Quarta Frota dos EUA é anfitriã de Diálogos Marítimos de Estado-Maior com a delegação naval colombiana

Quarta Frota dos EUA é anfitriã de Diálogos Marítimos de Estado-Maior com a delegação naval colombiana

Por Relações Públicas das Forças Navais do Comando Sul dos EUA
setembro 15, 2020

O Contra-Almirante Don Gabrielson, comandante das Forças Navais do Comando Sul dos EUA/4ª Frota dos EUA recebeu, no dia 1º de setembro, representantes da Marinha da Colômbia para os Diálogos Marítimos de Estado-Maior (MST, em inglês), realizados anualmente.

Os MST apoiam a estratégia global dos EUA, construindo e fortalecendo as relações de trabalho entre os Estados Unidos e as nações parceiras e aprimorando a interoperabilidade, por meio de reuniões presenciais. Este ano, devido à pandemia da COVID-19, as conversações ocorreram virtualmente, através da Rede de Acesso a Todos os Parceiros (APAN, em inglês).

“Os diálogos de Estado-Maior são uma oportunidade para que nossas marinhas reavaliem os progressos e planejem novos esforços para fortalecer nossas parcerias”, disse o C Alte Gabrielson.

O C Alte Gabrielson comandou a delegação dos EUA junto com o Contra-Almirante (FN) Phillip Frietze, comandante das Forças do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Sul, e o Contra-Almirante da Guarda Costeira dos EUA Scott Clendenin, subcomandante de Políticas de Resposta. O Vice-Almirante da Marinha da Colômbia José Joaquín Amezquita, chefe de Planejamento Naval da Colômbia, comandou a delegação colombiana.

Os tópicos da conversa incluíram a crescente participação da Colômbia em exercícios que se concentram em operações de interdição, costeiras e ribeirinhas, bem como na expansão do Acordo para Aquisição e Intercâmbio de Serviços (ACSA, em inglês), que permite o intercâmbio de bens e serviços entre ambas as marinhas.

Os representantes também decidiram dar continuidade aos intercâmbios entre especialistas em assuntos específicos, que incluem o intercâmbio de militares, um programa realizado desde 1985. Além disso, os representantes concordaram em ajudar a desenvolver um currículo avançado de guerra na superfície para a Escola de Guerra da Colômbia.

“O tópico mais importante foi compreender o que precisamos fazer uns pelos outros no futuro. Que tipo de missões, tarefas e deveres temos para que possamos ajudar-nos mutuamente”, disse o V Alte Amezquita. “Queremos continuar trabalhando com vocês em busca de interesses e objetivos comuns. Trabalhar juntos é o objetivo dessa marinha.”

“Seja presencial ou virtualmente, podemos aprender uns com os outros”, disse o C Alte Gabrielson. “Desenvolvemos algumas oportunidades excelentes, e eu espero ansiosamente que continuemos a trabalhar com nossos parceiros tão capazes e comprometidos da Colômbia.”

As Forças Navais do Comando Sul dos EUA apoiam as operações militares conjuntas e combinadas do Comando Sul dos EUA, com o uso das forças marítimas nas operações de cooperação em segurança marítima para manter o acesso, aumentar a interoperabilidade e criar parcerias duradouras, com o objetivo de fortalecer a segurança regional e promover a paz, a estabilidade e a prosperidade nas regiões do Caribe e das Américas Central e do Sul.

Share