Projetos de desenvolvimento da China exportam devastação ambiental

Projetos de desenvolvimento da China exportam devastação ambiental

Por Geraldine Cook
dezembro 03, 2020

As empresas estatais da República Popular da China (RPC) estão destruindo o meio ambiente em países ao redor do mundo, um projeto de infraestrutura corrupto de cada vez.

A RPC é responsável pela maior emissão de gases de efeito estufa e poluição por mercúrio do mundo, e o principal consumidor de vida selvagem e produtos de madeira ilegais. As empresas estatais da RPC estão exportando o descaso do Partido Comunista Chinês (PCC) pelo meio ambiente através de projetos de infraestrutura frequentemente corruptos da iniciativa Um Cinturão, Uma Rota (OBOR, em inglês) do regime.

“Nos últimos anos, projetos apoiados pela China em vários continentes têm deslocado populações locais, afetado negativamente a qualidade da água, poluído terras adjacentes e arruinado ecossistemas frágeis”, disse o Departamento de Estado dos EUA através de um informativo, em 25 de setembro, sobre os abusos ambientais da China. “Muitos projetos de infraestrutura chineses planejados em todo o mundo causariam danos semelhantes.”

Um estudo de maio de 2018 publicado na revista on-line Nature Sustainability alertou que os projetos OBOR podem levar à “degradação ambiental permanente”. E em novembro de 2017, o Fundo Mundial para a Vida Silvestre descobriu que os projetos da OBOR poderão afetar quase 265 espécies ameaçadas, incluindo antílopes, tigres e pandas gigantes.

A iniciativa OBOR de Pequim promete nova infraestrutura para nações em desenvolvimento, mas os projetos, muitas vezes marcados pela corrupção, carecem de supervisão adequada e oferecem trabalho de baixa qualidade. Violações trabalhistas e dívidas insustentáveis ​​também são comuns, de acordo com vários relatórios. Na América Latina, o investimento chinês em infraestrutura pode estar associado ao aumento do tráfico da fauna selvagem.

A falta de diretrizes ambientais claras do programa pode fazer com que os países enfrentem as consequências de projetos que não atendem aos padrões internacionais.

No Sudão do Sul, as empresas estatais da RPC, incluindo a Corporação Nacional de Petróleo da China, financiaram consórcios de petróleo que poluíram a água e o solo com produtos químicos tóxicos, relata a Associated Press (AP). Os moradores que residem nas proximidades sofreram um número alarmante de problemas de saúde, incluindo defeitos congênitos.

Um consórcio de petróleo apoiado pela RPC também se envolveu em corrupção, usando fundos destinados ao desenvolvimento para apoiar estilos de vida luxuosos de políticos de alto nível, informou a AP, citando um relatório de setembro de 2019 de The Sentry, um grupo de vigilância com sede em Washington.

Em 15 de setembro, os Estados Unidos impuseram sanções à Union Development Group Limited (UDG), uma empresa estatal da RPC, por seu papel no esquema de corrupção em torno do desenvolvimento de um resort multibilionário em Camboja.

Autoridades dos EUA dizem que a UDG se registrou falsamente como uma entidade de propriedade de Camboja para arrendar as terras antes de voltar ao controle da RPC. A empresa, por meio de um general cambojano sênior que, em 2019, sofreu sanções dos EUA por corrupção, usou as forças militares cambojanas, visando desmatar terras à força para o projeto, devastando o meio ambiente e prejudicando a subsistência dos moradores locais.

Share