Brasil apreende mais de seis toneladas de drogas na Amazônia

O Comando Militar da Amazônia divulga números sobre as operações realizadas em parceria com agências do governo no primeiro semestre de 2018.
Andréa Barretto/Diálogo | 5 junho 2018

Ameaças Transnacionais

Entre as missões desempenhadas pelos Pelotões Especiais de Fronteira do Comando Militar da Amazônia estão a fiscalização da faixa de fronteira e o atendimento a comunidades que vivem em locais de difícil acesso. (Foto: Exército Brasileiro)

De janeiro a maio de 2018, foram apreendidas cerca de 6,6 toneladas de drogas na área de responsabilidade do Comando Militar da Amazônia (CMA), com sede em Manaus, capital do Amazonas. Os resultados são fruto de 170 operações colocadas em curso pelas Forças Armadas do Brasil, em parceria com agências governamentais, em quatro estados amazônicos que fazem fronteira com a Guiana, a Venezuela, a Colômbia, o Peru e a Bolívia.

Segundo números divulgados pelo CMA no final de maio, durante as operações foram apreendidos também 26.700 metros cúbicos de madeira extraídos ilegalmente da floresta, 68 armas de fogo e 77.500 litros de combustíveis. Os militares e agentes policiais foram responsáveis ainda pela realização de 87 prisões em flagrante.

O trabalho de fiscalização das fronteiras amazônicas foi intensificado desde o final de 2017, seguindo o modelo de atuação estabelecido pelo Programa de Proteção Integrada de Fronteiras em 2016. O programa ocasionou a reestruturação da Operação Ágata, que ocorria em períodos previamente definidos e cobria grandes extensões de uma só vez. No lugar disso, os militares e agentes de segurança passaram a realizar operações ao longo de todo o ano, de forma surpresa, com menor duração e menor efetivo.

Vigilância permanente

Um dos exemplos desse modo de atuação é a Operação Escudo, que busca combater ilícitos transfronteiriços e aumentar a presença militar nas regiões limítrofes do país. “Essa ação está em curso desde janeiro e ocorrerá durante o ano [de 2018] inteiro, com a realização de cerca de 12 atividades de reconhecimento de fronteira por mês”, contou o General-de-Brigada do Exército Brasileiro (EB) Gustavo Henrique Dutra de Menezes, comandante da 1ª Brigada de Infantaria de Selva, com sede em Boa Vista, no estado de Roraima. O trecho coberto pelas tropas da 1ª Brigada na Operação Escudo corresponde a 2.000 quilômetros de fronteira do Brasil com a Venezuela e a Guiana.

De acordo com o Gen Bda Dutra, os reconhecimentos de fronteira são patrulhas durante as quais os militares passam pelos marcos fronteiriços. Além de fiscalizar o trajeto, os militares fazem anotações sobre o percurso, que servem para alimentar o banco de dados da brigada. Fazem ainda visitas a comunidades indígenas com o intuito de atender eventuais necessidades desses grupos que vivem, geralmente, em locais de difícil acesso.

Outro exemplo de ação intermitente colocada em curso pelo CMA é a Operação Controle. A iniciativa ocorre ao longo das rodovias federais e estaduais, por intermédio do estabelecimento de postos de bloqueio e controle de estradas e, ainda, patrulhamento motorizado e a pé de trilhas e outros acessos alternativos, por onde podem circular drogas e outras mercadorias ilícitas.

O Exército Brasileiro faz a fiscalização de rio na Amazônia, durante a Operação Controle, realizada em abril de 2018. (Foto: 1ª Brigada de Infantaria de Selva, Exército Brasileiro)

Além de combater ilegalidades nas fronteiras e aumentar a segurança dessas áreas, o que se busca com a Operação Controle é intensificar a triagem e fiscalização dos migrantes vindos dos países vizinhos. No Brasil, eles têm sido direcionados para centros de acolhimento ou auxiliados no processo de retorno a seus locais de origem.

“Essas ações apresentam números significativos, dos quais podemos destacar o estabelecimento de mais de 100 postos de bloqueio nas estradas, revista de 32.000 veículos e apreensão de aproximadamente 2 milhões de reais [US$ 537.000] em produtos oriundos de contrabando”, ressaltou o Gen Bda Dutra sobre os resultados da Operação Controle desde o início de 2018.

Trabalho de base

As atividades do CMA são exercidas por meio de quatro brigadas de infantaria de selva, que contam com um efetivo total de 20.000 homens. As brigadas são responsáveis pela coordenação de 24 Pelotões Especiais de Fronteira (PEF), dispostos ao longo de toda linha de fronteira. Com isso, os PEFs permitem a capilarização das ações encabeçadas pelo CMA.

“A rotina de atuação dos militares do pelotão é de vigilância permanente e patrulhamento constante. Nesse sentido, os militares labutam diariamente sob o trinômio ‘Vida, Combate e Trabalho’, que sintetiza tudo aquilo que é feito em um Pelotão Especial de Fronteira do Exército Brasileiro”, definiu o General-de-Brigada do EB Cristiano Pinto Sampaio, comandante da 16ª Brigada de Infantaria de Selva, sediada na cidade de Tefé, no estado do Amazonas.

O 2º PEF, subordinado à 16ª Brigada, foi responsável por uma das maiores apreensões de droga em 2018 dentro da jurisdição do CMA. O episódio ocorreu em janeiro, durante uma fiscalização noturna na calha do rio Içá, também conhecido como Putumayo, e que é um afluente do rio Amazonas. Em uma embarcação clandestina, os militares encontraram 1.860 quilos de maconha. “O material foi levado à Delegacia da Polícia Federal de Tabatinga, onde são feitos todos os procedimentos de polícia judiciária previstos na legislação vigente”, contou o Gen Bda Pinto Sampaio.

A área sobre a qual o 2º PEF tem responsabilidade faz fronteira com parte da Colômbia. De acordo com o Gen Bda Pinto Sampaio, trata-se de uma área da floresta amazônica que, assim como outras áreas dessa região, são caracterizadas por um vazio demográfico e pela ausência relativa de agências do governo. Tais condições acabam levando os militares do pelotão a atuar em outras frentes que não apenas a segurança e defesa, mas também no apoio de saúde, na evacuação de pessoas doentes e na mediação de pequenos conflitos. “Tudo isso torna a missão ainda mais desafiadora para os militares e suas famílias”, lembrou o Gen Bda Pinto Sampaio.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 2
Carregando conversa