Força Naval de Honduras golpeia narcotráfico em 2018

O escudo marítimo das Forças Armadas de Honduras encerrou 2018 com a maior apreensão do ano.
Kay Valle/Diálogo | 8 janeiro 2019

Ameaças Transnacionais

Unidades da Força Naval de Honduras conseguiram localizar mais de meia tonelada de cocaína em uma operação de interdição marítima no Caribe hondurenho. (Foto: Relações Públicas das Forças Armadas de Honduras)

Em uma operação marítima realizada no dia 22 de novembro de 2018, a Força Naval de Honduras (FNH) conseguiu apreender meia tonelada de substâncias ilícitas no Caribe hondurenho. A Direção Nacional Policial Antidrogas da Polícia Nacional de Honduras apoiou a operação.

Através de um trabalho conjunto de inteligência e informação recebida de um informante, a FNH detectou a presença de uma embarcação carregada de drogas em águas do estado de Gracias a Dios, na fronteira com a Nicarágua. Após obter a informação, a FNH mobilizou duas lanchas de resposta rápida classe Caimán da Guarda Costeira.

“Uma embarcação com drogas partiu via marítima da comunidade de Palacios, no estado de Gracias a Dios, para um lugar próximo à comunidade de Santa Rosa de Aguán, no estado de Colón”, disse à Diálogo o Capitão de Mar e Guerra da FNH José Domingo Meza, diretor de Relações Públicas das Forças Armadas. “[A informação] foi transmitida aos guarda-costas para que fosse feita uma operação de interdição marítima.”

A operação possibilitou a apreensão de 532 quilos de cocaína e o confisco de uma lancha costeira tipo Eduardoño. Os tripulantes da embarcação fugiram depois que o barco encalhou em uma praia.

A operação

Nas primeiras horas do dia, unidades da FNH se mobilizaram em direção à costa de Santa Rosa de Aguán, onde conseguiram localizar a lancha suspeita. “De acordo com a informação recebida, as características da embarcação e sua velocidade de navegação, e também por não ter acatado as instruções dos guarda-costas, deduziu-se que se tratava da embarcação suspeita”, disse à Diálogo o Capitão de Mar e Guerra Juan Pablo Rodríguez, chefe de Operações da FNH. “Quando foi detectada, estava navegando paralela à costa, a uma distância de no máximo uma milha, com um rumo de 270 graus de leste a oeste.”

Procedendo com os protocolos navais, os membros da guarda costeira fizeram disparos de advertência com a ordem de deter a embarcação. No entanto, os tripulantes do barco não detiveram o curso e em resposta dispararam contra as unidades navais. Houve uma breve perseguição que terminou em uma praia de Santa Rosa de Aguán.

“Ao se verem descobertos pelos nossos guarda-costas, os criminosos dirigiram a citada embarcação em direção à praia”, explicou o CMG Rodríguez. “Eles fugiram para não serem presos com as provas e posteriormente julgados.”

A Força Naval de Honduras e a Direção Nacional Policial Antidrogas da Polícia Nacional realizaram a operação conjunta no final de novembro de 2018. (Foto: Relações Públicas das Forças Armadas de Honduras)

Na cobertura da embarcação, as unidades da FNH encontraram 18 bolsas totalizando meia tonelada de cocaína. Além disso, encontraram cartuchos de fuzil AK-47. A droga apreendida, bem como a lancha de fibra de vidro de 22 pés de comprimento e dois motores externos de 200 cavalos de força, foram postas à disposição da Promotoria Especial Contra o Crime Organizado do Ministério Público de Honduras.

A maior apreensão de 2018

A região costeira de Madre de Dios e Colón é uma zona atormentada pelo narcotráfico, como explicou o CMG Rodríguez. “[Os criminosos] escolhem essas áreas para traficar drogas porque contam com o apoio da população e por serem regiões remotas, onde não há presença policial”, disse. “É uma área estratégica, onde eles podem se mobilizar sem serem detectados, devido à diversidade de canais fluviais que se conectam entre si.”

No entanto, segundo dados das Forças Armadas, as conquistas da FNH aumentaram. A apreensão do dia 22 de novembro foi a maior feita pela instituição naval em 2018. Ao todo, a FNH apreendeu aproximadamente uma tonelada de cocaína durante o ano. Em 2017, foram confiscados 713 kg de cocaína contra apenas 275 kg no ano anterior.

Para o CMG Meza, o sucesso da FNH se deve ao treinamento rigoroso e aos intercâmbios de experiências realizados com frequência com as nações parceiras, tais como os Estados Unidos e a Colômbia. O porta-voz destacou ainda o reforço do patrulhamento em todo o território marítimo.

“Eles fazem cursos de interdição marítima, abordagem e verificação, comandos adestrados em interdição marítima e antinarcóticos, atirador experiente, piloto fluvial, artilheiro fluvial e operações urbanas”, explicou o CMG Meza. “Mantemos patrulhamentos permanentes em nossas áreas de responsabilidade com mais de 1.200 patrulheiros.”

A instituição naval busca também incrementar sua frota com a aquisição de novas lanchas. As mais recentes embarcações adquiridas, duas lanchas tipo Multi-Mission Interceptor 35 para a Corporação de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento da Indústria Naval, Marítima e Fluvial da Colômbia, serão entregues em 2019 e permitirão que as operações de segurança contra o narcotráfico e crimes correlatos continuem se fortalecendo.

“Os reforços no aparato operacional servem para evitar que grupos criminosos passem drogas pelas regiões sob a responsabilidade da Força Naval”, concluiu o CMG Meza. “Nossa missão, como Forças Armadas, é proteger as fronteiras marítimas, terrestres e aéreas.”

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 5
Carregando conversa