UNITAS: máxima economia de combustível

UNITAS: In the PEAK of Fuel Economy

Por Dialogo
janeiro 09, 2013


Militares dos Estados Unidos e da América Latina participantes da UNITAS-Parceria das Américas assistiram a uma prévia da iteração 2012 deste exercício do Comando Sul dos EUA: a apresentação de equipamentos e tecnologias eficientes de energia adaptados para operações táticas.

Durante o evento, realizado em Camp Blanding, na Flórida, entre os dias 2 e 16 de setembro de 2012, mais de 1.500 participantes norte-americanos e das 10 Nações Parceiras do Comando Sul das Américas Sul e Central tiveram a oportunidade de participar de demonstrações do Kit de Assistência Expedicionária Pré-Posicionado (PEAK), das Redes Expedicionárias de Energia Terrestre Renovável (GREEN) e do Sistema Solar Portátil Alternativo de Energia de Comunicações (SPACES).

O PEAK, em particular, foi propositalmente desenvolvido por uma equipe de engenheiros sob a coordenação da Divisão Experimental de Ciência e Tecnologia do SOUTHCOM para fornecer sistemas portáteis de purificação de água, geração de energia renovável e capacitação para prontidão em comunicações e avaliação de casos, essenciais tanto para as operações de assistência humanitária e em desastres em áreas remotas, quanto para as operações militares da vida real. O sistema foi testado pela primeira vez no final de 2011 por uma equipe de militares hondurenhos e norte-americanos da Força-Tarefa Conjunta Bravo (JTF-B), em Honduras, um país frequentemente atingido por impiedosos deslizamentos de terra, enchentes e outros desastres climáticos.

Desta vez, na Flórida, Fuzileiros Navais dos EUA e do Paraguai, bem como soldados do Exército norte-americano, passaram por um treinamento de quatro dias aprendendo a usar as diversas competências trazidas pelo PEAK, como a transformação em água potável de qualquer fonte de água, incluindo água salgada, energia solar renovável e redes de comunicações que podem salvar o dia quando as fontes de água estão contaminadas, bem como quando o fornecimento de energia, linhas telefônicas e torres entram em pane. Este sistema expedicionário também fornece ferramentas de internet tais como o mapeamento geográfico de imagens e mensagens para determinar os recursos necessários para enfrentar um determinado problema, e decidir para onde devem ser enviados os recursos. O treinamento foi seguido por uma demonstração desse potencial para representantes das altas lideranças do Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai.

As duas outras tecnologias apresentadas na UNITAS-Parceria das Américas eram relativas ao fornecimento de energia para a Estação de Assistência do Batalhão avançado e para as tendas do Gabinete de Expedição de Veículos Motorizados que dão apoio ao exercício. Os dois sistemas portáteis, o SPACES e o GREEN, operam transformando energia solar em energia elétrica. Segundo o Capitão Mark Minella, do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA – Sul (MARFORSOUTH), as duas tecnologias já foram utilizadas pelas unidades de Fuzileiros Navais no Afeganistão para reduzir o consumo de combustíveis nas bases operacionais avançadas.

O SPACES, especialmente, é um sistema leve composto de painéis solares dobráveis e baterias capazes de fornecer energia para iluminação, laptops e rádios táticos das tendas, além de outros equipamentos. O fato de ser portátil permite a recarga em movimento e reduz a necessidade de se transportar baterias extras para os rádios em campo. O GREEN, por sua vez, é um sistema com baterias fotovoltaicas e de 300 watts, perfeito para uma significativa economia de combustíveis em ambientes maiores.

Tanto a demonstração de tecnologia quanto os treinamentos na UNITAS-Parceria das Américas 2012 foram organizados pela Divisão de Logística do MARFORSOUTH, em coordenação com o Gabinete Expedicionário de Energia do Quartel de Fuzileiros Navais, com o Comando de Sistemas do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e com a Divisão de Ciência, Tecnologia e Experiências do USSOUTHCOM, todos empenhados em buscar meios para reduzir os rastros dos militares em campo. “Nosso objetivo com os sistemas PEAK e similares é o de aperfeiçoar a capacidade expedicionária. Isto inclui a capacidade de envio de equipes em contingências, deixando um rastro menor e reduzindo o custo da infraestrutura. Nossos esforços nesta área, patrocinados pela pasta de Ciência e Tecnologia do Departamento, voltam-se para o futuro e para trazer conceitos novos e inovadores que melhorem a manutenção das forças operacionais e, ao mesmo tempo, minimizem a necessidade de uso de combustíveis fósseis e o impacto no meio ambiente”, concluiu Juan Hurtado, diretor do Departamento de Ciência, Tecnologia e Experiências do SOUTHCOM e consultor para ciências do comando.



Share