Comandante do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA visita Marinha do Brasil

U.S. Marine Corps Commander Visits Brazilian Navy

Por Andréa Barretto/Diálogo
outubro 22, 2018

Motivado por um convite do Comando do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) da Marinha do Brasil (MB), o Almirante-de-Esquadra Robert Blake Neller, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, esteve no Brasil dos dias 22 a 24 de agosto de 2018. O oficial veio com uma comitiva de sete fuzileiros navais e efetuou visitas a centros de instrução, participou de palestras e de uma reunião de trabalho e recebeu uma condecoração com a Ordem do Mérito Naval no grau de grande-oficial. O diploma, que foi entregue pelo Almirante-de-Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, comandante da MB, é concedido exclusivamente a personalidades nacionais e estrangeiras, ministros de Estado, chefes de forças navais e algumas outras autoridades militares.

“O Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil e o dos Estados Unidos veem o mundo de maneira semelhante, enfrentam os mesmos desafios e necessitam dessa cooperação mútua para a construção de um mundo melhor”, afirmou o Alte Esq Neller em sua chegada à sede do CFN, no Rio de Janeiro. No dia 23 de agosto, o oficial e a comitiva norte-americana participaram de uma palestra no Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo. Na oportunidade, o Almirante-de-Esquadra (FN) Alexandre José Barreto de Mattos, comandante-geral do CFN, e outros fuzileiros brasileiros apresentaram a história do CFN e sua atual estrutura organizacional.

Falou-se ainda da doutrina do CFN, de seu planejamento para o futuro e das principais tarefas, operações e exercícios executados ao longo do ano pelos fuzileiros navais brasileiros. “Também reforçamos a importância da parceria duradoura com os Estados Unidos e os laços fortes que unem ambos os corpos”, destacou o Capitão-de-Mar-e-Guerra (FN) Luiz Guilherme Dias Guadagnino, chefe de gabinete do comandante-geral do CFN.

Nessa mesma ocasião, o Alte Esq Neller também proferiu uma palestra. Em seu discurso, o oficial ressaltou os desafios da atualidade no campo militar, enfatizando o fato de que nenhum país possui, isoladamente, todas as capacidades necessárias para enfrentar a diversidade de ameaças do presente. “Dessa forma, ressaltou a importância de estabelecermos alianças e parcerias e convocou todos os presentes a se mobilizarem para trabalhar em conjunto”, contou o CMG Guadagnino.

Aproveitando que estava em um centro de instrução, o Alte Esq Neller voltou seu discurso para os fuzileiros navais presentes, reforçando a necessidade do preparo físico e mental para superar as adversidades. Focou também na importância de os fuzileiros terem flexibilidade para lutar em condições diferentes daquelas nas quais são treinados. Aos oficiais que exercem função de liderança, o comandante do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA disse que devem se manter preparados para tomar decisões, mesmo quando não reunirem todas as informações necessárias.

Velhas e novas parcerias

No dia 24 de agosto, o Alte Esq Neller e sua equipe conheceram o Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, localizado também no Rio de Janeiro. Ali, os fuzileiros brasileiros e norte-americanos fizeram uma reunião de trabalho sobre interoperabilidade.

“Ambas as delegações demonstraram interesse em melhorar a interoperabilidade, por meio de um processo de planejamento comum, de acordos de troca de conhecimentos e de uma maior capacidade de comunicações”, disse o CMG Guadagnino. Com isso, ficou acordado que as duas instituições – o CFN e o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA – vão se esforçar no sentido de incrementar os intercâmbios profissionales já existentes.

Todos os anos, o CFN brasileiro envia fuzileiros navais aos Estados Unidos para intercâmbios de curta duração e exercícios operativos do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, a exemplo do Steel Knight – Cavaleiros de Aço. Esse treinamento, liderado pela 1ª Divisão Marinha, acontece anualmente e tem o objetivo de testar os militares em diferentes ambientes, a fim de desenvolver ao máximo as habilidades de combate.

Com a mesma frequência, o CFN recebe fuzileiros norte-americanos para exercícios ou para atividades como intercâmbios entre especialistas. Essas atividades, como o nome sugere, promovem encontros entre autoridades especializadas em determinados temas, para que possam trocar conhecimentos do mais alto nível.

Um dos treinamentos brasileiros que contou com fuzileiros dos EUA em 2018 foi a Operação Formosa, que foi realizada de 21 de setembro a 3 de outubro. O CFN também trabalha junto com as Forças do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Sul na organização da Operação UNITAS Amphibious, evento multinacional programado para acontecer no Brasil em agosto de 2019.

“Todos os exercícios e intercâmbios são previamente acordados numa conferência bilateral, a do Operational Naval Infantry Committee [Comitê Operacional de Infantaria Naval – ONIC, em inglês], que ocorre uma vez por ano”, explicou o CMG Guadagnino. Em 2018, a conferência do ONIC – que vem sendo realizada desde 2015 – aconteceu no Brasil, de 26 de fevereiro a 1º de março. O oficial lembrou ainda que os dois países mantêm oficiais designados nas organizações militares de cada país, tanto em funções relacionadas ao aprimoramento e desenvolvimento de doutrinas quanto em funções operativas.
Share