Marinha do Brasil moderniza aeronave Lynx

Três das oito aeronaves AH-11B que fazem parte do programa de modernização devem chegar até o final de 2018 ao 1º Esquadrão de Helicópteros de Esclarecimento e Ataque.
Taciana Moury/Diálogo | 12 junho 2018

Capacitação e Desenvolvimento

A nova aeronave AH-11B vai potencializar as atividades realizadas pela Marinha do Brasil por meio de motores mais potentes e da instalação de um novo sistema de guincho, dentre outras atualizações. (Foto: Marinha do Brasil)

As capacidades modernizadas da aeronave Super Lynx AH-11B foram testadas por um grupo de pilotos do 1º Esquadrão de Helicópteros de Esclarecimento e Ataque (EsqdHA-1), unidade da Marinha do Brasil (MB) que vai receber oito aeronaves modernizadas até o final de 2020. Durante duas semanas, quatro pilotos realizaram um total de 20 horas de voo na aeronave N-4001, com o objetivo de capacitar os oficiais brasileiros para a nova versão da aeronave.

Na ocasião, foi treinada a eficácia de alguns procedimentos de emergência da aeronave AH-11B e dos equipamentos de navegação, do processador tático e do radar, entre outros. O Capitão-de-Fragata da MB Bruno Tadeu Villela, imediato do EsqdHA-1, foi o responsável por realizar o primeiro voo após o processo de modernização.

“Foi uma experiência indescritível. O acréscimo na potência dos motores, a renovação do cockpit, dos equipamentos de navegação e de diversos sensores fizeram a aeronave ainda mais interessante de voar”, destacou o CF Villela.

Os voos representaram a parte prática do curso diferencial de Coordenador Tático (TACCO, em inglês), realizado na sede da Leonard Helicopters, em Yeovil, no Reino Unido. Segundo o CF Villela, o início do curso de TACCO durou três semanas e foi uma classe teórica de aviação, conhecida como Ground School, dos sistemas da aeronave que foram modernizados. 

Ao todo 58 militares do EsqdHA-1, 18 oficiais e 40 praças, participaram do primeiro treinamento. O contrato de modernização prevê um conjunto de oito cursos para os militares da MB. “Durante as duas fases do curso foram ministradas as informações necessárias para o início do processo de transição para a AH-11B”, disse o CF Villela.

O oficial explicou que os militares brasileiros não encontraram dificuldades durante o curso, uma vez que eles já possuíam experiência nas aeronaves AH-11A e são fluentes na língua inglesa. “Conhecíamos os desafios que seriam encontrados ao longo do curso. Desta forma, a preparação dos militares antes do início das aulas foi essencial para o sucesso de todos”, destacou o CF Villela, que faz parte do grupo de pilotos que conduzirá a transição do efetivo do esquadrão para as aeronaves AH-11B. “Teremos muito trabalho na qualificação de pilotos e mecânicos e o resultado disso representará o futuro do nosso esquadrão”, complementou.

Desde janeiro de 2018, o EsqdHA-1 vem aprimorando um memorando interno que orientará a transição para as aeronaves AH-11B. Os militares que realizaram os cursos oferecidos pela empresa no Reino Unido desenvolverão os currículos e os projetos específicos dos cursos a serem ministrados no esquadrão. Esses mesmos militares atuarão como instrutores dos conhecimentos ao restante do efetivo.

Expansão da capacidade operacional da MB

Pilotos brasileiros realizaram os primeiros voos na aeronave Super Lynx modernizada, na Inglaterra, durante os meses de março e abril de 2018. (Foto: Marinha do Brasil)

O Capitão-de-Fragata da MB Alexandre da Silva Doring, comandante do EsqdHA-1, salientou que as principais mudanças das aeronaves AH-11B consistem na incorporação de motores mais potentes e confiáveis, de aviônicos totalmente digitais e compatíveis com óculos de visão noturna e de um equipamento moderno de medidas de guerra eletrônica. Foram instalados motores LHTEC CTS-800-4N, dotados de um controle de motor digital de pleno poder, com diversas alterações no sistema de potência da aeronave.

Foram feitas as seguintes mudanças e instalações: alteração da configuração dos sistemas hidráulicos; instalação de um sistema de cabine com mostrador digital, conhecido como glass cockpit, composto por três telas digitais multi-função e integrado a um processador tático, o qual passará a concentrar e distribuir todas as informações de sensores e equipamentos táticos da aeronave; instalação de um sistema de navegação GPS com capacidade para realização de voos de rotas de navegação de área e procedimentos do sistema de pouso por instrumentos, associado aos sistemas de alerta anticolisão de tráfego e de Vigilância Cooperativa para Rastreamento de Aeronaves; e instalação de um novo sistema de guincho. “Com essas melhorias, as aeronaves terão capacidade de operar com maior segurança, além de uma melhor compilação dos dados proporcionada pelo uso do processador tático, essencial em um ambiente hostil de operação, onde a troca de informações de maneira eficiente é fundamental”, destacou o CF Doring.

“A atuação na Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL), da qual o esquadrão participa desde 2001 com uma aeronave embarcada, vai ser beneficiada pela modernização da AH-11B”, exemplificou o CF Villela. Durante a UNIFIL, o helicóptero é utilizado para o esclarecimento da área sob responsabilidade do navio da MB, no reconhecimento dos navios de interesse. Assim, a aeronave usa seu próprio radar para aumentar a área de cobertura do radar da embarcação, já que tem maior velocidade e pode se deslocar verticalmente.

“Em menor espaço de tempo é possível verificar a área de responsabilidade e determinar alvos de interesse. Esses alvos podem, em seguida, ser identificados pelo uso do equipamento FLIR [câmaras de visão frontal infravermelha] da aeronave, que detecta uma radiação infravermelha, permitindo ao navio executar o seu processo decisório de qual ação pode ser necessária em relação ao alvo”, explicou o CF Villela.

O CF Doring destacou que o Lynx AH-11B proporcionará maior eficiência na missão de ampliar as possibilidades dos sensores e a capacidade de reação do navio em que ele estiver embarcado. Isto influenciará de forma positiva na proteção de qualquer área marítima que esteja confiada à MB.

Ampliar as potencialidades das embarcações

O EsqdHA-1 tem a missão de prover os meios aéreos que integram o sistema de armas dos navios de superfície da esquadra. O esquadrão conta com 322 militares em seu efetivo, sendo 26 oficiais e 296 praças.

A unidade aérea possui um total de 12 aeronaves Super Lynx AH-11A, das quais oito fazem parte do programa de modernização para o padrão AH-11B. Cinco dessas aeronaves já se encontram no Reino Unido para modernização e, de acordo com o cronograma previsto, três delas devem ser entregues até o final de 2018.

O CF Villela avaliou que as aeronaves AH-11B elevam o EsqdHA-1 para a vanguarda das aeronaves navais de ataque pela atualização de diversos sistemas e sensores. “A instalação de um cockpit totalmente digital, lançadores de chaff [contramedida radar em forma de tiras de folha metálica] e de flare [foguetes de sinalização] de última geração permitirão uma evolução operacional do esquadrão semelhante à ocorrida quando foi feita a incorporação dos AH-11A, em 1998. Com a nova aeronave, o esquadrão poderá passar a cumprir suas missões com mais eficiência e mais segurança”, concluiu.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 6
Carregando conversa