EUA ajudam militares peruanos na luta contra o narcotráfico

Por Dialogo
dezembro 15, 2014



O Peru recebeu recentemente um pequeno grupo de de cooperação em segurança dos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, que realizou exercícios conjuntos de treinamento com 150 fuzileiros navais e 50 comandos peruanos.

Os exercícios se concentraram nas melhores maneiras de combater narcotraficantes e grupos do crime organizado – por exemplo, sobre como detectar e desmontar artefatos explosivos improvisados (IEDs), que traficantes costumam usar para atingir as forças de segurança. Eles treinaram na região montanhosa de Oxapampa, que é coberta por florestas semelhantes às existentes no Vale dos Rios Apurímac, Ene e Mantaro (VRAEM). Nessa região, agricultores que trabalham para narcotraficantes produzem cerca de 200 toneladas de cocaína por ano, tornando-se a maior região produtora de cocaína do mundo. É para essa região que serão enviados os fuzileiros navais e comandos peruanos participantes dos treinamentos.

Terroristas do Sendero Luminoso também atuam no VRAEM, pagando e forçando agricultores para plantarem coca ilegal. Eles usam o dinheiro do tráfico de cocaína para financiar suas atividades ilegais, às vezes, em alianças com grupos do crime organizado.

Cerca de 600 fuzileiros navais peruanos serão mobilizados no VRAEM. O Almirante Luis De La Flor Rivero, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais do Peru, afirmou que quer aumentar o número de fuzileiros navais peruanos de 3.500 para 6.000.

“Que melhor maneira de fazer isso do que juntar a experiência de nossos fuzileiros navais no VRAEM com a experiência dos fuzileiros navais [dos Estados Unidos] em seus conflitos”, disse o almirante ao Marine Corps Times.


Os fuzileiros navais norte-americanos treinaram seus colegas peruanos sobre como identificar e destruir IEDs e armadilhas do tipo booby traps que eles provavelmente vão encontrar durante os deslocamentos. Os traficantes de drogas muitas vezes colocam IEDs em rotas habituais usadas pelos fuzileiros navais peruanos para chegar ao VRAEM, forçando-os a criar novas rotas utilizando facões para cortar a selva densa.

Em setembro, o general John Kelly, comandante do Comando Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM), visitou o VRAEM para discutir iniciativas de cooperação com os líderes militares peruanos. No mesmo mês, fuzileiros navais norte-americanos da Força-Tarefa Aeroterrestre Sul treinaram fuzileiros navais peruanos em técnicas de salvamento para ajudar feridos por IEDs.

“Com a experiência de combate que nós adquirimos, nós lhes ensinamos como controlar uma hemorragia – coisas que vão salvar vidas”, afirmou o enfermeiro de 1ª classe Clarence Perry ao Marine Corps Times
. “Eles lidam com infecções por causa do ambiente de selva, por isso queriam saber como podem usar as plantas que estão ao seu redor.”

Os peruanos queriam aprender como utilizar seu equipamento-padrão para salvar os feridos.

“Eles nem sempre têm macas para transportar os pacientes, assim eles nos ensinaram como improvisar utilizando uniformes para transportar seus colegas de volta para a zona de segurança”, disse Perry.

O terceiro-sargento norte-americano Edgar Alvarado, um dos instrutores de treinamento que acabaram de retornar de Villa Rica, elogiou os fuzileiros navais por sua inovação.

ONU elogia Peru pelos avanços no combate ao narcotráfico


O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki
- moon, recentemente elogiou o presidente peruano Ollanta Humala pelos avanços obtidos por seu governo na luta contra o narcotráfico.


O Peru anunciou recentemente que, desde o final de novembro, obteve um recorde nacional ao destruir 30.349 hectares de cultivo de coca – o principal ingrediente usado para fazer cocaína. O Peru já ultrapassou a meta do governo federal de erradicar 30.000 hectares em 2014, disse o ministro do Interior, Daniel Urresti, ao jornal peruano La República
. Essa conquista impediu que 233.000 kg de cocaína chegassem às ruas.

“Eu incentivo o Peru a sustentar esse esforço para reduzir a coca e manter a assistência social nas áreas onde ela é cultivada”, disse o líder da ONU, após uma reunião com autoridades peruanos no palácio do governo em Lima.

Em 2013, autoridades e forças de segurança peruanas erradicaram 24.000 hectares de coca, um recorde na época, após a destruição de 14.234 hectares em 2012.


O Peru recebeu recentemente um pequeno grupo de de cooperação em segurança dos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, que realizou exercícios conjuntos de treinamento com 150 fuzileiros navais e 50 comandos peruanos.

Os exercícios se concentraram nas melhores maneiras de combater narcotraficantes e grupos do crime organizado – por exemplo, sobre como detectar e desmontar artefatos explosivos improvisados (IEDs), que traficantes costumam usar para atingir as forças de segurança. Eles treinaram na região montanhosa de Oxapampa, que é coberta por florestas semelhantes às existentes no Vale dos Rios Apurímac, Ene e Mantaro (VRAEM). Nessa região, agricultores que trabalham para narcotraficantes produzem cerca de 200 toneladas de cocaína por ano, tornando-se a maior região produtora de cocaína do mundo. É para essa região que serão enviados os fuzileiros navais e comandos peruanos participantes dos treinamentos.

Terroristas do Sendero Luminoso também atuam no VRAEM, pagando e forçando agricultores para plantarem coca ilegal. Eles usam o dinheiro do tráfico de cocaína para financiar suas atividades ilegais, às vezes, em alianças com grupos do crime organizado.

Cerca de 600 fuzileiros navais peruanos serão mobilizados no VRAEM. O Almirante Luis De La Flor Rivero, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais do Peru, afirmou que quer aumentar o número de fuzileiros navais peruanos de 3.500 para 6.000.

“Que melhor maneira de fazer isso do que juntar a experiência de nossos fuzileiros navais no VRAEM com a experiência dos fuzileiros navais [dos Estados Unidos] em seus conflitos”, disse o almirante ao Marine Corps Times.


Os fuzileiros navais norte-americanos treinaram seus colegas peruanos sobre como identificar e destruir IEDs e armadilhas do tipo booby traps que eles provavelmente vão encontrar durante os deslocamentos. Os traficantes de drogas muitas vezes colocam IEDs em rotas habituais usadas pelos fuzileiros navais peruanos para chegar ao VRAEM, forçando-os a criar novas rotas utilizando facões para cortar a selva densa.

Em setembro, o general John Kelly, comandante do Comando Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM), visitou o VRAEM para discutir iniciativas de cooperação com os líderes militares peruanos. No mesmo mês, fuzileiros navais norte-americanos da Força-Tarefa Aeroterrestre Sul treinaram fuzileiros navais peruanos em técnicas de salvamento para ajudar feridos por IEDs.

“Com a experiência de combate que nós adquirimos, nós lhes ensinamos como controlar uma hemorragia – coisas que vão salvar vidas”, afirmou o enfermeiro de 1ª classe Clarence Perry ao Marine Corps Times
. “Eles lidam com infecções por causa do ambiente de selva, por isso queriam saber como podem usar as plantas que estão ao seu redor.”

Os peruanos queriam aprender como utilizar seu equipamento-padrão para salvar os feridos.

“Eles nem sempre têm macas para transportar os pacientes, assim eles nos ensinaram como improvisar utilizando uniformes para transportar seus colegas de volta para a zona de segurança”, disse Perry.

O terceiro-sargento norte-americano Edgar Alvarado, um dos instrutores de treinamento que acabaram de retornar de Villa Rica, elogiou os fuzileiros navais por sua inovação.

ONU elogia Peru pelos avanços no combate ao narcotráfico


O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki
- moon, recentemente elogiou o presidente peruano Ollanta Humala pelos avanços obtidos por seu governo na luta contra o narcotráfico.


O Peru anunciou recentemente que, desde o final de novembro, obteve um recorde nacional ao destruir 30.349 hectares de cultivo de coca – o principal ingrediente usado para fazer cocaína. O Peru já ultrapassou a meta do governo federal de erradicar 30.000 hectares em 2014, disse o ministro do Interior, Daniel Urresti, ao jornal peruano La República
. Essa conquista impediu que 233.000 kg de cocaína chegassem às ruas.

“Eu incentivo o Peru a sustentar esse esforço para reduzir a coca e manter a assistência social nas áreas onde ela é cultivada”, disse o líder da ONU, após uma reunião com autoridades peruanos no palácio do governo em Lima.

Em 2013, autoridades e forças de segurança peruanas erradicaram 24.000 hectares de coca, um recorde na época, após a destruição de 14.234 hectares em 2012.
Share