Forças Armadas da Colômbia capturam membros do Clã do Golfo

As forças de ordem colombianas detiveram quatro líderes do crime organizado em um mês.
Myriam Ortega/Diálogo | 11 setembro 2018

Os membros detidos do Clã do Golfo foram levados aos quartéis da Polícia Nacional de Bolívar, em Cartagena, para serem processados. (Foto Marinha Nacional da Colômbia)

A Marinha Nacional e a Força Aérea Colombiana, com o apoio do Exército e da Polícia Nacional, capturaram 19 membros do Clã do Golfo em diversas operações. As detenções ocorreram entre o dia 1º de julho e a primeira semana de agosto, como parte da campanha militar e policial Esparta, no Caribe. Entre os detidos estão os líderes conhecidos como Bruno, Buda ou Escalante, Chucha Redonda e Richo.

“Interviemos com o Exército e com a Polícia Nacional, disse à Diálogo o Capitão-de-Mar-e-Guerra do Corpo de Fuzileiros Navais Rafael Olaya Quintero, comandante da Brigada de Fuzileiros Navais da Colômbia Nº 1. “Temos o inestimável apoio da Promotoria Geral da Nação, que determina as condições judiciais de cada uma das detenções de acordo com os expedientes.”

O Clã do Golfo está organizado em estruturas e subestruturas que se dedicam à prática de delitos como o narcotráfico, a extorsão, a mineração ilegal, os deslocamentos forçados e o homicídio. As recentes detenções afetam as subestruturas Diomedes Dionisio Ortega Ramos, a qual está encarregada de cometer assassinatos por encomenda no estado de Magdalena, e Luis Fernando Gutiérrez, ligada à extorsão no estado de Bolívar, ambas da estrutura Erlin Pino Duarte.

Dois líderes a menos

No dia 1º de agosto foi detido o indivíduo conhecido como Richo. “Nós o capturamos com ordem [de prisão] por formação de quadrilha para praticar crimes de extorsão e sequestro”, disse à Diálogo o Capitão-Tenente do Corpo de Fuzileiros Navais John Alexander Martínez, chefe da Unidade de Inteligência do GAULA militar Bolívar. “O indivíduo conhecido como Richo era o encarregado das finanças da subestrutura Luis Fernando Gutiérrez.”

No mesmo dia 1º de agosto, foi detido o criminoso conhecido como Chucha Redonda, que fazia parte da subestrutura Luis Fernando Gutiérrez, encarregado de assassinatos por encomenda no município de Arjona, estado de Cesar. “Atualmente, [o clã] não tem como se reorganizar”, declarou o CMG Olaya. “Nos próximos dias obteremos mais resultados para desmanchar por completo essa parte da estrutura do Clã do Golfo.”

Indivíduo conhecido como Bruno

O indivíduo conhecido como Bruno ou Estiven foi detido no dia 5 de julho de 2018 no município de Tisquisio, estado de Bolívar. A operação foi realizada com as tropas do GAULA militar Bolívar e do Grupo de Comando Naval do Caribe da Marinha e da Polícia Nacional.

Após termos infiltrado sua segurança e conhecido suas rotinas, deslocamentos, inclusive como se comunicava com o líder máximo do Clã do Golfo, conhecido como Otoniel, vulgo Bruno foi surpreendido. “O criminoso desceu com seu grupo de segurança e, ao ver a tropa, houve uma troca de disparos com os [militares]”, explicou o CT Martínez.

O GAULA militar da Marinha da Colômbia realizou treinamentos de infiltração para capturar o indivíduo conhecido como Bruno, o que foi possível através da inteligência recolhida durante um ano. (Foto: Marinha Nacional da Colômbia)

Os criminosos ficaram feridos e o indivíduo conhecido como Bruno conseguiu escapar a cavalo e se escondeu em uma casa. Ali as tropas o interceptaram com um helicóptero e uma equipe de assalto, para levá-lo ao hospital.

Os três feridos foram estabilizados no Centro Hospitalar de Caucasia, em Antioquia, onde foram postos à disposição da Promotoria Contra o Crime Organizado Nº 151 de Barranquilla. O criminoso tinha uma trajetória de crimes de mais de 15 anos e era o principal líder da estrutura Erlin Pino Duarte.

O indivíduo conhecido como Bruno comandava atividades de narcotráfico, cobrança de extorsões, mineração ilegal, homicídio encomendado, bem como ações armadas contra a força pública. Em 2017, ele comandou um motim onde foram incineradas duas patrulhas da Polícia Nacional e uma lancha no município de San Martín de Loba, em Bolívar, quando foram feridos vários membros da instituição, informou a Marinha em um comunicado.

Indivíduo conhecido como Buda

O Batalhão do Corpo de Fuzileiros Navais Mecanizado Nº 4 do Exército, em coordenação com a Marinha e o GAULA da Polícia Nacional, realizou várias operações simultâneas onde foram capturados o vulgo Buda e outros 13 membros do Clã do Golfo. Os militares conseguiram realizar essas prisões nos estados de Antioquia, Bolívar, Magdalena e Sucre.

“O indivíduo conhecido como Buda ou Escalante era o líder encarregado de extorsão contra os comerciantes”, explicou o CMG Olaya. “Com a captura, o Clã do Golfo, que praticava crimes nessa localidade, deixou de arrecadar US$ 1,6 milhão mensal.”

Os detidos respondem a acusações de formação de quadrilha e extorsão agravada. Suas ações se concentravam nos municípios de Magangué, El Carmen de Bolívar, San Jacinto del Cauca, Santa Rosa del Sur e Montecristo, no estado de Bolívar, segundo a Marinha.

“No decorrer desse mês [agosto de 2018] a intenção é desarticular 100 por cento o Clã do Golfo no sul de Bolívar, concluiu o CT Martínez. “Restam apenas cerca de 20 por cento da estrutura.”

“O Clã do Golfo está em franca deterioração de todas as suas estruturas; cada vez o cerco se fecha mais”, finalizou o CMG Olaya. “Definitivamente, não lhes resta outro caminho senão se submeterem à justiça.”

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 1
Carregando conversa