Desarticulada na Colômbia a cúpula da quadrilha criminosa “Alta Guajira”

Top Leadership of “Alta Guajira” Criminal Gang Dismantled in Colombia

Por Dialogo
agosto 11, 2011


Em sua luta frontal contra as quadrilhas criminosas, a Direção de Investigações Criminais e INTERPOL da Colômbia desferiu o golpe mais contundente contra a quadrilha criminosa “Alta Guajira” ao capturar Johan Alberto Caldera, vulgo “Cobra”, o principal líder, e Luis Ignacio Suárez Rosario, vulgo “Pantera”, segundo o comando da organização.

De acordo com as investigações, Caldera herdou a estrutura criminosa de Arnulfo Sánchez González, vulgo “Pablo”, o líder máximo da “Alta Guajira”, capturado pela Polícia Nacional da Colômbia em Bogotá, em novembro de 2010.

“Cobra” assumiu o controle da custódia, armazenagem, transporte e embarque das substâncias entorpecentes enviadas pelos cartéis de drogas para os Estados Unidos, costas da República Dominicana e Costa Rica.

Ele era auxiliado pelo indivíduo vulgo “Pantera”, encarregado das caletas de drogas e de ocultá-las até o momento do embarque para seu destino final. “Pantera” também era o responsável por administrar todo o material de guerra da organização criminosa. Ao mesmo tempo, ele praticava extorsão contra os comerciantes e ameaçava a população indígena para que não os delatasse às autoridades. A organização criminosa “Alta Guajira” pratica delitos no município de Uribia e arredores.

Durante a operação os investigadores apreenderam oito fuzis, 12 granadas de fragmentação, 22 granadas de 40 milímetros, sete morteiros de 60 milímetros, 4.807 cartuchos, 162 carregadores para fuzil e 3.200 quilos de maconha.

“Cobra” foi recrutado aos 14 anos pelas milícias das então Autodefesas Unidas da Colômbia. Ali começou como simples auxiliar e conseguiu escalar posições até se tornar o homem de confiança de Rodrigo Tovar Pupo, vulgo “Jorge 40”.

Johan Alberto Caldera surgiu como líder máximo da quadrilha criminosa “Alta Guajira” depois da prisão de seu chefe Arnulfo Sánchez González, vulgo “Pablo”, no final do 2010 em Bogotá.





Share