Força Aérea de El Salvador opta por frota chilena de caças Cessna A-37

A Força Aérea Salvadorenha (FAS) optará pela compra de uma frota de caças chilenos usados Cessna A-37, descartando dessa forma, pelo menos por enquanto, a opção mais nova e de excelente operação, que seria o investimento por hora de voo nos caças de ataque rápido Super Tucano, de fabricação brasileira.
WRITER-ID | 10 maio 2013

O presidente de El Salvador, Mauricio Funes, informou no dia 7 de maio que o seu país planeja comprar uma frota usada de caças Cessna A-37 do Chile para a sua Força Aérea. (Foto: Infodefensa.com)

A Força Aérea Salvadorenha (FAS) optará pela compra de uma frota de caças chilenos usados Cessna A-37, descartando dessa forma, pelo menos por enquanto, a opção mais nova e de excelente operação, que seria o investimento por hora de voo nos caças de ataque rápido Super Tucano, de fabricação brasileira.

Isto foi confirmado pelo presidente de El Salvador, Mauricio Funes, em discurso feito na véspera do 189º aniversário da criação da Força Armada de El Salvador (FAES), comemorado em 7 de maio como o Dia do Soldado.

Funes confirmou a compra de uma frota do Chile de dez aeronaves usadas Cessna A-37 através de um empréstimo de US$ 8,6 milhões, o que significa que o custo seria de US$ 860 mil por cada unidade.

“Caso o crédito seja aprovado, essa frota virá fortalecer nossa Força Aérea que, nas últimas décadas, não teve o apoio necessário. Oportunamente faremos chegar essa solicitação à honorável Assembleia Legislativa e saibam senhores deputados e deputadas que a Força Armada, e particularmente a Força Aérea, lhes ficaria grata”, disse Funes, em discurso na Escola Militar, em São Salvador, em 6 de maio.

O ministro da Defesa Nacional de El Salvador, General-de-Divisão Atilio Benítez, por sua vez, confirmou que havia falado sobre esse tema com seus homólogos chilenos na mais recente Conferência de Forças Armadas das Américas, realizada no Uruguai.

“Nós já possuímos essas mesmas aeronaves e, com isto (a incorporação dos aviões chilenos), reforçaremos nossa frota, e inclusive chegará um estoque de peças de reposição que também poderá servir para tornar operacionais algumas das nossas unidades que não estão em funcionamento”, disse Benítez.

O ministro não negou que com essa incorporação talvez possa se equilibrar, ainda que não totalmente, a favor de El Salvador, a diferença de poder aéreo que outros vizinhos da região têm sobre as forças salvadorenhas.

Essa compra anularia o efeito da iniciativa do final de 2010, quando Funes também confirmou a intenção de comprar igual número de caças novos brasileiros de ataque ligeiro Embraer EMB314/A29 Super Tucano, com um investimento de mais de US$ 100 milhões, ou seja, com valor entre US$ 10 ou 12 milhões para cada unidade.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 27
Carregando conversa