relação bilateral de décadas.

É importante “manter atualizado o pessoal que será destacado em áreas de operações, para continuar reduzindo as ações dos terroristas que atuam em conjunto com o narcotráfico e, assim, determinar seu campo de ação, reduzindo sua área de influência e suas ações delituosas no VRAEM”, disse à Diálogo o Capitão de Fragata Álvaro Palacios Aguilar, chefe do Departamento de Treinamento da 7a Divisão do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Peru.

Além desses treinamentos, o governo do Peru aprobou três exercícios de intercâmbio conjunto combinado, nos quais os militares dos dois países terão a oportunidade de aperfeiçoar suas técnicas de táticas especiais e melhorar sua capacidade para realizar missões de forma mais eficaz.

Membros das Forças Armadas e da Policia Nacional do Peru também foram convidados a participar de uma série de cursos de capacitação contra as drogas, que serão realizados no Instituto do Hemisfério Ocidental para a Cooperação de Segurança, na Academia Interamericana das Forças Aéreas e na Escola Naval de Instrução e Treinamento de Pequenas Embarcações.

As capacitações que as próprias Forças Armadas do Peru oferecem e as recebidas por instrução estrangeira contribuíram para melhorar significativamente a situação no VRAEM. Segundo o CCFFAA, as táticas, técnicas e procedimientos de inteligência aprimorados nos treinamentos melhoraram as operações do CE-VRAEM e resultaram em a destrução de 259 poços de maceração e laboratórios ilegais de produção de drogas no 2016. Também permitiram a apreensão de quase oito toneladas de cocaína e a destrução de 22 pistas de pouso ilegais.

As ações e operações das Forças Armadas do Peru realizadas nos últimos anos conseguiram capturar e neutralizar os principais cabeças da organização terrorista Sendero Luminoso, recuperar populações cativas submetidas por essa organização criminosa e apreender armas de fogo e explosivos.

“As Forças Armadas conseguiram aproximar-se da população mais carente, vinculando os esforços dos organismos do Estado e das empresas privadas para resolver seus problemas mais graves”, declarou o CF Palacios.

“As relações entre as Forças Armadas dos Estados Unidos e as Forças Armadas do Peru datam de muitos anos. A união de todos esses esforços nos permitiu estreitar os laços de amizade entre o Peru e os Estados Unidos”, disse à Diálogo o Capitão de Fragata reformado Ricardo Román, assessor de segurança da Marinha do Peru.

As Forças Armadas do Peru realizaram todos os esforços para contribuir juntamente com outros setores do Estado, para levar de maneira progressiva a segurança e desenvolvimento ao VRAEM.

“As experiências e conhecimentos adquiridos dos Estados Unidos significam um grande aporte para as técnicas das Forças Armadas [do Peru] porque as situações e cenários mudam”, acrescentou o CF reformado Román.

“O desafio para este ano é o de aumentar as operações de intervenção multissetorial, no âmbito da estratégia integral de luta contra o flagelo do terrorismo, que atua em aliança com o narcotráfico”, concluiu o CF Palacios.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 9
Carregando conversa