Tropas do Brasil e da Argentina fazem exercício simulado contra força invasora

Militares dos exércitos brasileiro e argentino participaram do treinamento simulado preparatório para a Operação Guarani.
Andréa Barretto/Diálogo | 5 novembro 2018

Capacitação e Desenvolvimento

Militares dos exércitos brasileiro e argentino discutem ações a serem executadas durante a fase de simulação da Operação Guarani. (Foto: Exército Brasileiro).

Uma força considerada inimiga toma conta de um determinado território próximo à fronteira do Brasil com a Argentina. Os dois países se unem e formam a Brigada Combinada Guarani a fim de enfrentar e solucionar o problema. Nesse contexto atuaram 146 militares brasileiros e argentinos durante a fase de simulação da Operação Guarani.

Realizado desde 2007, o exercício envolve a 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada do Exército Brasileiro (EB) e a Brigada de Monte XII do Exército Argentino. Os dois países revezam-se como sede da operação a cada três anos. O planejamento, o treinamento simulado e a operação com tropas no terreno são realizados nesse intervalo de tempo.

As reuniões de preparação para a edição 2019 da operação ocorrem desde abril de 2017, alternadamente na Argentina e no Brasil. Os participantes realizaram o treinamento simulado em setembro de 2018 no Brasil, em instalações do Comando Militar do Sul, na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Em setembro de 2019, as tropas vão colocar em prática os aprendizados em ambiente real.

“Para a Brigada de Monte XII e para o Exército Argentino é muito gratificante participar com nossos amigos do Exército Brasileiro desse exercício da Operação Guarani”, afirmou o General de Brigada do Exército Argentino Juan Antonio Zamora, comandante da Brigada de Monte XII. O oficial coordena a operação ao lado do General de Brigada do EB Raul Rodrigues de Oliveira, comandante da 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada. 

Combate virtual

A etapa de simulação da Operação Guarani consiste no desenvolvimento de um jogo de guerra. Para isso é empregado o sistema COMBATER, um software que cria interações entre informações inseridas antes do jogo – a exemplo dos mapas do terreno – e durante o jogo.

Primeiro, os jogadores foram apresentados ao tema geral do exercício: o Brasil, identificado como país verde, foi invadido por uma potência extracontinental. Para combater o invasor, o país verde foi auxiliado pelo país azul (representando a Argentina), estabelecendo a Brigada Combinada Guarani.

Militares do Comando Militar do Sul do Exército Brasileiro se posicionam para recepcionar a comitiva do Exército Argentino, participante do exercício simulado da Operação Guarani. (Foto: 2º Tenente do Exército Brasileiro Marcos Antônio)

Organizados em diversas equipes, sempre com representantes brasileiros e argentinos, os jogadores tinham que discutir as situações passadas pelos dirigentes do exercício até chegar a um planejamento. Uma vez prontos, os dados de cada planejamento eram lançados no software.

“O software é capaz de fazer as interações entre os dois partidos, aquele da Brigada Guarani e o partido da força invasora. Por exemplo, toda vez que uma tropa se desloca, pode ser observada pela outra e, com isso, pode ser alvo de fogo do inimigo. Nesse caso, o software calcula, pelas características do armamento de um partido ou de outro, quais teriam sido os danos causados na força oponente”, explicou o Gen Bda Raul.

Enquanto acompanhavam a execução de seus comandos pelo sistema, os jogadores eram confrontados com novos desafios. “São os chamados problemas militares simulados”, disse o Gen Bda Raul, citando outro exemplo: uma tropa da Brigada Guarani se deslocava numa estrada. Inicialmente, não havia nenhuma ação do inimigo programada nesse trecho. Os dirigentes criaram, então, uma situação para que essa tropa fosse exercitada. Essa ordem foi transmitida ao escalão responsável, que passou a realizar novo planejamento e novas ações.

Nessa fase da Operação Guarani, os únicos acontecimentos simulados são os de combate, realizados por meio do software, mas as discussões, planejamentos e tomadas de decisão por parte dos jogadores são frutos de um empenho real e baseiam-se nas doutrinas adotadas por ambos os países envolvidos no treinamento. “Esse é o grande ganho e o grande objetivo do exercício: o trabalho das equipes, desde os escalões superiores até o escalão executante. A simulação se dá para se ter noção da interação, quer dizer, testarmos se o planejamento foi bem executado, quais as metas alcançadas, no que se pode melhorar etc.”, contou o Gen Bda Raul.​​​​​​​ 

Ações reais

Representantes da 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada e da Brigada de Monte XII ainda vão se encontrar em maio e julho de 2019, antes da realização da fase final da Operação Guarani, agendada para acontecer de 15 a 21 de setembro de 2019, no Rio Grande do Sul. Esta região do território brasileiro está localizada a pouco mais de 600 quilômetros da capital argentina.

Dessa vez, é esperada a participação de centenas de militares brasileiros e argentinos na formação de uma força conjunta binacional para combater uma potência invasora de origem não sul-americana. Além das tropas, cada país colocará no terreno seus equipamentos e armamentos. A Brigada de Monte XII vai trazer para a operação suas viaturas Humvee, de origem norte-americana. Já a brigada brasileira empregará os blindados Urutu e Cascavel, de fabricação nacional.

Para o Gen Bda Raul, a Operação Guarani tem relevância para ambos os países, em diferentes aspectos. No campo individual, ele ressalta o intercâmbio de idioma, de cultura e de conhecimentos sobre as doutrinas. No campo institucional, destaca o estreitamento e o fortalecimento dos laços de cooperação e amizade entre os exércitos e, por consequência, entre os dois países. “E ainda, no campo militar, possibilita uma troca muito importante, principalmente no que concerne aos sistemas de planejamento operacional de cada força. Conhecendo mais um ao outro, quem sabe não estabelecemos um método comum de planejamento de operações militares?”, concluiu.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 1
Carregando conversa