Capacitados e unidos para desafios futuros

Trained and United for Future Challenges

Por Myriam Ortega/Diálogo
março 30, 2017

Atender prioridades de treinamento para as Forças Armadas da Colômbia, aperfeiçoar habilidades em diferentes operações, socializar experiências e compartilhar práticas com militares altamente qualificados dos Estados Unidos foram algumas das conquistas de um curso de capacitação realizado entre 3 e 24 de fevereiro na Colômbia, graças à cooperação com o Comando do Sul dos EUA (SOUTHCOM, por sua sigla em inglês). Algumas das disciplinas foram desenvolvidas na base aérea do Comando Aéreo de Transporte Militar (CATAM, por sua sigla em espanhol) e outras no Forte Militar Tolemaida, onde foram realizados os exercícios com paraquedas, lançamento de cargas e treinamento médico. A equipe de trabalho, formada por 24 pessoas entre técnicos e apoio logístico, chegou em um avião Hércules C-130 do Exército norte-americano. O grupo foi coordenado pelo Esquadrão de Assessoramento e Apoio à Mobilidade Aérea (MSAS, por sua sigla em inglês). Eles criaram o programa e organizaram o grupo, formado por instrutores próprios e seis esquadrões de cinco bases dos EUA. “O MSAS é um esquadrão que treina países da América Central e da América do Sul. Mantemos uma relação no apoio dos requisitos do SOUTHCOM e da Embaixada norte-americana”, disse à Diálogo o Tenente-Coronel Ángel “Mango” Santiago, comandante da missão MSAS na Colômbia. “Normalmente, as forças aéreas solicitam à embaixada o tipo de apoio que precisam em cada curso e a embaixada verifica quais equipes dos EUA podem cumprir essa missão.” Foi assim que, a partir das necessidades da Colômbia, criaram um programa de treinamento composto por cinco cursos: Pessoal C-130 e equipe de lançamento de carga, Operações de evacuação aeromédica C-130, Inteligência médica, Manutenção C-130: Balanceamento de hélices e Preparação de carga: RAMZ (botes infláveis). Um total de 92 estudantes, pertencentes à Força Aérea Colombiana (FAC) e ao Exército da Colômbia, participaram em pequenos grupos para cada tema. No programa de treinamento, utilizaram o avião C-130, que tem capacidade para aterrissar e decolar em terrenos difíceis e um compartimento de carga pressurizado que pode adaptar-se rapidamente para passageiros, macas ou transporte de tropas. “O objetivo principal é melhorar a capacidade da FAC em suas plataformas de mobilidade tática, especialmente [o] C-130 e sua capacidade de lançamento de pessoas e de carga”, disse à Diálogo o Major Marcus J. Rodríguez, diretor de operações do Esquadrão N.º 571 do MSAS. É na experiência de compartilhar conhecimentos e exercícios que se pode melhorar a capacidade técnica. “Nós também temos essa aeronave e 69 países no mundo a têm. Portanto, trata-se de uma plataforma internacional”, afirmou o Ten Cel Santiago, que também é piloto desse tipo de avião. Assim vivenciaram os estudantes Essas capacitações são realizadas desde 2012, a cada seis meses aproximadamente; algumas na Colômbia e outras nos EUA. Esta continuidade aprofunda os vínculos de cooperação binacional entre nações parceiras. Os participantes tiveram a oportunidade de vivenciar sua formação de diferentes maneiras, de acordo com a metodologia e os assuntos tratados. O curso de transporte coletivo lhes deu a oportunidade de treinar uma simulação de transporte de feridos na base aérea de Tolemaida. “Fez-se a simulação com um helicóptero fornecido pelo Exército da Colômbia, com o qual foram retirados quatro feridos (...) e foram transportados, como se faz a operação, com as aeronaves ligadas, do helicóptero até o C-130 da Força Aérea dos EUA”, descreveu à Diálogo o participante Boris Polanco, técnico principal da FAC para a área de Engenharia Hospitalar da Direção de Saúde. “Foi um momento que levou a adrenalina às alturas.” A Técnica de Serviço Leady Karolina Castro, operária da oficina de motores do CATAM, também participou do curso. “É a primeira vez que faço um curso de hélices. Aqui, o forte são os Hércules, e as hélices do curso que acabaram de dar é para todos os dias, é praticamente o pão diário desta base”, assinalou. Os participantes mostraram interesse, inclusive nas sessões teóricas, pois o conteúdo e a metodologia atendiam às necessidades de cada grupo. “Com esse curso, [com] a explicação que nos deram e a prática dos elementos, nossa experiência no trabalho e na oficina foi reforçada”, acrescentou o Pastor Ramos Dumar, técnico operário da oficina de motores do CATAM, que também participou da capacitação. Estes cursos ajudarão a responder oportunamente a um amplo espectro de operações que incluem o atendimento em casos de desastre natural, ajuda humanitária e operações militares, tornando possível a interação dos membros das Forças Especiais, do Exército, da Força Aérea e da Marinha da Colômbia.
Share