Reunião ministerial para Parceria de Resiliência EUA-Caribe

O Departamento de Estado dos EUA iniciou uma parceria de resiliência para enfrentar a gestão de desastres com os parceiros caribenhos.
Gabinete do porta-voz do Departamento de Estado dos EUA | 18 abril 2019

Relações Internacionais

O secretário-adjunto do Departamento de Estado dos EUA John J. Sullivan foi o anfitrião de uma reunião com líderes de países caribenhos no Comando Sul dos EUA, no dia 12 de abril de 2019, para inaugurar a Parceria de Resiliência EUA-Caribe, um novo esforço de colaboração para construir capacidades regionais para enfrentar desastres e fomentar a resiliência. (Foto: Jose Ruiz, Relações Públicas do Comando Sul dos EUA)

Reunião ministerial para Parceria de Resiliência EUA-CaribeNo dia 12 de abril de 2019, o secretário-adjunto do Departamento de Estado John J. Sullivan organizou uma equipe interagencial de oficiais seniores e especialistas dos EUA na sede do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), em Miami, Flórida, onde recebeu ministros e autoridades em gerenciamento de desastres de 18 países caribenhos, da Agência de Gestão de Emergências em Casos de Desastres do Caribe e do Sistema de Segurança Regional para lançar a nova Parceria de Resiliência EUA-Caribe.

A Parceria de Resiliência EUA-Caribe fortalecerá o relacionamento entre os Estados Unidos e o Caribe e fortalecerá nossos interesses compartilhados para alcançarmos uma maior resiliência durante desastres naturais. A parceria inclui as seguintes iniciativas:

Entender os riscos e permitir a ação

  • Compartilhar informações meteorológicas e mapear as marés de tempestades: Os Estados Unidos, através de financiamento da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID, em inglês), estenderão o mapeamento das marés de tempestades a outros países do Caribe, permitindo que os governos possam avaliar e mitigar os riscos de enchentes devido a ciclones tropicais e tsunamis. Os Estados Unidos, através da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, continuarão a oferecer capacidades de intercâmbio de informações meteorológicas com os países caribenhos.
  • Tecnologias espaciais para a redução de riscos e resiliência: Os Estados Unidos, através da Agência Espacial dos EUA (NASA, em inglês), tornarão as informações geoespaciais amplamente acessíveis, compreensíveis e prontamente utilizáveis pelos parceiros caribenhos, para garantir que os tomadores de decisões e interessados da região tenham as ferramentas necessárias para implementar políticas sustentáveis de resiliência. Autoridades dos EUA e do Caribe manterão os diálogos sobre políticas de alto nível e a colaboração quanto ao uso das ferramentas de observação terrestre para criar resiliência e reduzir os riscos, durante a Compreendendo os Riscos: Conferência Caribenha, em Barbados, no dia 27 de maio, e um seminário liderado pela NASA sobre a vulnerabilidade e a exposição da infraestrutura, em Porto Rico, de 6 a 8 de agosto. Os Estados Unidos serão um parceiro ativo quando a Jamaica sediar a primeira reunião das Américas e do Caribe da Plataforma Regional para a Redução do Risco de Desastres da Estratégia Internacional das Nações Unidas para a Redução de Desastres, em 2020.
  • Monitoramento dos riscos terrestres: Os Estados Unidos, através da USAID e em parceria com a Pesquisa Geológica dos EUA, oferecerão assistência técnica ao Centro de Pesquisas Sísmicas da Universidade das Índias Ocidentais para Dominica e outras nações caribenhas, para criar habilidades técnicas no monitoramento de vulcões através do Programa de Assistência em Desastres de Vulcões. Essa assistência contribuirá para que as nações do Caribe continuem a melhorar sua capacidade de emitir alertas precoces. Os Estados Unidos dão apoio de resiliência para riscos terrestres através da instalação de estações sísmicas para o Sistema de Alerta Precoce de Tsunami no Caribe, bem como de consultas técnicas e da criação de capacidades para desastres devido a inundações litorâneas e erosões.

Formação de comunidades resilientes

  • Fortalecimento da resiliência das comunidades locais: Os Estados Unidos, através da Fundação Interamericana, planejam conceder subsídios de US$ 650.000 às organizações da comunidade caribenha oriental para melhorar a mitigação de desastres e a resiliência.
  • Planejamento mais inteligente, resposta melhor: Os Estados Unidos, através da Agência Federal para Gestão de Emergências, assumiram o compromisso de compartilhar as melhores práticas e as lições aprendidas através dos seus esforços de recuperação nas Ilhas Virgens dos EUA, em Porto Rico, e em outras partes dos Estados Unidos recentemente afetadas por furacões. O intercâmbio de informações incluirá o emprego de padrões industriais e códigos de construção para reconstruir e aperfeiçoar a resiliência das instalações e da infraestrutura impactadas por desastres.
  • Resiliência da rede: Os Estados Unidos, através da Comissão Federal de Comunicações, assumiram o compromisso de compartilhar as melhores práticas em comunicações de emergência e prontidão para desastres com seus homólogos das agências reguladoras caribenhas.
  • Sistemas de energia resilientes: No âmbito da Iniciativa Caribenha de Segurança de Energia, o Departamento de Estado está trabalhando para um desenvolvimento resiliente de energia, com esforços de custo compensador e seguros, para apoiar a recuperação após desastres em Antígua e Barbuda e Dominica. Para ampliar esse esforço, autoridades dos EUA e do Caribe anunciaram o Seminário de Avanços de Resiliência de Energia no Caribe (ACER, em inglês), que será organizado pelo Departamento de Energia em parceria com o Departamento de Estado e a Organização dos Estados Americanos, em Porto Rico, nos dias 2 e 3 de maio. O seminário de ACER aumentará a resiliência de energia no Caribe e reunirá especialistas técnicos e políticos da região para aprenderem sobre as ferramentas que trarão energia às infraestruturas e microrredes fundamentais.

Melhorar a resposta a desastres

  • Assistência dos EUA ao Caribe: Os Estados Unidos, através da USAID, oferecerão treinamento para desenvolver as habilidades das Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha no Caribe e dos seus voluntários. Os Estados Unidos também trabalharão com a Agência de Gestão de Emergências em Casos de Desastres do Caribe e com o Sistema de Segurança Regional para fortalecer as capacidades de resposta da região. Os programas atuais da USAID no Caribe ajudam as ilhas a se prepararem para suas temporadas anuais de furacões. A USAID mantém suprimentos de emergência na Flórida, no Texas e no Haiti. A USAID tem uma equipe treinada de plantão para ajudar em desastres e consultores que monitoram e recolhem informações sobre potenciais desastres no Caribe, o que permite que o governo dos EUA responda imediatamente, caso algum país solicite assistência.
  • Coordenação e treinamento civil-militar: Além de compartilhar as melhores práticas militares e civis de resposta a desastres, os oficiais do SOUTHCOM anunciaram a participação dos EUA na criação de um Centro de Coordenação Multinacional Caribenho em Barbados, que dará apoio ao intercâmbio de informações e à coordenação entre os parceiros aliados, durante as respostas a desastres no Caribe. O Centro de Coordenação dará apoio ao Exercício Tradewinds, com foco no Caribe, em junho, para treinar mais de 600 militares e equipes de segurança caribenhos, para responderem a desastres naturais e ameaças terrestres e marítimas. Esse treinamento também incluirá autoridades civis em um exercício simulado de planejamento para desastres. Em nome dos Estados Unidos, o secretário adjunto e um representante do Sistema de Segurança Regional assinaram um Acordo de Aplicação Final que esboçou um novo plano para atividades de cooperação, o que ajudará a melhorar a defesa e a segurança na região do Caribe oriental.
  • Aviação civil no Caribe durante um desastre: Os Estados Unidos e os países caribenhos participantes assinaram uma declaração de intenção para expandir a cooperação de aviação civil e promover a rápida retomada dos serviços essenciais após um desastre. A declaração de intenção pede especificamente a criação de um grupo de planejamento de resiliência após um desastre, o Grupo Caribenho de Resiliência e Recuperação da Aviação, para compartilhar as informações e as lições aprendidas de recuperação em situações de desastres e para aumentar as parcerias e os mecanismos de comunicações, com o objetivo de mitigar as vulnerabilidades e fortalecer os esforços de recuperação da aviação caribenha. A Administração Federal de Aviação trabalhará com os parceiros de aviação no Caribe para atingir os objetivos da declaração de intenção.
Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 1
Carregando conversa