Projeto chinês no Brasil é criticado por seu alto custo e impactos ambientais

Projeto chinês no Brasil é criticado por seu alto custo e impactos ambientais

Por Andréa Barretto/Diálogo
abril 01, 2021

Um consórcio chinês formado por três empresas estatais assinou, no dia 12 de novembro de 2020, um contrato com o estado da Bahia, no nordeste do Brasil. O ato firmou a parceria para a construção de uma ponte de 12,4 quilômetros, a segunda maior da América Latina em extensão. A previsão é de que as obras se iniciem em 2021 e sejam concluídas em até cinco anos.

A ponte vai fazer a ligação entre a cidade de Salvador, capital da Bahia, e a ilha de Itaparica, na Baía de Todos os Santos. Essa, por sua vez, já é conectada ao continente por meio de outra ponte que dá acesso à região sul do estado. A polêmica ideia de construção de tal equipamento é discutida desde 1967 e divide opiniões, sendo considerada por uma parte da população e por alguns especialistas e políticos demasiadamente onerosa e de grande impacto ambiental sobre uma área histórica e turística, a Baía de Todos os Santos.

O leilão que possibilitou à China a conquista do projeto foi realizado em 2019 e não teve concorrentes. O investimento para a construção da obra é de R$ 5,4 bilhões (quase US$ 1 bilhão), dos quais a Bahia irá desembolsar R$ 1,5 bilhão (quase US$ 300 milhões) e o restante será de responsabilidade da iniciativa chinesa. O contrato prevê que a China, além de construir o equipamento, fará a gestão e a administração da ponte por 35 anos. Durante essas três décadas e meia, o governo baiano também fará repasses ao consórcio chinês na ordem de R$ 56 milhões (quase US$ 10 milhões), anualmente.

A Bahia é o estado com o maior número de pessoas pobres e extremamente pobres no Brasil: são cerca de 8 milhões de cidadãos nessa situação, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O receio é que o vultoso compromisso financeiro do contrato com os chineses resulte em falta de investimentos em setores que já são precários no estado, como saúde, educação e até saneamento básico.

Além disso, uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado da Bahia apontou um sobre preço de R$ 241,4 milhões (quase US$ 42 milhões) no orçamento da obra. Diante do potencial prejuízo aos cofres públicos causado pelas irregularidades identificadas pelos auditores, esses haviam solicitado, em 2019, a suspensão da licitação. No entanto, o pedido não foi aceito pelos órgãos responsáveis.

Outro grande foco de crítica ao projeto da ponte é o impacto ambiental da obra. Segundo estudo realizado por empresas contratadas pelo governo da Bahia, com a finalidade de identificar e medir tais ameaças, a construção da ponte Salvador-Itaparica vai gerar 167 impactos ambientais, atingindo o mar, rios, animais e plantas, além de socioeconomicamente impactar também os próprios territórios abrangidos pela obra.

Nesse último caso, a preocupação é com o crescimento desenfreado da população na ilha de Itaparica, uma região bucólica de natureza ainda preservada, com cerca de 60.000 habitantes majoritariamente de baixa renda. Segundo especialistas, não há previsão de investimentos em infraestrutura física e social necessários para que a área suporte o aumento repentino da população. “A mera passagem de uma rodovia em um ambiente ainda relativamente preservado tende a criar as condições para o crescimento de concentrações populacionais sub-humanas e para sua degradação”, afirmaram os pesquisadores Francisco Lima Cruz Teixeira e Sílvio Vanderlei Araújo Sousa, em um artigo sobre a construção da ponte, publicado na revista de ciências sociais do Centro de Estudos e Pesquisas em Humanidades da Universidade Federal da Bahia.

Grupos ambientalistas locais chamam a atenção também para o desaparecimento de um rio em razão da necessidade de aterramento, da alteração de recifes marinhos por causa da poluição sonora e da pressão das máquinas subaquáticas e supressão da vegetação e de manguezais locais, que são ambientes nascedouros de peixes, sendo a pesca uma das principais atividades dos moradores da ilha.

Share