Polícia paraguaia detém integrante do Comando Vermelho

Polícia paraguaia detém integrante do Comando Vermelho

Por Eduardo Szklarz/Diálogo
novembro 10, 2020

No dia 18 de setembro, agentes da Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD) do Paraguai capturaram Mauro Galeano, conhecido como Alemão, que seria uma peça-chave do grupo criminoso brasileiro Comando Vermelho (CV) no país.

Galeano, paraguaio de 34 anos, seria o braço direito de Marcelo Pinheiro, conhecido como Piloto, um dos líderes do CV, que está preso no Brasil.

Mauro Galeano, conhecido como Alemão, seria um dos principais colaboradores no Paraguai da facção criminosa brasileira Comando Vermelho. (Foto: Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai)

“Alemão é um alvo que estava sendo procurado desde 2015”, disse Francisco Ayala, porta-voz da SENAD, à emissora de televisão NPY. “Ele agia com muita discrição. Foi realmente difícil localizá-lo”, disse Ayala.

Alemão foi detido na cidade de Juan Manuel Frutos, estado de Caaguazú, com três pacotes de cocaína escondidos no estepe de seu veículo. Um cidadão paraguaio que o acompanhava também foi preso.

Trabalhos prévios de inteligência informaram que o traficante estava levando a cocaína para a região de fronteira, como uma amostra que é utilizada para as negociações de venda de drogas, informou a SENAD.

Nos últimos anos, o CV expandiu suas atividades na região de Pedro Juan Caballero, onde controla rotas do tráfico de maconha paraguaia e de cocaína proveniente do Peru e da Bolívia.

“Acreditamos que Alemão seja o último nome importante dentro da estrutura do Comando Vermelho, liderada por Marcelo [vulgo] Piloto no território paraguaio”, informou Ayala.

A facção criminosa já sofreu revezes no Paraguai. Em 2017, agentes antidrogas detiveram Piloto na cidade de Encarnación.

Segundo a SENAD, a prisão do líder do narcotráfico Piloto foi possível graças ao apoio da Polícia Federal do Brasil e da Administração para o Controle de Drogas dos EUA.

Piloto idealizou um plano para continuar detido no Paraguai, pois dali seria mais fácil escapar do que das penitenciárias brasileiras, revelou o site da organização InSight Crime.

Para evitar sua extradição, o traficante se responsabilizou por diversos crimes praticados no Paraguai. Mas, quando soube que mesmo assim seria extraditado, ele assassinou com uma faca de mesa uma mulher que o havia visitado na cela.

Piloto foi extraditado do Paraguai em novembro de 2018 e atualmente está detido em uma prisão de segurança máxima no Brasil.

Share