Estados Unidos e Honduras testam software para resposta a desastres com simulação de furacão

Os eleitos da Polícia colombiana serão credenciados ante o governo brasileiro e terão a missão de coordenar e servir de ligação para atender aos requisitos de seus compatriotas, representando o contato direto com a Polícia do Brasil.
Gabinete de Relações Públicas do Comando Sul dos EUA | 9 junho 2014

Funcionários da Comissão Permanente de Contingências (COPECO) de Honduras utilizam dispositivos móveis para capturar dados relacionados a desastres simulados e compartilhar esta informação com o Centro de Operações de Emergência durante uma demonstração de tecnologia do GeoSHAPE, em maio de 2014. (Foto: Sandra Marina/USSOUTHCOM)

Os Estados Unidos e Honduras juntaram esforços em Tegucigalpa e na Base Aérea de Soto Cano, entre os dias 9 e 12 de junho, para demonstrar e avaliar uma ferramenta de mapeamento criada para revolucionar os meios para que organizações governamentais e não governamentais de todo o mundo possam colaborar na resposta a desastres e nas crises humanitárias.

Equipes do SOUTHCOM, do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento de Engenharia do Exército dos EUA e da LMN Solutions treinam operadores da Comissão Permanente de Contingências (COPECO) de Honduras a utilizar o sistema Arbiter para inserir, atualizar e compartilhar em seus dispositivos móveis eventos relacionados a desastres. (Foto: Tommy Aguayo/USSOUTHCOM)

Conhecido como GeoSHAPE, o software de acesso público e normas abertas integra dados de diversas fontes e os exibe em um mapa dinâmico baseado na internet para permitir o conhecimento situacional e facilitar o processo de tomada de decisões. “O GeoSHAPE preenche as lacunas compartilhadas das informações geoespaciais vistas durante a resposta internacional ao terremoto de 2010 no Haiti, fornecendo uma ferramenta às organizações militares e civis, locais e internacionais, para que elas possam coordenar com eficiência suas atividades e, por sua vez, salvar mais vidas”, disse Juan Hurtado, conselheiro para ciências do Comando Sul dos EUA (USSOUTHCOM)

Esse esforço de desenvolvimento de tecnologia, que durou dois anos, será testado durante um evento simulado de furacão que atingirá a América Central, necessitando de uma ampla resposta das diversas organizações. Os agentes dessa situação hipotética incluirão a Comissão Permanente de Contingências (COPECO) de Honduras, a Cruz Vermelha local, o Plano Internacional (organização não governamental local) e a Força-Tarefa Conjunta-Bravo (JTF-B) dos EUA, entre outras organizações que geralmente respondem a esses eventos.

A solução GeoSHAPE é uma plataforma de rede para criar, atualizar e compartilhar eventos geoespaciais marcados, bem como um aplicativo móvel para capturar dados e fotos no local. Através dessas ferramentas, as organizações criam, em colaboração, um quadro tanto dos recursos disponíveis quanto da extensão dos danos. Os hospitais, zonas de pouso de helicópteros, alimentos, água e suprimentos médicos disponíveis, as condições das estradas e pontes e o deslocamento de equipes de resgate para as áreas afetadas, entre outros elementos chaves, são demarcados em um mapa que os usuários autorizados poderão ver de qualquer parte do mundo. O nível de acuidade que essa ferramenta oferece evitará redundâncias dos esforços de assistência, facilitará a informação das decisões tomadas entre os prestadores de auxílio e fornecedores de recursos, e aliviará o congestionamento dos centros de distribuição de logística.

O furacão Felix, de categoria 5, atingiu a América Central em 2007. Devido à sua posição geográfica e localização, a região é propensa a várias ameaças naturais, de furacões a enchentes, passando por terremotos e vulcões. (Foto: NASA)

O desenvolvimento do GeoSHAPE faz parte de um projeto tecnológico patrocinado pelo Gabinete do vice-secretário de Defesa para Capacidades Emergentes e Protótipos do Departamento de Defesa dos EUA e administrado pela Divisão de Ciências, Tecnologia e Experimentação do USSOUTHCOM. Outras organizações envolvidas no programa são o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento de Engenharia (ERDC) do Exército dos EUA, a Unidade de Informações Humanitárias do Departamento de Estado dos EUA, o Centro Pacífico de Desastres e a LMN Solutions, uma companhia de tecnologia de informação.

Ao longo dos anos, o relacionamento entre a Divisão de Ciência, Tecnologia e Experimentação do USSOUTHCOM, a JTF-B e o COPECO hondurenho mostrou-se um sucesso para desenvolver e implementar tecnologias tais como os Kits Preposicionados de Assistência Expedicionária (PEAK), um sistema modular que fornece água potável, energia renovável, conhecimento situacional, bem como comunicações local e global para os primeiros socorristas durante as operações de assistência humanitária e alívio de desastres.

Após a demonstração e avaliação final em Honduras, se o GeoSHAPE se provar útil durante a resposta a desastres e crises humanitárias, será integrado à plataforma AWARE de Desastres do Centro Pacífico de Desastres, que fornece continuamente informações atualizadas sobre os perigos em todo o mundo e funciona como um centro de distribuição para acesso, atualização e compartilhamento de dados relevantes antes, durante e após um desastre. Visto que se trata de um software aberto através do Consórcio Open-Geo, ele estará disponível para integração por organizações governamentais e não governamentais de todo o mundo.

Segundo Hurtado, o alívio de desastres e a assistência humanitária são apenas duas das muitas aplicações potenciais da capacidade desenvolvida para o GeoSHAPE, que também pode ser utilizado em qualquer situação onde os indivíduos ou organizações precisem criar e compartilhar informações geoespaciais, tais como as missões de manutenção da paz e segurança de fronteiras, e muitas outras.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 3
Carregando conversa