Argentina é sede da Conferência Sul-Americana de Defesa 2018

Líderes da defesa da América do Sul se reúnem para analisar o papel dos militares na paz regional e mundial.
Geraldine Cook/Diálogo | 6 setembro 2018

Relações Internacionais

Os líderes da defesa reunidos na Conferência Sul-Americana de Defesa 2018, realizada em Buenos Aires, Argentina, se comprometeram a trabalhar unidos para a paz regional. (Foto: Geraldine Cook, Diálogo)

“Vivemos um momento onde as operações de paz exigem uma liderança militar e civil”, disse o General-de-Divisão do Exército da Argentina Bari del Valle Sosa, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, ao dar as boas-vindas aos líderes da defesa do seu país que, pela primeira vez, foi sede da Conferência Sul-Americana de Defesa (SOUTHDEC, em inglês), em sua edição 2018, em Buenos Aires, nos dias 28 e 29 de agosto. “O ambiente global de segurança é o mais complexo, volátil e imprevisível. Diante desse desafio, é uma prioridade fortalecer as nossas capacidades de alerta estratégico, a fim de adotar medidas preventivas e criar mecanismos para evitar o conflito ou para facilitar o controle da crise.”

O Almirante-de-Esquadra da Marinha dos Estados Unidos Kurt W. Tidd, comandante do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), o qual patrocina o encontro anual, inaugurou a SOUTHDEC 2018. “Bem-vindos à SOUTHDEC. Obrigada por nos acompanharem. Sua presença é um testemunho do seu compromisso com nossa segurança compartilhada e da força dos laços entre nossas nações”, disse o Alte Esq Tidd. “A SOUTHDEC é o melhor fórum para identificarmos juntos novas oportunidades, compartilharmos ideias e fortalecermos a colaboração e a coordenação de nossas ações.”

Sob o tema “Contribuições militares sul-americanas para a paz global”, os participantes do Brasil, do Chile, da Colômbia, do Equador, dos Estados Unidos, da Guiana, do Paraguai e do Peru falaram sobre a responsabilidade das forças armadas nas operações de paz e compartilharam suas experiências e as lições aprendidas sobre esse tema. O Canadá, a Espanha, o Gabinete de Operações de Paz das Nações Unidas, a Guarda Nacional do Exército da Georgia, o Gabinete para Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos Estados Unidos, o Centro de Estudos Hemisféricos de Defesa William J. Perry, o Instituto de Estudos Estratégicos da Argentina e a Junta Interamericana de Defesa participaram como observadores.

A SOUTHDEC 2018 foi realizada em um clima de camaradagem entre as nações parceiras, cujos chefes de defesa debateram a respeito da contribuição regional para as operações de paz e do apoio militar ao trabalho interagências, além do apoio dos exércitos da região às missões comandadas por outras agências governamentais. Os participantes desenvolveram os temas durante dois dias em grupos de trabalho e reuniões bilaterais. Um seminário para suboficiais superiores foi realizado paralelamente para discutir sobre o desenvolvimento profissional dos suboficiais e o sistema educacional dedicado à sua profissionalização na região.

Objetivos comuns

“A SOUTHDEC nos permite coordenar todos os esforços das forças armadas da região e concentrar nosso foco em objetivos comuns, considerando que todos nós compartilhamos os mesmos valores em termos de democracia, de direitos humanos etc.”, disse o Major-Brigadeiro Arturo Merino Nuñez, chefe do Estado-Maior Conjunto do Chile. “Participamos de missões de paz e uma das nossas grandes contribuições aconteceu no Haiti. Agora estamos em um processo de avaliação para decidir aonde vamos destacar nossa força futuramente. Ainda temos 59 homens destacados em diferentes missões ao redor do mundo.”

“A SOUTHDEC nos possibilita um diálogo sincero e franco para debater todas as ameaças e problemas da região”, disse o General-de-Exército da Colômbia Juan Bautista Yepes Bedoya, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Militares. “As ameaças são as mesmas, como o narcotráfico, as armas ilegais, os explosivos e o contrabando, entre outros, e ultimamente a migração ilegal de pessoas.”

O Almirante-de-Esquadra da Marinha dos EUA Kurt W. Tidd, comandante do Comando Sul (esq.), e o General-de-Divisão do Exército da Argentina Bari del Valle Sosa, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, dão as boas-vindas aos líderes militares e de defesa para a Conferência Sul-Americana de Defesa 2018. (Foto: Geraldine Cook, Diálogo)

O Almirante-de-Esquadra Paulo Gómez Benítez, comandante da Marinha do Paraguai, exaltou a importância do tema para a região. “A paz é o que há de mais importante no mundo; sem a paz não há desenvolvimento. O que sempre devemos cuidar e proteger é a paz”, disse ele. “Temos uma experiência limitada nas operações de paz, mas as experiências que ouvimos dos outros países enriquecerão muito nosso desempenho no futuro”, acrescentou.

Força regional de paz

A maioria dos países participantes da SOUTHDEC 2018 faz parte das missões de paz da Organização das Nações Unidas há muito tempo. A experiência e as lições aprendidas em cada missão oferecem aos boinas-azuis e às forças de cada país oportunidades únicas de desenvolvimento.

“Existe um novo olhar para as missões de paz”, disse o Gen Div Del Valle. “Estamos tentando desenvolver um pouco uma ideia ainda embrionária, um elemento que nos permita começar a pensar em uma coordenação regional, em uma organização regional para atuar nesse tipo de missões e, lentamente, na criação das metodologias para avançarmos nessa direção.”

A Colômbia apoiou a ideia. “Necessitamos unir-nos para criar uma grande força regional de manutenção de paz com as mesmas normas e o mesmo treinamento, onde cada país contribua com o que tem”, disse o Gen Ex Yepes. “Esse é um caminho que precisamos percorrer para que todos os países da região possam caminhar em uma única direção.”

A ideia também tem relevância para o Chile. “A América do Sul contribui muito com a paz e a segurança mundial através do emprego das forças armadas em operações de paz em diversas partes do mundo”, disse o Maj Brig Merino. “Precisamos analisar a possibilidade de integrar muito mais a nossa região com as operações de paz, nas quais poderemos ter uma força combinada de vários países e assim participar da melhor maneira nas operações de paz no futuro.”

A SOUTHDEC 2018 terminou com o compromisso por parte dos participantes de continuar o trabalho coordenado regional para promover a paz. “Vivemos em um continente de paz, mas a paz não é infinita. Estamos diante de novas ameaças e desafios”, disse o ministro da Defesa da Argentina Oscar Raúl Aguad, durante o encerramento do evento. “O fato de vocês estarem reunidos é a garantia da paz do continente, da fraternidade entre os povos da América do Sul. Essa extraordinária colaboração e nossa proximidade com os Estados Unidos são uma garantia para nossos povos, o que devemos aproveitar nesses tempos em que vivemos enfrentando desafios.”

O SOUTHCOM realiza a SOUTHDEC anualmente desde 2009 para incrementar o diálogo entre os chefes da defesa sobre temas de interesse comum e para melhorar a cooperação regional. O Brasil sediará a SOUTHDEC 2019.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 0
Carregando conversa