Terroristas divulgaram esquema de ataques durante as Olimpíadas; lobos solitários são a maior preocupação

Terrorists Release Attack Techniques for the Olympics − Lone Wolves are Biggest Concern

Por Marcos Ommati/Diálogo
julho 22, 2016

Atentados a aeroportos e meios de transporte públicos, esfaqueamento, envenenamento, sequestros e veiculação de falsas ameaças. Estas são algumas das técnicas citadas que os 10 jihadistas presos pela Polícia Federal (PF) dia 21 para possíveis ataques durante as Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro. Eles também conclamaram os chamados "lobos solitários" (pessoas que atuam sozinhas em ataques) a se dirijam ao Brasil. As detenções fazem parte da operação Hashtag, que segue monitorando outras pessoas com possível ligação com grupos extremistas. Foram 17 técnicas publicadas por extremistas islâmicos nas redes sociais com recomendações a serem usadas em atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, que começam no dia 5 de agosto. Foi divulgado, inclusive, um cronograma de ações. As autoridades brasileiras monitoravam um grupo de cerca de 100 pessoas simpatizantes de atos terroristas. Os 10 presos na quinta-feira estavam entre eles. De acordo com o ministro da Justiça Alexandre de Moraes, que comanda a PF, o grupo se comunicava por WhatsApp e Telegram e passou a chamar a atenção dos agentes federais que investigam estes casos após fazer um "juramento ao Estado Islâmico" (Isis, também chamado de EI ou Daesh) pela internet. Eles criaram um canal no Telegram com o nome "Ansar al-Khilafah Brazil". Esta foi a primeira vez que alguém da América do Sul explicitou abertamente uma suposta aliança com o EI. Apesar de a investigação não ter constatado um contato direto dos suspeitos com o EI, conversas mostram que eles passaram a "se sentir parte" da facção, além de apresentarem grandes indícios de que os ataques poderiam ser realizados. "Houve uma série de atos preparatórios e, em um determinado momento, o grupo mostrou que o Brasil deixou de ser um país neutro. E, em virtude das Olimpíadas e da vinda de turistas de diversas nacionalidades, o Brasil poderia se tornar um alvo", explicou o ministro Moraes em coletiva de imprensa. Segundo o ministro, havia o risco real de se repetirem no Rio atos extremistas como o que vitimou 50 pessoas na boate Pulse, em Orlando, há pouco mais de um mês. Um dos investigados entrou em contato, por e-mail, com um fornecedor de armas clandestinas no Paraguai, solicitando a compra de um fuzil AK-47. As mensagens trocadas entre o admirador do Estado Islâmico e o fornecedor de armas estão em poder dos investigadores, segundo repoortagem da revista VEJA. Em junho, a VEJA já havia revelado a existência de um relatório reservado em que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) estipulava em 4, numa escala de 1 a 5, o nível de ameaça terrorista ao Brasil durante os Jogos Olímpicos do Rio. No dia 15 de julho, o Brasil deportou o físico nuclear franco-argelino Adlene Hicheur, condenado em 2012 por envolvimento com terrorismo e o grupo Al Qaeda na França, e após os atentados de Nice, também na França um dia antes, os responsáveis pela segurança dos Jogos decidiram aumenatr as medidas preventivas, como uma maior utilização de blitz e revistas a transeuntes. Apesar de os jihadistas presos no dia 21 provavelmente não terem nada a ver com estes incidentes, está cada vez mais claro que ativistas simpatizantes de grupos terroristas como o EI estão começando a pipocar pela América Latina. No entanto, autoridades brasileiras afirmam que o país está preparado para enfrentar qualquer tipo de ameça durante as Olimpíadas. Cerca de 85.000 soldados e policiais estarão em patrulha na tentativa de manter a segurança no Rio de Janeiro, para os 10.000 atletas e para os 350.000 a 500.000 expectadores estrangeiros que, segundo expectativa, chegarão para os Jogos. Isso representa um contingente duas vezes maior que o dos Jogos de Verão em Londres em 2012. Em vista dos últimos acontecimentos, o que antes poderia ser considerado um exagero por parte das autoridades, claramente demonstra que, com a presença agora confirmada de terroristas em terrirtório brasileiro, todo o cuidado é pouco.
Share