Protestos espontâneos, maior ameaça à visita do Papa ao Rio, segundo inteligência

Por Dialogo
julho 18, 2013


As manifestações espontâneas são consideradas pelo serviço brasileiro de inteligência a maior ameaça durante a visita do Papa ao Rio de Janeiro, na última semana de julho, informou no dia 16 de julho a estatal de notícias Agência Brasil.

O Brasil decidiu aumentar a quantidade de efetivos militares que farão a segurança do papa Francisco durante sua estada na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que reunirá cerca de 1,5 milhão de fiéis entre os dias 23 e 28 de julho no Rio, depois das históricas manifestações que mobilizaram mais de um milhão de pessoas nas ruas no mês de junho.

Os protestos espontâneos nas ruas – como os que ocorreram em junho, em plena Copa das Confederações, em várias cidades brasileiras – são a única ameaça com alerta vermelho da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), segundo a Agência Brasil.

A Abin monitora as “fontes de ameaças” e as classifica com cores, segundo o nível de risco. São também considerados ameaças os acidentes de trânsito, o crime organizado, as ações de organizações terroristas, movimentos de reivindicação (protestos organizados) e crimes comuns.

No entanto, não existem grandes protestos convocados no momento através das redes sociais, salvo um “beijaço gay” na praia de Copacabana, quando o papa pronunciar seu discurso de boas- vindas aos jovens, no dia 25 de julho, e uma manifestação contra a violência sexual no que se conhece como a “marcha das prostitutas”, no sábado 27.





Que coisas ocorrem com os Papas! Quando Jesus Cristo esteve pessoalmente levando a cabo seu ministério na Terra, nunca teve guarda-costas nem nenhum governo lhe deu proteção. Como se pode entender que o Papa Francisco receba tanta proteção, que custará milhões de dólares, se supostamente ele é o vigário de Cristo na Terra? Que contradição!
Share