Estados Unidos capacitam guarda costeira da Costa Rica

U.S. Trains Members of Costa Rican Coast Guard

Por Roberto López Dubois/Diálogo
março 30, 2018

Oficiais do Serviço Nacional de Guarda Costeira da Costa Rica encontram-se nos EUA para receber uma capacitação de 10 semanas. A formação lhes permitirá comandar, navegar e dar manutenção aos dois navios de patrulha que os EUA doaram à Costa Rica em outubro de 2017.

No total, 47 membros da Guarda Costeira costarriquenha participam da capacitação no Estaleiro da Guarda Costeira dos EUA em Baltimore, Estado de Maryland. O pessoal chegou no dia 15 de janeiro e partirá a bordo dos navios de patrulha no dia 3 de abril para a Costa Rica. O adestramento, sob o marco do programa de Artigos Excedentes de Defesa (EDA, em inglês) do Escritório de Aquisições Internacionais dos EUA consiste em cursos teórico-práticos com ensinamentos básicos para operar as embarcações. A transferência dos navios de patrulha também foi feita sob o marco do programa EDA.

“A parte teórica durou oito semanas e se concentrou nos sistemas e controle de danos dos [navios de patrulha de] 110 pés, disse à Diálogo Aleshia Harding, administradora do programa de Vendas Militares Estrangeiras da Guarda Costeira dos EUA e encarregada da transferência EDA para a Costa Rica. “Cada membro das tripulações dos [navios de] 110 pés participa de uma semana de treinamento para estar totalmente pronto para operar os navios durante a viagem até o porto-base.”

Segundo Harding, membros da Guarda Costeira dos EUA com amplo conhecimento dos navios de patrulha de 110 pés estão encarregados da capacitação. O evento de formação é o primeiro a combinar unidades de guarda costeira costarriquenhas e americanas nessa classe de navios.

Competência e capacidades

“A capacitação busca garantir o bom uso e a operação e manutenção adequadas dos navios de patrulha”, disse à Diálogo o Comissário Martín Arias Araya, diretor do Serviço Nacional de Guarda Costeira da Costa Rica. “Isso permitirá [que as tripulações] sejam eficazes e eficientes.”

O grupo de guarda costeira costarriquenho designado conta com pessoal especializado em diferentes áreas, como capitães, primeiros-oficiais, mecânicos, especialistas em eletrônica, comunicações e navegação, entre outros. Cada oficial, destacou o Comissário Arias, possui vários anos de serviço.

“Eles foram selecionados entre o pessoal que está no Serviço Nacional de Guarda Costeira desde os anos de 2000 e 2001”, explicou o Comissário Arias. “Todos possuem experiência de navegação e operação, com altos padrões de treinamento.”

No dia 3 de abril, ambos os navios de patrulha sairão do Estaleiro de Baltimore para seu novo porto-base em Caldera, Costa Rica. Quatro membros da Guarda Costeira dos EUA acompanharão as tripulações costarriquenhas na travessia.

“As tripulações farão duas escalas em estações da Guarda Costeira dos EUA para reabastecer de combustível e mantimentos antes de chegar a Limón, Costa Rica”, explicou Harding. “Depois de navegar pelo Canal do Panamá, chegarão a seu novo porto-base em Caldera, Costa Rica. Uma cerimônia de honra será realizada na chegada dos navios no dia 26 de abril.”

Volta ao serviço

Embora a doação dos navios de patrulha tenha sido feita em 13 de outubro de 2017 com uma cerimônia de transferência na Costa Rica, a bandeira costarriquenha não foi içada de imediato nos navios. No dia 13 de fevereiro, uma delegação de oficiais costarriquenhos e da Embaixada dos EUA na Costa Rica visitaram o Estaleiro da Guarda Costeira em Baltimore para receber oficialmente os navios.

Os navios de patrulha, também conhecidos como “cavalos de batalha da Guarda Costeira”, passaram da classe Island para a classe Libertador, na Costa Rica. Sob seu novo comissionamento de serviço, foram batizados como Juan Rafael Mora Porras e General José María Cañas Escamilla.

“Plenamente treinados e cheios de convicção, os membros da Guarda Costeira da Costa Rica regressarão a seu país preparados e prontos para desempenhar um papel de transformação para proteger suas águas e salvaguardar o território da Costa Rica contra os flagelos do narcotráfico, do tráfico de pessoas, da pesca ilegal e de outras atividades ilícitas”, disse Sharon Day, embaixadora dos EUA na Costa Rica. A doação, acrescentou a embaixadora, foi “o resultado de longas horas de trabalho e dedicação constante”.

Construídas na década de 1980, as embarcações operavam no Alasca antes de serem desativadas em 2015. Enquanto as tripulações costarriquenhas recebiam sua capacitação, os navios foram modernizados com novos radares, equipamentos de comunicação e pintura.

“A equipe da Guarda Costeira dos EUA trabalhou estreitamente com as tripulações [costarriquenhas] durante o processo de planejamento, reativação dos navios e treinamento, enquanto eles se preparam para viajar para a Costa Rica”, concluiu Harding. “Ficamos impressionados com a dedicação e a atitude positiva das unidades e estamos ansiosos para ver os patrulheiros em ação novamente.”
Share