APAN: uma conexão vital

Usuários de site de rede social guiam socorristas até vítimas do terremoto no Haiti
WRITER-ID | 1 julho 2010

No dia 25 de janeiro de 2010, postagens no site da Rede de Acesso a Todos os Parceiros ou APAN (All Partners Access Network) relataram pedidos de ajuda vindos de debaixo dos escombros de um mercado em Porto Príncipe, no Haiti, 13 dias depois de um terremoto devastador. Em 30 minutos, foi colocada no site uma resposta com a localização exata de um sobrevivente que estava se comunicando via SMS. O fluxo de informações através da sequência de postagens colocadas na APAN levou equipes de resgate ao mercado, onde elas foram capazes de achar e resgatar sobreviventes.

Em outro exemplo da versatilidade e capacidade de reposta rápida da rede social, uma organização não governamental, que precisava de 150 barracas, submeteu o seu pedido via APAN, no auge das operações de ajuda ao desastre no Haiti. Em uma hora, uma resposta foi postada, indicando que a Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional seria capaz de ajudar. Postagens adicionais informaram à equipe que outra organização não governamental com base nas proximidades tinha 10 barracas disponíveis.

A APAN, um site de rede social do Departamento de Defesa dos EUA, foi originalmente criada para a região Ásia-Pacífico e foi utilizada com sucesso como uma ferramenta vital de coordenação das operações de ajuda para desastres durante o terremoto e o tsunami do Oceano Índico em 2004. Anteriormente conhecida como Rede da Área Ásia-Pacífico (Asia Pacific Area Network), a APAN rapidamente evoluiu para um site global, hospedando múltiplas comunidades e um número sempre crescente de membros. A APAN hoje conecta pessoas e informações através de um espaço de trabalho virtual para incentivar o compartilhamento de informações que atravessam fronteiras organizacionais e geográficas. Basicamente, o site hospeda uma comunidade de comunidades.

O Gen. Douglas Fraser, comandante do Comando Sul dos EUA observou como a tecnologia está ajudando os órgãos a trabalharem juntos com mais eficiência e a alcançarem as pessoas necessitadas.

“Da mesma maneira que sites de redes sociais como o Facebook e o Twitter revolucionaram o modo como as pessoas se comunicam umas com as outras, a APAN está revolucionando o modo como compartilhamos informações com os nossos parceiros interagenciais, órgãos não governamentais e, até mesmo, empresas privadas, que juntam-se a nós para dar assistência humanitária e ajuda para desastres”, ele disse. “Compartilhar estas informações com nações parceiras é o próximo passo lógico.”

Este serviço de web 2.0 combina os benefícios de colaboração desestruturada (wikis, blogs e fóruns) e colaboração estruturada (compartilhamento de arquivos e calendários) com a personalização da rede social. Como uma comunidade de comunidades, o conceito operacional é centrado em grupos – os usuários se filiam a grupos ou comunidades de interesse para observar, participar e/ou colaborar.

A plataforma da APAN permite aos membros do grupo postarem artigos, participarem em discussões em tempo real e criarem relacionamentos com base nos seus interesses comuns. Os grupos ou comunidades de interesse podem ser geocêntricos ou referentes a um assunto específico, e os usuários podem multiplicar os ambientes da rede social da APAN para fazer contatos que transcendem as comunidades originais para criar novos grupos de interesses.

Desde a sua criação, a APAN tem sido uma ferramenta de socialização cada vez mais popular usada por organizações internacionais, órgãos governamentais, organizações não governamentais e indivíduos. Algumas das áreas de interesses que a APAN hospeda incluem temas mundiais relacionados à saúde, preocupações ambientais, apoio a autoridades civis/aplicação da lei, resolução de conflitos, tráfico ilícito, segurança durante eventos importantes, tais como a Copa do Mundo ou as Olimpíadas, e a preparação para treinamento e exercícios.

A plataforma facilita a pesquisa, provendo um método de busca ao banco de dados, que utiliza palavras chaves para se obter acesso ao conteúdo, informações e pessoas. As capacidades de busca podem apontar o tipo de ajuda ou as informações específicas necessárias para conectar você com as pessoas certas, no lugar certo e na hora certa. Por exemplo, se um usuário está procurando um especialista em engenharia no Panamá, palavras chaves incluindo profissão, país e idioma podem ajudá-lo a encontrar a pessoa certa.

Outras ferramentas, tais como mapas tridimensionais, calendários em grupo, sites de conversa em vários idiomas com recursos de tradução embutidos e fóruns de discussão fazem da APAN um vibrante conector de compartilhamento de informações que ultrapassa organizações e fronteiras geográficas. A APAN é particularmente útil para se compartilhar conhecimento e contatos para conferências, eventos, treinamento e exercícios, além de assistência humanitária e operações de ajuda para desastres.

Como um membro da família APAN, o Comando Sul está expandindo as funções da APAN para prover mais suporte técnico e treinamento para usuários. O objetivo é aumentar o compartilhamento de informações entre os participantes que estejam interessados em trabalhar junto com o Comando.

O Comando Sul utiliza a APAN particularmente para operações de assistência humanitária e destacamentos, segurança ambiental, conscientização do domínio marítimo, treinamento e exercícios.

“À medida que o Comando Sul prosseguia para dar apoio aos esforços de ajuda para desastres no Haiti, descobrimos que a APAN havia se tornado uma ferramenta de valor inestimável para coordenar com muitos dos nossos parceiros interagenciais e de organizações não governamentais”, disse o Gen. Fraser.

Atualmente, o site hospeda mais de 300 comunidades de todo o mundo, mas o número de membros está se expandindo rapidamente graças ao acesso fácil, seguro, confiável e gratuito a informações e à socialização que a APAN oferece. A APAN é um site centralizado para as conexões inovadoras de socialização do futuro, que estão sempre se expandindo.

Compartilhar:
Comente:
Gosta dessa história? Sim 53
Carregando conversa