O Mundo do contrabando humano

Por Dialogo
julho 01, 2011



Em todo o mundo, homens e mulheres em busca de melhores condições de vida ou
de asilo contra perseguições religiosas ou políticas, recorrem a quadrilhas de
contrabando de migrantes para tentar entrar ilegalmente em outros países. na América
latina e no caribe, aumenta o número de imigrantes africanos e asiáticos que entram
clandestinamente via colômbia e Panamá. Só em 2009, as autoridades colombianas
capturaram mais de 480 imigrantes ilegais provenientes da china, Somália, Bangladesh
e de outros países asiáticos e africanos.
Os caminhos entre o contrabando e o tráfico de pessoas normalmente se cruzam,
visto que é cada vez mais frequente que indivíduos sem documentos acabem na
escravidão ou prostituição, vendidos por contrabandistas para recuperar despesas.
Vulneráveis a situações de riscos de vida e exploração imigrantes clandestinos
também podem morrer em trânsito. Milhares de pessoas falecem sufocadas em
contêineres, padecem em desertos ou desidratam-se no mar, perdendo suas vidas em
virtude da indiferença ou mesmo de ações deliberadas de contrabandistas de
migrantes. o massacre de 72 indivíduos em agosto de 2010 em tamaulipas, no México,
ilustra bem o perigo enfrentado. De acordo com o depoimento do único sobrevivente,
as vítimas haviam se recusado a pagar extorsão e por isso foram
executadas.
Dentro da região, as vítimas são, predominantemente, de procedência
latino-americana e caribenha, de acordo com o site infoSurhoy.com. no entanto,
cidadãos asiáticos e africanos entram para as estatísticas do contrabando de
migrantes nas Américas. “nos primeiros sete meses de 2008, após o Equador abolir a
exigência de vistos de entrada para cidadãos chineses, cerca de 4.300 pessoas
entraram legalmente no país, mas apenas 900 retornaram”, observou robert Ellis, um
profesor e especialista em assuntos relacionados ao crescimento do relacionamento da
América latina com a Ásia do centro de Estudos hemisféricos de Defesa, em
Washington, D.c. Ele explicou, ainda, que estes números mostram que muitos cidadãos
chineses usavam o Equador como ponto de partida para uma viagem que acaba por
levá-los a outros países do continente, muitas vezes com a ajuda de redes de
contrabando de migrantes.
O fluxo ilícito de migrantes alimenta organizações criminosas. Detidos em
países de trânsito, imigrantes começam a se conglomerar em torno de cidades
fronteiriças, podendo provocar consequências indesejáveis, explicou Ellis. na
América central, tornou-se uma questão de facilitação da criminalidade local
inclusive com o aumento da violência, visto que gangues aliciam e abusam imigrantes.
“há uma força de trabalho excedente, que acaba envolvida em atividades de tráfico de
drogas, atuando como mulas ou em outras atividades do narcotráfico”,
acrescentou.
Métodos, custos e lucros do contrabando
O termo contrabandista abrange vários tipos e níveis de criminosos, como
explica a Agência de contra el crime organizado, a principal agência governamental
do reino Unido para assuntos de imigração, drogas, operações contra o terrorismo e
crime. cadeias de crime organizado, redes criminosas amadoras, além de grupos
menores e de pequena extensão, participam de esquemas de contrabando de
migrantes.
Nas Américas, as agências de contrabando de seres humanos, geralmente redes
criminosas sem afiliação, usam agentes facilitadores, como falsificadores de
documentos, quadrilhas de lavagem de dinheiro, ou ainda especialistas em transporte,
explicou Anthony Placido, ex-administrador adjunto e chefe de inteligência da
Agência Antidrogas dos Estados Unidos. Essas redes só são capazes de operar por meio
da manutenção de relacionamentos corruptos com funcionários públicos. “Existe um
esforço enorme para subornar, corromper, intimidar e, em casos extremos, matar
qualquer pessoa que atravesse o caminho delas”, disse Placido à Diálogo.
Dependendo das práticas dos contrabandistas, maiores são os riscos para os
migrantes. negociadores que usam a falsificação de documentos para favorecer a
entrada de imigrantes têm um custo mais elevado, ao passo que os métodos com custos
menores, como esconder migrantes ao atravessar fronteiras, apresentam riscos mais
altos. “o contrabando marítimo é a forma mais letal de imigração clandestina
internacional”, disse Benjamin Perrin, autor do livro Invisible Chains: Canada’s
Underground World of Human Trafficking (correntes invisíveis: o mundo subterrâneo do
tráfico de seres humanos no canadá), ao jornal The Gazette de Montreal. “Milhares de
pessoas morrem todos os anos a bordo de navios tentando cruzar fronteiras
internacionais ilegalmente”..”
Freddy rivera Vélez, coordenador de investigações da Faculdade
latino-Americana de ciências Sociais, no Equador, citou vários fatores que
influenciam os índices do tráfico de seres humanos. Dentre eles, estão o risco de
interdição da rota, a quantidade de dinheiro usada para subornar fiscais de
imigração e até mesmo a estação do ano, cujo clima, por sua vez, afeta as condições
de viagem.

Países em risco
À medida que essas organizações contrabandistas crescem em tamanho e
sofisticação, também aumentam seus lucros e capacidade de corromper o estado de
direito de países de passagem. A ameaça aos países assume várias dimensões
diferentes, como explica rivera Vélez. “o tópico migração converteu-se em um
problema de segurança”, disse rivera Vélez à Diálogo. “A rigor, é um tema de
segurança nacional contra o crime organizado e no âmbito dos direitos humanos”,
explicou. os lucros do contrabando podem financiar o crime organizado dentro das
fronteiras de um país, enquanto a economia ilícita aumenta as atividades de lavagem
de dinheiro e corrupção dos sistemas judiciário e policial.
A ameaça de desestabilização de regiões inteiras aumenta ao passo que os
lucros abrem caminhos para a corrupção de funcionários de fronteira a fronteira.
“Muitas vezes, esse tráfico ilícito dá lugar à falsificação de documentos,
passaportes e, algumas vezes, de vistos”, disse Jorge Peraza-Breedy, coordenador da
conferência regional sobre Migração (crM). também conhecida como Proceso de Puebla
(Processo de Puebla), trata-se de uma plataforma regional centrada nos direitos
humanos, políticas e desenvolvimento relacionados à migração.
Devido à natureza obscura desse crime, os desafios regionais para conter o
problema incluem a obtenção de dados precisos sobre as rotas e o contrabando de
migrantes, vagas suficientes em centros de detenção, despesas de repatriamento e
coordenação com os países de origem de migrantes, disse Peraza-Breedy à Diálogo. Ele
explicou, ainda, que especialistas da crM reforçam o intercâmbio de informação,
oferecem treinamento e workshops relacionados à migração, detecção de documentos
fraudulentos, segurança de fronteiras e desenvolvimento de políticas.
Apesar das dificuldades em coletar estatísticas exatas, a pesquisa sugere que
o contrabando humano é altamente rentável, difícil de ser detectado e reprimido, de
acordo com o site do Escritório das nações Unidas sobre Drogas e crime. como
resultado, a modalidade de crime está se tornando cada vez mais atraente para
criminosos, com contrabandistas cada vez mais organizados, criando redes
internacionais.
Dado o caráter transregional do contrabando de migrantes, o intercâmbio de
informações entre os países é um elemento fundamental para garantir a soberania das
nações.
Fontes: Interpol, the Associated Press, Relatório de Estratégia para Controle
Internacional de Narcóticos do Departamento de Estado dos EUA 2011, Escritório das
Nações Unidas sobre Drogas e Crime, www.insightcrime.org
Tráfico vs. Contrabando humano

O INFOGRÁFICO "TRÁFICO Versus CONTRABANDO HUMANO” foi projetado para
ilustrar as tendências gerais observadas nos casos de contrabando de migrantes
ou tráfico de seres humanos. ele não fornece uma distinção jurídica precisa das
diferenças entre as duas modalidades de crime.


TRÁFICO


Contém um elemento de uso da força, fraude ou coerção e pode ser real,
percebido ou implícito
Trabalho forçado e/ou exploração de pessoas traficadas
As pessoas traficadas são vítimas
As pessoas são escravizadas, sujeitas à limitação de movimentos, ao
isolamento ou à apreensão de documentos
Não é necessário cruzar uma fronteira internacional


Contrabando


A pessoa que sendo contrabandeada geralmente está cooperando
As pessoas contrabandeadas são cúmplices no crime. ou seja, elas não são
necessariamente vítimas do crime de contrabando, embora possam tornar-se
vítimas, dependendo das circunstâncias
A pessoa encontra-se ilegalmente ou tenta a entrada ilegal em um país
O contrabando facilita a entrada ilegal de pessoas de um país em outro
O contrabando sempre atravessa uma fronteira internacional


Fonte: Centro de contrabando de imigrantes e tráfico humano do Departamento
de estado dos estados Unidos

Share