Força Aérea do Uruguai realiza reuniões bilaterais com suas similares da América do Sul

Uruguayan Air Force Holds Bilateral Meetings with Counterparts in South America

Por Carlos Maggi/Diálogo
outubro 11, 2017

No âmbito dos acordos vigentes, desenvolve-se a reunião bilateral dos estados-maiores da Força Aérea do Uruguai (FAU) e suas similares da Argentina e do Chile. Na ocasião, são analisados diferentes temas de interesse comum onde se pretende reforçar os laços de amizade que, historicamente, têm caracterizado essas nações sul-americanas. O Uruguai mantém acordos bilaterais com vários países da região, onde se somam aos citados o Brasil, a Colômbia e o Paraguai. As forças aéreas da região têm o desafio de adquirir novas tecnologias para resguardar e cumprir com as tarefas que a constituição e o poder executivo de cada país lhes delegar. Em ordem cronológica, a primeira reunião ocorreu entre os estados-maiores do Uruguai e da Argentina e, posteriormente, os de Uruguai e Chile. Essas reuniões acontecem segundo uma agenda pré-estabelecida e são abordados temas como o intercâmbio de experiências entre ambas as nações e o apoio para diversas atividades, entre outros. “Uma delas é a ajuda na luta contra incêndios florestais e também o planejamento de um futuro exercício que se denomina Cooperação, que trata de coordenar todos os meios para ajudar países com problemas como tsunami, terremotos e incêndios, entre outros”, disse à Diálogo o Brigadeiro Ismael Alonzo, chefe do Estado-Maior Geral da FAU. Os vínculos de amizade e cooperação entre Uruguai e Argentina, e especialmente entre Uruguai e Chile têm uma história centenária, já que os precursores da aviação militar uruguaia se formaram na escola de aviação chilena no ano de 1915. A oportunidade de intercambiar conceitos é de importância vital, uma vez que se adquire maior experiência. “Nessas reuniões, também são abordados temas relacionados ao conhecimento, a cursos de especialização para pilotos e técnicos aeronáuticos no Chile e Uruguai; com a Argentina, são analisados os mesmos temas e problemas, já que em ambas as forças aéreas temos o desafio de apostar em novas tecnologias para resguardar e cumprir com as tarefas que a constituição e o poder executivo nos delegar”, acrescentou o Brig Alonzo. As reuniões bilaterais se realizam a cada dois anos, alternando as sedes, e permitem facilitar a reciprocidade, fortalecer os laços de fraternidade e acrescentar o acervo profissional e a capacidade técnica de ambas as forças. No dia 30 de agosto, foi realizada em Montevidéu a reunião entre as forças aéreas do Uruguai e do Paraguai; entre 12 e 16 de setembro, aconteceu um encontro semelhante entre a Força Aérea da Colômbia e sua homóloga do Uruguai, na cidade de Bogotá; com relação ao Brasil, foi renovado o documento de acordo de cooperação que havia sido assinado anteriormente. Um exemplo dos acordos referendados nas reuniões inclui os exercícios combinados, como o denominado “Cooperación V”, cuja realização estava prevista para o dia 25 de setembro nas cidades de Santiago do Chile, Puerto Montt e Ilha Grande de Chiloé. Este foi suspenso para responder às emergências ocorridas no Caribe e no México, devido aos recentes desastres naturais. Durante o exercício, seria simulada a ocorrência de um terremoto, seguido de tsunami e erupção vulcânica, perante o que os 20 países da região que compõem o Sistema de Cooperação entre as Forças Aéreas Americanas participariam com pessoal e aeronaves, com o propósito de prestar ajuda na área afetada, por meio de operações aéreas de apoio humanitário, busca e resgate. Os 1.200 efetivos que deveriam executar as operações com o apoio de cerca de 30 aeronaves de transporte pesado, leve e helicópteros, para estabelecer uma ponte aérea, foram mobilizados para os esforços de resposta frente a desastres e ajuda humanitária no Caribe, depois da passagem dos furacões José, Irma e María. Outro exemplo é o exercício que ocorrerá no mês de novembro entre as forças aéreas da Argentina e do Uruguai, denominado Tanque, no qual aeronaves de combate do Uruguai com tripulações mistas serão abastecidas de combustível em voo por um C-130 Hércules. Acordo bilateral também fora da região O Uruguai mantém em vigor diferentes acordos com outros governos em questões de cooperação no âmbito da defesa; prova disso foi a chegada de três aviões caça bombardeiros A-37B doados pelo Equador, que já haviam sido retirados de operação e que chegaram à base aérea de Durazno, no Uruguai, em 2014. “Os acordos são sempre uma oportunidade. Quando chegamos ao Ministério de Defesa, existiam acordos que eram praticamente unidirecionais”, disse o ministro da Defesa Nacional do Uruguai Jorge Menéndez. “Hoje, ampliamos esse leque de possibilidades aos países da América do Sul e também da Europa; nesse sentido, temos acordos com França, Espanha, Portugal e, agora, firmamos com a Itália. Temos algumas linhas de negociação que não são espontâneas, que geram trabalho, que têm a ver com a aquisição e o intercâmbio de materiais, também de formação recíproca que é muito importante para o nosso país”, ressaltou Menéndez, que acrescentou que há otimismo quanto ao surgimento de novidades a médio prazo sobre as possibilidades que existem nesse tipo de acordos para a aquisição de material que se destine às forças armadas.
Share